Cidades

COLETA SELETIVA

A+ A-

Desafio da prefeitura é conscientizar moradores

Desafio da prefeitura é conscientizar moradores

DANIELLA ARRUDA

02/07/2011 - 00h06
Continue lendo...

Encontrar moradores nas residências e convencer quem nunca separou o próprio lixo a adotar esse hábito serão os principais desafios a serem superados pela Prefeitura de Campo Grande para implantar o programa de coleta seletiva porta-a-porta na Capital. Os trabalhos começaram ontem, atingindo cerca de 4 mil domicílios em seis bairros, mas ainda com adesão reduzida.

O Correio do Estado acompanhou uma das equipes do programa no Jardim São Lourenço ontem de manhã e em duas ruas percorridas (Itápolis e Ibirapuera), os coletores depararam com a maioria das casas fechadas. Naquelas onde havia morador ou funcionário - requisito para que aconteça a coleta - uma das situações constatadas foi o fato de a pessoa ainda não ter conhecimento do programa. Em outros, o residente afirmou que havia sido informado previamente e separou o lixo para entrega, ou já tinha o hábito de separar o lixo e aproveitou a passagem da equipe para descartar o material.

"Não sabia, não passaram antes na minha casa. Mas acho muito bom", comentou Ruth Martins, de 83 anos. A moradora conta que já tem o hábito de juntar jornais, que depois são doados para um catador de lixo reciclável que passa em sua rua, mas agora pretende participar do programa, separando outros tipos de material. Dona Ruth recebeu ontem da equipe de coleta seletiva sacos de plástico, que serão recolhidos durante a próxima passagem dos coletores pela rua, na semana que vem.

A professora Juliana Lache, 32 anos, mudou-se há um mês para Campo Grande e soube por meio de uma vizinha que seu bairro receberia as equipes de coleta seletiva. No entanto, sem saber qual seria o dia de coleta, acabou entregando todo o material que havia separado para um catador de material reciclável. Mesmo sem ter participado do primeiro dia do programa, ela considera válida a iniciativa. "Eu morava no Rio de Janeiro e lá a gente praticava a coleta seletiva, mas tinha que levar tudo para uma escola do bairro. Aqui, será bem mais cômodo", comentou.

 

Falta consciência

A artista plástica Glorinha Paixão, 57 anos, também separa regularmente o lixo seco do molhado em sua residência, mas recebeu a notícia de que haveria coleta seletiva em seu bairro com descrédito. "Eu já faço isso há dois anos, mas não acreditava que iam passar em minha rua. Acho excelente, o povo tem que aprender, se organizar e ter consciência de que muita coisa pode ser reaproveitada", defendeu.

A uma quadra da casa da moradora, o  Correio do Estado deparou com uma situação curiosa — na lixeira em frente a um residencial, um cartaz busca orientar os condôminos a evitar misturar fezes de animais com o lixo doméstico, flagrante que mostra a necessidade de mudança de cultura da população campo-grandense em geral sobre a destinação do lixo. "Esse é o objetivo macro do programa: reciclagem total e mudança de comportamento", resumiu o secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Marcos Cristaldo.

Saúde da mulher

Desvendando a maternidade: I Encontro com Gestantes de 2024 aborda parto, amamentação e cuidados

Curso gratuito acontecerá nos dias 4,6,7 e 8 de março com dicas também de mala maternidade, anestesia e outros temas

25/02/2024 17h41

O evento gratuito é direcionado a gestantes e suas redes de apoio. Foto: Valdernir Rezende/Arquivo Correio do Estado

Continue Lendo...

Os cursos preparatórios para gestantes e seus parceiros pretendem diminuir dúvidas e humanizar o atendimento, contrapondo-se ao pré-natal, considerado impessoal e muito técnico. Em Campo Grande, o programa 'Encontro com Gestantes da Unimed' tem como objetivo proporcionar experiência positiva, ativa e consciente da gestação e do parto. 

Com o objetivo de esclarecer temas que envolvem a maternagem e todo o cuidado pré e pós-parto, a Unimed Campo Grande promove a primeira edição do Encontro em 2024, que ocorrerá nos dias 4, 6, 7 e 8 de março. Dúvidas e mitos serão esclarecidos por profissionais especializados.

Cabe destacar que o evento gratuito é direcionado a gestantes e suas redes de apoio, com o objetivo de oferecer conhecimentos práticos e desmistificar questões relacionadas à maternidade, pré e pós-parto. A iniciativa visa humanizar o atendimento, contrastando com a percepção de que o pré-natal é impessoal e excessivamente técnico.

Nesta 79ª edição, profissionais especializados, como a médica obstetra Dra. Rubia Borges Loureira e a pediatra Dra. Hemilene Lucas Mendes de Lima, abordarão temas como escolha da via de parto, recepção do recém-nascido, analgesia de parto, cuidados iniciais com o bebê e muito mais. A programação inclui também a palestra "Montando a Mala da Maternidade", atendendo a uma preocupação frequente das futuras mães.

“O público é formado, em sua maioria, por pais de primeira viagem, jovens, e com dúvidas, por exemplo, com a amamentação, privação do sono, falta de rede de apoio e o papel do pai”, explica a obstetra, Rubia Borges.

“É uma fase de muita ansiedade e muitas informações, nem todas corretas. Por isso, nas palestras, procuro ensinar os pais e mães sobre o manejo do seu bebê, por meio de uma linguagem didática e de fácil compreensão, colocando exemplos do dia a dia com muita interação com o público. Procuramos mostrar as diferentes formas de agir, de acordo com cada fase de desenvolvimento do bebê", pontua a pediatra, Hemilene.

Por fim, a enfermeira Alessandra Silva, responsável pela Linha de Cuidado Gestante do Programa Viver Bem da cooperativa, destaca a importância do encontro como uma oportunidade única para trocar experiências e esclarecer dúvidas com base nas demandas reais das gestantes.

“Como montar a mala de maternidade, foi um assunto inserido pois traz preocupações para as futuras mamães. Teremos muita informação de valor”, acrescenta Alessandra. 

Inscrições

As inscrições para o evento, que ocorrerá no auditório da Unimed Campo Grande às 19h, podem ser realizadas pelo link unimed.me/051/encontro-gestantes1.

O evento é parte do movimento "Jeito de Cuidar Unimed", que busca conectar todos na cooperativa em torno do cuidado, definindo um novo padrão de atenção à saúde e bem-estar, proporcionando uma experiência positiva e única aos beneficiários, clientes e à comunidade em geral.

Confira a programação

DIA 4

19h - Escolha da via de parto
Dra. Rubia Borges, Ginecologista e obstetra

20h - Anestesia no parto
Dr. Rodrigo Laudo, Anestesiologista
 
DIA 6

19h - Conhecendo seu bebê
Dra. Hemilene Mendes, Pediatra

20h - Primeiros socorros em bebês
SOS Unimed
 
DIA 7

19h - Montando a mala da maternidade 

20h - Amamentação 
Suzana Bahmad, Enfermeira e Consultora em Amamentação
 
DIA 8 

19h - Primeiros cuidados com o bebê
Suzana Bahmad, Enfermeira e Consultora em Amamentação


Assine o Correio do Estado.

PREVENÇÃO

Prefeitura usa drones para fiscalizar terrenos baldios contra a dengue

Ações são direcionadas para bairros com maior incidência de casos

25/02/2024 17h16

Drones sobrevoam terrenos baldios para fiscalizar se há focos de dengue Foto: Divulgação

Continue Lendo...

O combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, Zika e Chykungunia, é reforçado com o uso  de drones em Campo Grande.

De acordo com a prefeitura, os equipamentos são utilizados para o mapeamento e fiscalização de terrenos baldios nas regiões com maior incidência de casos confirmados dessas doenças.

Ainda segundo a administração municipal, os drones proporcionam celeridade e precisão durante as fiscalizações, isto porque é possível, em um curto espaço de tempo, mapear e identificar dezenas de terrenos baldios que possam ter criadouros do mosquitos.

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) identifica as áreas de risco e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana (Semadur) direciona as ações fiscalizatórias.

As imagens obtidas são encaminhadas para análise dos auditores fiscais e a correta identificação dos terrenos baldios sem a devida manutenção.

Após a identificação do foco, são elaborados os relatórios fiscais e logo são encaminhados como notificações aos seus respectivos proprietários para a correta manutenção de seus imóveis.

Em uma das ações realizadas neste mês, no Bairro Vivendas do Parque, local com alta incidência de casos confirmados, em duas horas, drones sobrevoaram uma área de 890 mil m² (ou 89 hectares), compreendendo todo o bairro. No total, foram 55 quadras monitoradas pelos drones.

Outra ação realizada com o apoio de drones aconteceu no bairro Parati, onde o bairro todo foi fiscalizado pelos drones em cerca de 2h30.

A secretária municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana, Kátia Sarturi, ressalta que o uso de novas tecnologias desempenha um papel fundamental no combate à dengue, Zika e Chykungunia;

“Entendemos que o melhor caminho é atuar no combate às arboviroses de forma conjunta entre as Pastas Municipais, o que resulta em uma melhor efetividade das ações de prevenção. E com a utilização do drones temos a oportunidade de identificar potenciais criadouros de mosquitos em áreas que seriam de difícil acesso, ficam totalmente acessíveis para identificação”, disse.

Dengue

Enquanto boa parte do Brasil enfrenta a pior situação desde que a dengue voltou a assustar, no início dos anos 80 do século passado, em Campo Grande a situação é contrária, com o menor número de casos dos últimos anos.

Conforme reportagens do Correio do Estado, a situação pode ser explicada pela soltura dos mosquitos wolbiros, que são Aedes aegypti com a bactéria Wolbachia, que impede que os vírus da dengue, da zika, da chikungunya e da febre amarela se desenvolvam dentro do inseto, contribuindo para a redução dessas doenças.

Outro fato que contribui para a incidência menor de casos são as chuvas irregulares e abaixo da média, que têm ocorrido na Capital.

De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), Campo Grande teve, até o dia 17 de fevereiro, 197 casos confirmados de dengue neste ano, sem mortes, e está classificada como baixa incidência para a doença.

Em todo o Estado, são 3.207 casos notificados como suspeitos e 1.040 confirmados de dengue, além de uma morte, de uma menina de 1 ano, moradora de Maracaju.

No Brasil, até o último dia 17, havia sido registrado 653.656 casos prováveis, alta de 294% em comparação com o mesmo período do 2023, ano em que o país bateu recorde de mortes pela doença.

O atual patamar nunca foi atingido tão rapidamente, segundo dados do ministério. A pasta projeta que o país pode atingir os 4,2 milhões de casos até o fim do ano.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).