Política

eleições 2024

A+ A-

Com a vitória de Rueda no União Brasil, Rose tem pré-candidatura fortalecida

Ex-presidente nacional do partido, Luciano Bivar foi aliado de Soraya Thronicke na disputa pela executiva do Estado

Continue lendo...

Com a eleição do advogado Antônio Rueda para presidir a executiva nacional do União Brasil, em substituição do então presidente da sigla, deputado federal Luciano Bivar, a pré-candidatura da ex-deputada federal Rose Modesto para a Prefeitura de Campo Grande fica mais fortalecida.

Bivar foi aliado da senadora Soraya Thronicke, que atualmente está no Podemos, na disputa pelo diretório do União Brasil em Mato Grosso do Sul contra Rose Modesto, a qual, no fim, acabou levando a melhor.

A disputa pelo diretório estadual do partido foi mais um dos muitos atritos entre o grupo de Bivar, do qual Soraya fazia parte, contra o grupo de Rueda, que conta com o apoio de Rose, atual titular da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

Em termos regionais, com a queda de Bivar e a ascensão de Rueda, Rose Modesto não terá problemas com a executiva nacional para concorrer à Prefeitura de Campo Grande, principalmente no quesito financeiro.

Nas eleições de 2022, quando ela disputou o cargo de governadora pelo União Brasil, Rose teria sofrido um suposto boicote da então presidente estadual do partido no Estado, senadora Soraya Thronicke, na liberação de recursos para sua campanha eleitoral.

À época, o problema foi apontado pela própria candidata como um dos motivos para não conseguir ir para o segundo turno das eleições. Como resultado, a situação causou o rompimento de relações de Rose com Soraya.

Na ocasião, a ex-deputada federal chegou até a comunicar sua desfiliação do União Brasil. Porém, graças a Rueda, ela desistiu da decisão, com a promessa de que assumiria o comando da legenda em Mato Grosso do Sul.

A medida azedou de vez a relação de Rose e Soraya, que protagonizaram em Mato Grosso do Sul a disputa que estava acontecendo em nível nacional, entre Rueda e Bivar.

Na eleição desta quinta-feira, realizada na sede do União Brasil em Brasília (DF), a chefe da Sudeco fez questão de estar presente e, após o anúncio da vitória de Rueda, postou nas suas redes sociais uma foto com o presidente eleito e sua irmã, Maria Emília de Rueda, a Mila Rueda, tesoureira nacional do partido.

"Com muita alegria, parabenizo todos os membros da executiva nacional do União Brasil, em nome do presidente eleito Antônio Rueda, do vice-presidente ACM Neto, da tesoureira Mila Rueda e do secretário-geral da legenda, senador Davi Alcolumbre. Quero expressar minha gratidão em fazer parte, compondo hoje o diretório nacional do União Brasil, pensando sempre em um país e um estado melhor para a gente viver", escreveu na publicação.

Segundo interlocutores próximos a Rose, desde o incidente pelo comando do União Brasil em Mato Grosso do Sul, ela intensificou relacionamentos com Rueda e acabou se afastando de Bivar, que foi quem a convidou para ingressar na legenda.

Agora, com Rueda à frente da executiva nacional da sigla, a ex-deputada federal não tem mais nenhum empecilho para lançar a pré-candidatura como prefeita de Campo Grande, uma vez qu ele defende veementemente candidaturas próprias do partido nas capitais brasileiras.

ENTENDA A DISPUTA

Ao lado de aliados, o advogado Antônio Rueda anunciou ter vencido a disputa pela presidência do União Brasil com o placar de 30 votos a zero. 

A eleição foi realizada em meio a uma crise marcada por dossiês, supostas ameaças e promessas de judicialização.

Rueda já teria afirmado ter derrotado o deputado federal Luciano Bivar, cujo mandato à frente do União Brasil vai até maio, horas antes da eleição. Bivar chegou até mesmo a adiar a realização da convenção, sob o argumento de que o processo "estaria eivado de vícios no edital de convocação". 

A medida, porém, foi derrubada pela maioria da executiva nacional do partido, e a reunião em Brasília ocorreu a portas fechadas. Aliados de Bivar não participaram da votação.

"A convenção foi anulada estatutariamente, e não há chapa vencedora. Vamos judicializar essa questão", disse Bivar logo após o anúncio da vitória de Rueda.

A disputa pelo comando escancarou o racha na legenda, criada há apenas dois anos como fruto da fusão entre DEM e PSL.

Rueda tem o apoio de nomes graúdos da sigla, como o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto. Bivar, por sua vez, passou os últimos dias articulando uma forma de se manter no posto com lideranças do antigo PSL.

Em nota, o presidente eleito afirmou que as eleições internas "seguiram rigorosamente as diretrizes do estatuto do partido".

Ele sustentou ainda que a nova diretoria "dedicará esforços incansáveis na promoção do livre debate de ideias no âmbito dos Três Poderes".

GUERRA IMINENTE

Assembleia Legislativa de MS manifesta temor por conflito entre Israel e Irã

Deputado Gerson Claro afirmou que a iminente guerra pode causar crise com efeitos no Brasil e em MS

16/04/2024 12h00

Presidente da Assembleia Legislativa se manifestou em nome da Casa Foto: Luciana Nassar

Continue Lendo...

O ataque do Irã a Israel ocorrido no último fim de semana pode levar a uma escalada nos conflitos da região e acende o alerta em toda a comunidade internacional. Em Mato Grosso do Sul, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Gerson Claro (PP), manifestou temor com a possibilidade de uma guerra.

Ele usou a palavra antes da abertura da sessão desta terça-feira (16) e disse, em nome da Casa, que é iminente o conflito e há uma pressão na política internacional, já tendo havido manifestação de autoridades brasileiras.

“Nós não poderíamos deixar de nos manifestar com preocupação, porque é certo que qualquer reação neste momento de crise pode ocorrer que esse conflito se torne em um acontecimento, que já é de influência mundial, seja ainda maior", disse.

"A gente pede, nesse momento, em nome do Parlamento sul-mato-grossense, que as autoridades, sejam elas americanas que tenham influência na ONU [Organização das Nações Unidas], ou nacionais, em nossas embaixadas, possam agir de maneira a buscar o diálogo e a tolerância, porque esse conflito, e a maneira que o próprio Irã respondeu a um eventual ataque ainda não assumido por Israel, nos preocupa e nos coloca em alerta, porque sabemos que os acontecimentos iminentes podem atingir nosso País”, acrescentou.

"A gente acompanha com muito temor e com expectativa que o equilíbrio possa tomar conta das negociações nesse momento e que esse iminente perigo de uma guerra possa parar onde está", concluiu Gerson Claro.

Conflito no Oriente Médio

A guerra teve início em 7 de outubro de 2023, quando o Hamas fez um ataque surpresa a Israel, que deixou 1,4 mil mortos e capturou cerca de 200 reféns.

Desde então, mais de 32 mil pessoas perderam a vida em toda a Faixa de Gaza e na Cisjordânia, incluindo 13 mil crianças, e mais de 74 mil ficaram feridos, de acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Cerca de 1,7 milhão, quase 80% da população da Faixa de Gaza, foram deslocadas. Dessas, 850 mil são crianças.

No início deste mês, aviões de combate supostamente israelenses bombardearam a Embaixada do Irã na Síria. O ataque matou sete conselheiros militares iranianos e três comandantes seniores.

No sábado (13), a ofensiva foi do Irã, que atacou o território israelense com mísseis e drones, que em grande parte foram interceptados pelas forças de defesa israelenses.

Após o ataque iraniano, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil divulgou, no sábado (13) à noite, uma nota no qual o governo brasileiro manifesta "grave preocupação" com relatos de envio de drones e mísseis do Irã em direção a Israel.

De acordo com a nota, a ação militar deixou em alerta países vizinhos e exige que a comunidade internacional mobilize esforços para evitar uma escalada no conflito.

* Com Agência Brasil

CAMPO GRANDE

André depende de financiamento para confirmar a pré-candidatura a prefeito

O ex-governador terá reunião com o presidente nacional do partido para viabilizar os recursos para a campanha eleitoral

16/04/2024 09h00

André Puccinelli participou ontem da rodada de entrevistas feita pela CBN e Correio do Estado Foto: Divulgação

Continue Lendo...

Após participar da primeira de uma série de entrevistas que a Rádio CBN Campo Grande e o Correio do Estado realizarão com seis pré-candidatos à prefeitura da Capital, o ex-governador André Puccinelli (MDB) disse que aguarda até o fim do mês de maio para bater o martelo sobre disputar ou não o pleito do próximo dia 6 de outubro.

Segundo André Puccinelli, nos próximos dias terá uma reunião, em Brasília (DF), com o presidente nacional do partido, deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP), para alinhar a liberação de recursos para a campanha eleitoral para prefeito de Campo Grande.

“Eu e o presidente estadual do MDB, o ex-senador Waldemir Moka, teremos essa reunião com o Baleia Rossi para definir o montante de recursos que serão destinados para a minha campanha eleitoral a prefeito da Capital”, declarou o político, que já administrou Campo Grande por dois mandatos consecutivos – de 1º de janeiro de 1997 a 1º de janeiro de 2005.

O ex-governador ressaltou que ele e Moka vão combinar com Baleia Rossi uma data para a liberação dos recursos necessários para a realização da campanha eleitoral.

“Vou explicar ao presidente nacional do MDB que preciso de uma quantia x para fazer a campanha eleitoral e que posso aguardar somente até o fim do mês de maio, caso contrário não vou concorrer. Sem recursos, é melhor ir pescar e cuidar dos netos”, assegurou.

Para viabilizar o recurso suficiente para a campanha, André Puccinelli vai levar para Baleia Rossi as últimas pesquisas de intenções de votos, que, conforme ele, demonstram sua liderança na disputa pela prefeitura e também a redução da sua rejeição junto ao eleitorado campo-grandense.

"Teremos essa reunião com o Baleia Rossi para definir o montante de recursos que serão destinados para a minha campanha eleitoral a prefeito da Capital”, André Puccinelli, explicando que sem recursos não terá como disputar a prefeitura

Sobre alianças para a eleição no munípio, o ex-governador reforçou que, por enquanto, o único partido acertado com o MDB é o Solidariedade, que atualmente é presidido pelo seu filho, André Puccinelli Júnior. Com relação aos demais partidos, ele disse que isso será tratado mais adiante.

ENTREVISTAS

Na manhã de ontem, a Rádio CBN Campo Grande e o Correio do Estado iniciaram a série de entrevistas com seis pré-candidatos à Prefeitura de Campo Grande.

O primeiro foi André Puccinelli e os próximos serão o ex-deputado estadual Rafael Tavares (PL), amanhã, o deputado federal Beto Pereira (PSDB-MS) no dia 19, a ex-deputada federal Rose Modesto (União Brasil) no dia 22, a prefeita Adriane Lopes (PP) no dia 24 e a deputada federal Camila Jara (PT-MS) no dia 26 de abril.

Essa ordem de entrevistas foi definida em reunião com representantes dos partidos, quando foi realizado sorteio. Na entrevista realizada ontem, André Puccinelli falou sobre a motivação de se candidatar novamente a prefeito de Campo Grande. 

Durante a sabatina com os jornalistas dos dois veículos de comunicação, o ex-governador respondeu a questões relacionadas aos processos judiciais aos quais responde e rebateu as informações sobre os índices de rejeição popular.

Conforme ele, ao reduzir o percentual de rejeição, o saldo de intenções de votos fica positivo, ficando à frente dos demais pré-candidatos.

André Puccinelli também falou sobre a questão da saúde pública, reforçando que a construção de um hospital municipal não resolverá o problema.

“O que falta para a saúde pública de Campo Grande são médicos e medicamentos”, reforçou.

Outro assunto abordado pelo pré-candidato foi o transporte coletivo urbano na Capital. Ele garantiu que tarifa zero é conversa para boi dormir e que a solução para melhorar a qualidade do serviço é uma fiscalização mais rígida por parte do Executivo municipal.

ASSINE O CORREIO DO ESTADO

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).