Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PREFEITURA

Primeiro lote de ivermectina chega a Campo Grande um mês após anúncio de coquetel

Contratos com três empresas, previsto em R$ 860 mil, foi ampliado para cinco, com aquisição de quatro substâncias e total de R$ 2,4 milhões
01/08/2020 07:00 - Nyelder Rodrigues


Um mês após a Prefeitura de Campo Grande anunciar o protocolo de tratamento precoce da Covid-19, chegou nesta sexta-feira o primeiro lote de ivermectina, substância que, com a hidroxicloroquina, vai compor o coquetel de medicamentos na capital sul-mato-grossense. As quatro substâncias do protocolo custaram R$ 2,4 milhões.

Por ora, são 5 mil cápsulas de ivermectina 6 mg que vão aumentar o estoque da cidade – existe medicamento atualmente em reserva na Capital, mas o número é considerado muito baixo. Na próxima semana, mais 175 mil comprimidos do vermífugo escolhido para ser usado no combate ao novo coronavírus devem chegar à cidade para distribuição.

Esse primeiro lote de 5 mil comprimidos foi adquirido por R$ 6 mil da Farma Cinco Ltda. Ao todo, a empresa vai fornecer R$ 1.097.000,00 em medicamentos para a Prefeitura de Campo Grande, em processo de aquisição com dispensa de licitação em função da situação de calamidade causada pela pandemia.

 

Além da ivermectina, a Farma Cinco também vai fornecer para o município: 120 mil cápsulas de sulfato de hidroxicloroquina 400 mg (R$ 954 mil); 20 mil unidades de vitamina D (colecalciferol 50.000 UI) em cápsulas (R$ 17 mil); e 126 mil cápsulas de sulfato de zinco monohidratado 54,88 mg (R$ 120 mil).

O pagamento desses medicamentos chegou a ser empenhado no dia 15 de julho, porém, o ato foi anulado e refeito, sendo novamente empenhado no dia 28. Já no dia 17, houve empenho do pagamento da carga restante de ivermectina, mas outra vez o empenho foi anulado e refeito apenas no dia 30 de julho, no valor de R$ 385 mil.

Nesse caso, a empresa que recebeu o valor para fornecer as 145 mil unidades de ivermectina em dosagem 6 mg, nos formatos de cápsulas, comprimidos e drágeas, foi a Georgini Produtos Hospitalares. Outras três empresas firmaram contrato para fornecerem outros medicamentos. A previsão é a de que os produtos ainda não entregues cheguem no máximo em uma semana.

Outros medicamentos

Uma das empresas que firmaram contrato com o município é a Inovamed Comércio de Medicamentos Ltda., que recebeu R$ 239 mil, conforme empenho feito no dia 17 de julho, para fornecer 96 mil unidades de azitromicina 500 mg, seja em cápsulas, drágeas ou comprimidos. 

 
 

Já a Nunesfarma Distribuidora de Produtos Farmacêuticos Ltda. teve empenhado em seu nome R$ 637.980 para fornecer 651 mil cápsulas de sulfato de zinco, enquanto a Medicinalis Farmacêutica Ltda. recebeu R$ 59.850 para vender 63 mil cápsulas da mesma substância, na dosagem 54,880 mg.

Em todos os contratos (Processo de Compra nº 53.413/2020-22), a prefeitura desembolsou R$ 2.418.870 em acordos com cinco empresas. Inicialmente, a ideia era gastar apenas R$ 863.530, com a Nunesfarma (R$ 637.980), Medicinalis (R$ 59.850) e Farma Cinco (R$ 165.700).

Protocolo

O protocolo de medicamentos para o tratamento da Covid-19 foi anunciado no dia 1º de julho pela prefeitura, logo após reunião com um grupo de médicos encabeçados pelo toxicologista Sandro Benites, que coordena o Centro Integrado de Vigilância Toxicológica (Civitox).

Apesar de questionável, com várias estudos apontando a ineficácia de ambos medicamentos, sendo a hidroxicloroquina ainda causadora de efeitos colaterais consideráveis, o protocolo foi defendido por Benites e apoiado pelo prefeito Marcos Trad (PSD).

“Nunca vi alguém morrer em decorrência desses medicamentos em toda a minha carreira e nesses mais de 10 anos que estou à frente do Civitox”, destacou Benites no dia da reunião. Já Marcos Trad encerrou a reunião e saiu sem falar com a imprensa.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.