Artigos e Opinião

Continue lendo...

Entre os muitos desafios enfrentados pelo sistema de saúde no Brasil, as estratégias de imunização se destacam como um pilar fundamental para a prevenção de diversas doenças. Reconhecer a relevância deste assunto e informar sobre a vacinação são ações essenciais para garantir o bem-estar coletivo e evitar novas epidemias e mais mortes.

Esta mobilização é urgente. Segundo dados do IBGE, mais de 60% dos municípios brasileiros não conseguiram atingir a meta de cobertura vacinal estabelecida pelo Ministério da Saúde em 2023. Este déficit é especialmente alarmante quando falamos das vacinas administradas durante o primeiro ano de vida, para a proteção dos bebês.

Um dos principais obstáculos para alcançarmos a taxas ideais de vacinação é a disseminação de informações incorretas e falsas, as fake news, amplificadas pelas redes sociais. Teorias infundadas e mitos sobre os efeitos colaterais das vacinas e de outros medicamentos têm afastado muitos brasileiros da imunização, comprometendo seriamente as estratégias de saúde pública.

Mais do que nunca, as informações claras e objetivas devem ser o propósito de todas e todos que trabalham pela Educação em Saúde em nosso país.

Diante desse cenário, iniciativas da sociedade civil desempenham um papel vital no apoio à incorporação de novas vacinas no Sistema Único de Saúde (SUS). A recente inclusão do imunizante contra a dengue é um exemplo do impacto positivo que a mobilização social pode ter na ampliação do acesso à prevenção e tratamento de doenças.

A Colabore com o Futuro, primeiro negócio social criado para atuar com advocacy em saúde da América Latina, trabalhou ativamente para a inserção da vacina contra a dengue no sistema público de saúde. O mesmo empenho está sendo colocado para a inclusão da vacina contra a Influenza Quadrivalente no Programa Nacional de Imunização (PNI), visando a proteção de pessoas com 80 anos ou mais. Além disso, defendemos a implantação da vacina contra o Vírus Sincicial Respiratório (VSR), uma medida fundamental para prevenir infecções respiratórias em recém-nascidos e crianças.

Devemos fortalecer os esforços de conscientização e educação sobre a importância da vacinação e lutar contra a desinformação. Por meio das consultas públicas, um processo simples de participação popular nas decisões estratégicas em Saúde, é possível opinar e contribuir para definição do que vai ser oferecido pelo SUS e pelos planos particulares.

A saúde é um direito básico de todos os cidadãos, e a imunização é uma ferramenta poderosa para proteger indivíduos e comunidades contra doenças evitáveis. Juntos, podemos construir um futuro mais saudável para o Brasil.

 

ASSINE O CORREIO DO ESTADO 

ARTIGO

Caminhos da vida

27/04/2024 07h30

Continue Lendo...

A felicidade encontra-se nos luares e nas situações, às vezes, as mais simples e até despercebidas do comum da humanidade. Cada qual busca maneiras muito suas a fim de garantir que seu caminhar se encontra assinalado por elementos que garantam a segurança em sua fé, a clareza de suas ideias e a marca de sua personalidade.

Ninguém deseja permanecer só em seu caminho. Quer a certeza de possuir objetivos claros em tudo quanto deseja construir. Mesmo que sejam obras simples precisam ver aquilo que propõem como algo importante para si e para os demais.

Ninguém se sentirá feliz enquanto não encontrar algo, ou alguém, em quem se apoiar e garantir que exista alguém que lhe dê valor e lhe garanta apoio. Pode ser que busque apoio em alguma filosofia, ou em algum valor teológico. O fato é que ninguém se sente seguro apenas em suas próprias ideias ou princípios.

A Bíblia Sagrada, o Livro da sabedoria de Deus, trata desses assuntos através de algumas comparações vindas da realidade agrícola. Realidade que retrata o tipo de trabalho executado pelo povo daquela região.

Mais precisamente no Evangelho de João, capítulo 15, versículo de 1 a 8, relata a seguinte comparação entre ele, o Mestre, e o Pai Eterno: Diz ele: “Eu sou a videira verdadeira e o Pai é o agricultor. Todo o ramo que não der fruto em mim, ele o cortará. E podará o que der fruto para que produza sempre mais”.

E acrescenta, permaneçam em mim como eu permaneço em vocês. O ramo, por si mesmo, não poderá dar fruto, se não estiver unido ao tronco. “Assim também vocês, se não estiverem unidos a mim, nada poderão fazer, não produzirão fruto”.

Esse assunto é muito sério. Essa é a hora em que cada qual deverá entrar no livro de sua história pessoal e se interrogar e encontrar respostas quanto ao sentido que deverá descobrir e que fundamente sua crença e, suas esperanças.

Também é hora de cada qual se interrogar? Em quais princípios fundamenta sua filosofia de vida? Em quais princípios teológicos fundamenta sua crença e seu modo de viver no dia a dia.

Felizes serão aquelas pessoas que, além de possuir sua filosofia de vida definida, abrem espaço em seu viver, em oferecer seus critérios de interpretar os acontecimentos de uma forma muito pessoal, respeitando outras opiniões, outras filosofias, sem querer interferir.

Talvez acrescentar sugestões a mais, crenças personalizadas. Respeito total com as diferentes maneiras de ver a origem e o desenvolvimento de algo, por muito ser pessoal e, ao mesmo tempo, diferente.

Embora tudo isso, a origem seria uma só e levaria a uma só verdade que seria o ser admitido e cultuado por todos, Deus. Já é hora de se formar uma história humana baseada em normas simplificadas, em relacionamentos mais solidários e outras normas que levem a viver na simplicidade de relacionamento e de convivência. Não olhar as diferenças. Olhar para o que nos aproxima.

Principalmente esforçar-se em ser resposta a quem esteja em busca de paz, de saúde, de serenidade e de caminhos que levem a Deus.

 

ASSINE O CORREIO DO ESTADO 

ARTIGO

Acolhimento: ato revolucionário de amor e empatia

27/04/2024 07h30

Continue Lendo...

Feche os olhos por um minuto e tente lembrar de um momento em que foi acolhida na infância ou adolescência. Quem foi a pessoa que te acolheu? Qual era a situação? Se tiver mais um tempinho, sugiro que escreva sobre esse momento. Tenho certeza de que essa ação tornará seu dia um pouco mais leve.

Se você se considera uma pessoa pouco acolhedora, provavelmente não foi suficientemente acolhida quando mais precisou. Acolher é uma ação que se aprende na prática e, sem exemplos, fica difícil passar adiante.

A boa notícia é que, até o último dia de nossas vidas, estamos em fase de aprendizado e cuidar dos sentimentos daqueles que amamos é um verdadeiro prazer.

Quando criança, fui taxada de “sensível demais”, dramática e chorona. Passei muitos anos tentando reprimir o que sentia, para não “incomodar”. Saí da casa dos meus pais muito cedo e casei com a primeira pessoa que me deu algumas migalhas de atenção que, pouco tempo depois, se transformou em abuso.

Minha vida, em casa, era um verdadeiro inferno, mas no trabalho, em sala de aula, tinha o acolhimento dos meus alunos que, tão pequenininhos, faziam eu me sentir a pessoa mais amada do mundo. Eu me sentia importante.

O acolhimento era recíproco. Eu amava aqueles minis seres, que se sentavam em roda comigo, todo dia de manhã, como se fossem meus filhos. Construí uma relação de confiança com eles, e entendia quando diziam que, em casa, não estava tudo bem. Muitas vezes senti que eu era a única pessoa que parava para ouvir o que aquelas crianças tinham a dizer. E, por isso, sempre tive uma ótima relação com alunos tidos como “difíceis”.

Entendi que ouvir o que o outro tem a dizer --ouvir mesmo, de verdade, sem tentar encontrar formas de “defesa” para a dor do outro - é a maior demonstração de acolhimento que podemos oferecer àqueles que amamos.

Aprendi que, se queremos ser ouvidos, temos que ouvir primeiro. Assim, construímos uma relação baseada no diálogo verdadeiro. E é disso que estamos todos precisando. Mas para isso, o autoacolhimento é essencial.

Quando consegui me acolher, finalmente tive forças para sair daquele casamento que tinha acabado com minha autoestima. Entendi que teria que recomeçar do zero, que a única pessoa que estaria lá para me acolher, seria eu mesma.

Hoje estou aqui, escrevi meu primeiro romance e duas peças de teatro que já estão sendo ensaiadas. Tenho muito a dizer ao mundo. E ninguém, nunca mais, vai me calar.

 

ASSINE O CORREIO DO ESTADO 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).