Cidades

litoral

Licitação definirá depósito de rejeito radioativo de Angra 3

Licitação definirá depósito de rejeito radioativo de Angra 3

AGÊNCIA BRASIL

21/07/2011 - 20h30
Continue lendo...

O governo federal tem até o início do funcionamento da Usina Nuclear Angra 3, no litoral fluminense, para decidir onde será localizado o depósito definitivo dos rejeitos deste tipo de instalação industrial (como luvas, macacão e filtros) e de outros equipamentos com tecnologia nuclear, como reatores e máquinas usadas em exames clínicos.

Angra 3 deverá entrar em funcionamento até 2018 na previsão da Cnen (Comissão Nacional de Energia Nuclear),

Segundo o coordenador do CRCN-CO (Centro Regional de Ciências Nucleares do Centro-Oeste), ligado à Cnen, Leonardo Bastos Lage, o local será escolhido por meio de licitação pública, e os municípios interessados poderão se candidatar para receber as medidas compensatórias que serão ofertadas em edital.

O prazo para construção do depósito definitivo, revestido com aço e concreto, foi estabelecido em março de 2009 pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) no licenciamento para a construção de Angra 3.

Lage é categórico ao dizer que "não há decisão tomada"; que ainda "não é hora de discutir" e que "não há pressa" para a decisão.

O local definitivo deve ser definido entre municípios dos estados do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Minas Gerais, mais próximos das usinas de Angra dos Reis.

A informação esvazia a preocupação de políticos de Goiás e de movimentos sociais, que temem que os rejeitos das usinas sejam depositados na cidade de Abadia de Goiás, a 24 quilômetros de Goiânia, onde está o material contaminado com o acidente do césio 137, ocorrido em 1987.

Protesto contra depósito

No último fim de semana, houve manifestação em Abadia de Goiás, organizada pela prefeitura, e a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados prometeu convocar uma audiência pública, após o recesso legislativo, sobre a suposta destinação dos rejeitos de Angra 3 para Goiás.

O engenheiro ambiental Daniel Regis Ribeiro, que trabalha no Projeto Rondon em Goiás, onde coordena a mobilização social, teme que o Estado fique "estigmatizado" e não vê sentido em transportar o material do litoral até o interior do país.

Leonardo Lage insiste, porém, em dizer que "não existe decisão" de levar os rejeitos das usinas de Angra para Goiás e lembra que, atualmente, o material descartado está na área da própria usina, assim como os rejeitos de equipamentos que usam tecnologia nuclear estão em "depósitos intermediários" existentes em vários estados e perto do local de origem.

Segundo Lage, o combustível nuclear das usinas Angra 1, 2 e 3 "não é lixo nuclear" e "não será guardado no depósito definitivo", uma vez pode ser reaquecido para novo uso em outro tipo de usina nuclear.

De acordo com o coordenador, está em Abadia de Goiás exclusivamente o material do acidente com o césio 137.

O material, formado pelo entulho das casas das pessoas que foram contaminadas, roupas, brinquedos e utensílios domésticos, pesa cerca de 6.000 toneladas e foi guardado em 1.200 caixas, 2.900 tambores e 14 contêineres revestidos com concreto e aço.

SAÚDE

Campanha oferece voucher de R$50 para quem fizer teste de HIV

A ação é válida para aqueles que nunca iniciaram tratamento para o HIV, possuem CPF e não foram testados nos últimos seis meses

21/05/2024 17h30

Campanha oferece voucher de R$50 para quem fizer teste de HIV

Campanha oferece voucher de R$50 para quem fizer teste de HIV Divulgação

Continue Lendo...

O projeto A Hora é Agora está oferecendo um cartão de ajuda de custo no valor de R$ 50 para incentivar a testagem de HIV e outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) entre pessoas trans, travestis, não binárias e trabalhadores(as) do ramo sexual.

A ação é válida para aqueles que nunca iniciaram tratamento para o HIV, possuem CPF e não foram testados nos últimos seis meses.

O teste deve ser realizado presencialmente no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), e o valor do cartão pode ser utilizado em qualquer estabelecimento comercial.

Após a realização do teste, a pessoa recebe o cartão-benefício e vouchers com um código pessoal, incentivando sua rede a também fazer o teste, se quatro pessoas utilizarem o código para se testarem, a pessoa que as recrutou ganha outro cartão de R$ 50.

Àqueles que não se enquadram nos critérios iniciais, como os já em Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), podem participar como recrutador(a).

Para isso, basta retirar os vouchers na unidade de atendimento e, se quatro pessoas utilizarem o código do voucher para testar, o recrutador(a) ganha um cartão de R$ 50.

A iniciativa tem como objetivo aumentar o índice de testagem nessa população, que frequentemente enfrenta dificuldades de acesso devido à falta de informação, estigma e preconceito.

A campanha "TESTAR É UM DIREITO" apoia a ação com a distribuição de cartazes e panfletos para sensibilizar o público-alvo.

Parte dessa estratégia é garantir que saibam que serão recebidas em um ambiente profissional, seguro e humanizado nas unidades de atendimento apoiadas pelo A Hora é Agora.

Além da testagem, essas unidades oferecem PrEP, Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP), preservativos, lubrificantes, aconselhamento e encaminhamento para outros serviços, se necessário.

Resultados e parcerias

O projeto já distribuiu milhares de autotestes para HIV e outras ISTs, a fim de promover o diagnóstico precoce e o suporte necessário para tratamento.

Outras ações incluem PrEP, PEP, notificação de parceiros (index testing) e busca ativa de usuários em abandono de tratamento.

A Hora é Agora faz parte de um Acordo de Cooperação entre a Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp) da Fiocruz, a Fiotec e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), com recursos do PEPFAR, em parceria com o Ministério da Saúde, Secretarias de Saúde e Organizações da Sociedade Civil.

Onde Se Testar?

Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA)

  • Segunda a sexta, das 7h às 17h
  • Rua Anhanduí, 353 Amambaí
  • Telefones: 98189-8300 | 99227-1228 | 99930-9713 | 2020-1701

Segurança

Muros de 8 metros são construídos na Máxima com o objetivo de inibir arremessos de drogas

A construção foi iniciada após um homem de 35 anos morrer em confronto com o Batalhão de Choque, após ser pego arremessando drogas para dentro do presídio.

21/05/2024 17h22

Mutos de 8 metrosd estão sendo intalados para inibir arremessos de drogas e celulares no presídio de segurança máxima.

Mutos de 8 metrosd estão sendo intalados para inibir arremessos de drogas e celulares no presídio de segurança máxima. Fotos: Gerson Oliveira

Continue Lendo...

Um muro de aproximadamente 8 metros está sendo erguido na área de convivência dos internos do Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, localizado no Jardim Noroeste, em Campo Grande. A medida tem como objetivo inibir a prática de arremesso de aparelhos celulares e drogas para dentro do estabelecimento penal, seja por meio de drones ou outras formas.

De acordo com o diretor-presidente da Agepen, Rodrigo Maiorchini, dois muros, um de 8 metros e outro de 4 metros, estão sendo construídos em dois pavilhões. Ambos serão cobertos por uma tela na tentativa de dificultar o arremesso de entorpecentes e eletrônicos. 

A construção dos muros deve custar R$240 mil reais, custeados com o dinheiro do Estado. 

Questionado, o diretor-presidente da Agepen afirmou que a construção dos muros não tem nenhum envolvimento com a morte de Milton Cezar Santos de Souza, de 35 anos, conhecido como Cezinha, que foi morto após ser pego em flagrante arremessando celulares para dentro do presídio de segurança máxima.

“O que aconteceu no final de semana foi um caso isolado e que não tem nenhum envolvido com crime organizado. A construção desses muros já estava no planejamento da Agepen. Temos exemplos nos presídios de Ivinhema, Caracol, Bataguassu, São Gabriel e Naviraí e já possuem esses muros há anos e não tiveram nenhum registro até hoje”, relatou.  

Diretor- presidente da Agepen, Rodrigo MarchionniDiretor-presidente da Agepen, Rodrigo Marchionni/ Fotos: Gerson Oliveira 


Medidas para inibir entrada de drogas

Ainda durante a coletiva na tarde de hoje, Maiorchini explicou que vistorias estão sendo realizadas periodicamente, como as operações de pente-fino, quando há um empenho maior dos agentes na busca de drogas e outros objetos dentro das celas.

Questionado sobre o que está sendo feito para inibir a entrada de celulares no presídio, Maiorchini disse que sistemas de raio-x e bodyscan, que conseguem ver dentro do corpo das pessoas, são tecnologias implantadas recentemente e que têm trazido bons resultados.

Fotos: Gerson Oliveira 

 
Morte após arremesso de celulares 

Na madrugada de domingo, Milton Cezar Santos de Souza, 35 anos, foi morto pelos policiais do Batalhão de Choque após ser abordado na Rua Adventor Divino de Almeida, no bairro Jardim Noroeste.

Conforme informações da polícia,  o suspeito seguia a pé, quando houve troca de tiros com os policiais do Batalhão de Choque. Em tentativa de abordagem, houve troca de tiros e o suspeito foi atingido. 

Ao ser atingido por tiros, foi socorrido pelos policiais e encaminhado até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Nova Bahia, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo no local. 

Conforme informações policiais, Milton Cezar, mais conhecido como CEzinha, é acusado de estuprar e matar uma mulher em junho de 2022.   

Medidas de segurança

A tecnologia será forte aliada da Agepen, para aumentar a segurança no estabelecimento penal, entre elas estão a instalação de câmeras com sensor de movimento que pode auxiliar os agentes a impedir eventuais tentativas de fuga. 

Outro ponto apontado foi a utilização de bloqueadores de sinal, que acabou não conseguindo ser totalmente eficaz. A Agepen informou que no presídio existem "pontos sombra" locais em que o sinal não é bloqueado. Além disso, como a Máxima fica próxima à vizinhança, o bloqueador interfere no sinal dos populares.

"Estamos comprometidos em garantir um sistema penitenciário mais controlado, reduzindo a influência da criminalidade e protegendo a sociedade", afirma o diretor-presidente da Agepen, Rodrigo Rossi Maiorchini e completou:

"A meta é erradicar a comunicação ilegal em presídios, diminuindo os riscos associados à atividade criminosa organizada dentro e fora das prisões".

 


 

Assine o Correio do Estado

 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).