Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

EX-JOGADOR

Ronaldinho Gaúcho é preso no Paraguai com suposto passaporte falso

Jogador foi detido na suíte do hotel onde está hospedado
05/03/2020 00:02 - Eduardo Miranda


 

O ex-jogador de futebol Ronaldo de Assis Moreira, o Ronaldinho Gaúcho, foi detido na noite desta quarta-feira (4) em Assunçao, no Paraguai, por supostamente usar um passaporte falso para entrar no país vizinho. Ronaldinho tinha ido ao Paraguai para lançar seu livro e lançar uma campanha beneficente.  

Conforme o jornal Ultima Hora, o craque brasileiro foi detido na suíte do hotel onde estava hospedado, quando a polícia paraguaia chegou ao local. No local os policiais encontraram documentos falsos em nome de Ronaldinho e do irmão dele, seu empresário e também ex-jogador, Roberto de Assis Moreira, o Assis.  

Os irmãos estão sob custódia da Polícia Nacional, e deverão comparecer a audiência com o Ministério Público do Paraguai nesta quinta-feira.  

O ministro do Interior do Paraguai, Euclides Acevedo, afirmou que se os documentos de fato forem falso, o agente de aeroporto não deveria ter permitido a entrada de Ronaldinho no país. Ele acrescentou que respeita a popularidade esportiva do brasileiro, mas ponderou que a lei obriga a Polícia Nacional a aplicá-la sem privilégios, seja a quem for.  

No suposto passaporte falso, Ronaldinho aparecia como cidadão naturalizado paraguaio.  

No ano passado, Ronaldinho foi escolhido embaixador brasileiro do Turismo pela atual gestão federal. Ronaldinho, eleito o melhor jogador do mundo em 2004 e 2005 não estava com seu passaporte brasileiro retido, e não podia deixar o país, por causa de multas ambientais superiores a R$ 10 milhões e condenação judicial por construções irregulares.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.