Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GAECO E GARRAS

Omertà faz buscas por Jerson Domingos e prende delegado por propina de R$ 100 mil

Equipes também prenderam pelo menos mais três pessoas e ainda fizeram buscas em Ponta Porã
18/06/2020 10:38 - Nyelder Rodrigues


 

Equipes do Gaeco (grupo especial de combate ao crime organizado do Ministério Público) e do Garras (da Polícia Civil) prenderam na manhã desta quinta-feira (18) o delegado da Polícia Civil, Marcio Obara, e estão em busca do conselheiro do Tribunal de Contas, Jerson Domingos, em mais uma fase da Operação Omertà.

Fragmentada em várias etapas, essa é a terceira fase da operação que investiga a facção criminosa comandada por Jamil Name e acusada de vários crimes em Mato Grosso do Sul. Ele já está preso, no presídio federal de Mossoró (RN), ao lado do filho, Jamil Name Filho, e outros integrantes do grupo de extermínio.

Conforme apurado pela reportagem, Gaeco e Garras foram ao apartamento de Jerson, na região do Shopping Campo Grande, mas não o encontraram no local. Ele estaria fora da cidade e teria recebido orientação para retornar.  

A reportagem tentou contato com ele por telefone, mas também não obteve êxito. As equipes após irem ao seu apartamento, teriam se dirigido ao seu sítio, em Corguinho. O conselheiro já tinha sido preso recentemente, durante operação em seu sítio, mas por porte ilegal de armas, sendo logo liberado.

Outras prisões e operação em Ponta Porã

Jerson é cunhado de Jamil Name, proprietário da empresa Pantanal Cap - dois funcionários da empresa, além da sobrinha de Jamil, Cinthya Name Belli, também foram presos na operação de hoje - e ex-deputado estadual, tendo inclusive sido presidente da Assembleia Legislativa durante vários anos.

Já Obara, ex-titular da delegacia de homicídios (DEH), atualmente está atuava na 2ª DP. No início das investigações, uma testemunha, mulher de Marcelo Rios, guarda municipal envolvido com a grupo liderado por Jamil Name, afirmou que viu Rios saindo para entregar R$ 100 mil para um delegado por causa do "filho do Fuad".

Contudo, o nome de Obara não é citado naquele documento, mas na época a DEH era chefiada por Obara e investigava o desaparecimendo de Daniel Alvarez Georges, filho de Fahd Jamil, conhecido como Fuad e 'rei da fronteira'.

Fahd também é alvo da terceira fase da Omertà, sendo que equipes foram até sua propriedade na fronteira entre Brasil e Paraguai, em Ponta Porã, e não o encontraram no local. As buscas vão seguir durante esse quinta-feira.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.