Clique aqui e veja as últimas notícias!

MUDANÇA

Carnaval em Campo Grande deve ser adiado para julho de 2021, diz Sectur

De acordo com o secretário municipal de Cultura e Turismo, Max Freitas, as escolas de samba devem desfilar com meses de atraso por causa da pandemia
23/11/2020 13:03 - Gabrielle Tavares


O Carnaval fora de época que acontece extraoficialmente todos os anos pode se tornar a única festividade do feriado no ano que vem. Sem a baixa nos casos de Covid-19 no Estado, a festa, que é realizada geralmente entre fevereiro e março, pode ser adiada para maio ou julho de 2021.

A informação é da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Sectur). De acordo o secretário da pasta, Max Freitas, “existe uma conversa em andamento com a Liga das Escolas de Samba para promover a festa no meio do ano”.

No Rio de Janeiro, umas das referências do Carnaval nacional e internacional, a festa não foi oficialmente adiada pela prefeitura, mas a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) anunciou que não haverá os tradicionais desfiles em fevereiro. 

As datas cotadas são entre maio e junho, mas o evento só deve acontecer depois da chegada da vacina contra o coronavírus.

 
 

Já em Salvador, a prefeitura já confirmou que o Carnaval deverá acontecer em julho. E em São Paulo, apesar de também confirmado o adiamento, as datas não foram anunciadas. Assim como Campo Grande, as demais capitais ainda não se manifestaram oficialmente a respeito do assunto.

Réveillon

Faltando pouco mais de um mês, ainda não há nada decidido a respeito do Réveillon na Capital. As comemorações promovidas pela prefeitura costumam acontecer nos altos da Avenida Afonso Pena, com atrações musicais e queima de fogos.

“Por enquanto não existe nada cancelado, porém, também não há definições a serem divulgadas. Até porque não sabemos qual será o real estado e a gravidade da segunda onda de coronavírus”, ressalta.

Mato Grosso do Sul registrou mais 785 casos do novo coronavírus e 4 mortes neste domingo (22). Ao todo, o número total de infectados pela doença chegou a 92.467, e o de óbitos, 1.722.

“A doença está muito presente, não só no nosso Estado, mas no Brasil. Há um avanço da doença nesses últimos dias, já está se expressando no número de exames que estamos fazendo, há um recorde substantivo da coleta de testes em todas as cidades, principalmente na Capital”, relatou Resende.

O Correio do Estadohavia noticiado semana passada que os casos da Covid-19 voltaram a crescer em Campo Grande e em todo Mato Grosso do Sul.  

Médico infectologista e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Júlio Croda afirma que os dados sobre a doença indicam que os casos estão em ascensão. 

O pesquisador defendeu que medidas restritivas voltem a ser tomadas para impedir que uma segunda onda atinja o Estado. Entre as medidas, o cancelamento de eventos, como o Carnaval e o Réveillon.

“Com certeza, o toque de recolher deve voltar. Tem impacto para evitar aglomerações. Também deve haver cancelamento de eventos que causem aglomeração, como shows, casamentos. Os gestores devem pegar o Prosseguir e ver quais as recomendações lá”, disse o especialista, referindo-se ao programa criado pelo governo do Estado em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas Américas.