Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COVID-19

USP reprova vermífugos em testes de laboratório

Estudo ainda encontrou dois medicamentos animadores; cloroquina também foi reprovada
14/07/2020 11:46 - Da Redação


Um estudo da Universidade de São Paulo (USP) chegou à conclusão que vermífugos não são boas respostas para o tratamento da Covid-19. A ivermectina e a nitozaxanida – princípio ativo do Anitta-, são medicações que ganharam destaque no Brasil depois que alguns estudos laboratoriais sugeriam grande eficácia na eliminação de carga viral.

“Nossos resultados sugerem que essas drogas são pouco específicas e não atendem aos critérios necessários para testes in vitro com modelos animais”, diz o biólogo Lucio Freitas Junior, coordenador da Plataforma de Triagem Fenotípica do Instituto de Ciências Biomédica (ICB) da Usp.  

Isso porque, segundo a equipe, os vermífugos combatem o vírus ao mesmo tempo que destroem as células infectadas. Eles afirmam que seguindo os parâmetros modernos de desenvolvimento de drogas já excluiria essas medicações dos testes com seres humanos.  

“Se o vírus depende da célula, e você afeta a célula, é claro que vai afetar o vírus. Mas não adianta matar o vírus se você mata o hospedeiro junto”, explica Freitas. “Seletividade é essencial.”  

Outra droga que ganhou alta popularidade, e faz partes dos coquetéis de tratamento ao covid-19, é a Hidroxicloroquina. Inicialmente, ela, de fato, se mostra altamente eficaz e seletiva contra o SARS-CoV-2 em ensaios in vitro. No entanto, estudos clínicos demonstram que ela não é efetiva no organismo humano, além de carregar o risco de efeitos colaterais graves para alguns pacientes.

Em nota à imprensa, os pesquisadores afirmam que “redirecionar o uso de uma droga já existente para o tratamento de uma outra doença é bem mais simples do que desenvolver um medicamento novo do zero, mas não deixa de ser um caminho longo, complexo e repleto de incerteza”.  

 
 

Metodologia  

Para chegar às conclusões, os cientistas utilizaram uma técnica chamada triagem fenotípica. Primeiro as células são infectadas como o vírus em questão em várias dosagens. Depois, os medicamentos são aplicados em laboratório para comprovar a eficácia por meio de imagens de microscopia e moléculas fluorescentes.  

Outros agentes também foram testados, 65 para ser mais preciso. Duas medicações apresentaram resultados animadores. Brequinar e acetato de abiraterona foram os grandes vencedores desta primeira etapa. De todo os medicamentos, as duas substâncias são as mais indicadas para passar para os testes com seres humanos.

O brequinar ainda não está no mercado, mas é amplamente testada pela indústria farmacêutica como antitumoral e antiviral. A outra medicação é utilizada no tratamento do câncer de próstata.

O estudo laboratorial tem 10 autores, incluindo colaboradores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e de outras duas unidades da USP: Instituto de Biociências (IB) e Instituto de Física de São Carlos (IFSC). 

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.