Clique aqui e veja as últimas notícias!

INVESTIGAÇÃO

Justiça bloqueia R$ 18 milhões da Pantanal Cap e prende 13 ligados a jogo do bicho

Entre os alvos da sexta fase da operação Omertà está o deputado estadual Jamilson Name
03/12/2020 08:00 - Rodrigo Almeida


Operação Omertà foi mais uma vez às ruas na manhã desta quarta-feira (02), cumprir 13 mandados de prisão e 17 de busca e apreensão. A sexta fase foi denominada de “Arca de Noé” e bloqueou R$18 milhões da Pantanal Cap. Entre os principais alvos está o deputado Jamilson Name (sem partido), alvo de uma das ordens de busca e Darlene Borges, conhecida como a “gerentona” do jogo na cidade, presa pela força-tarefa.  

De acordo com o apurado pelo Correio do Estado, até o início da tarde de ontem, 13 pessoas foram presas. Todas elas são gerentes do jogo do bicho em Campo Grande.

Darlene Borges é a figura mais importante, e segundo o advogado dela, Marco Radeli, ela não foi encarcerada. Além de mirar a parte ilegal do esquema comando por Jamil Name, a operação fez buscas também na sede da empresa da família, a Pantanal Cap.  

Acompanhe as ultimas noticias do Correio do Estado

Parte legal dos negócios de Jamil, a Pantanal Cap foi fechada pelas equipes da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras) e Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).  

A Justiça também determinou que os títulos de capitalização oferecidos por ela sejam retirados de circulação por tempo indeterminado. De acordo com o delegado responsável pelo Garras, Fábio Peró, as bancas não serão reabertas tão cedo. Apesar disso Jamilson Name, que é deputado estadual, afirmou em grupos de redes sociais que a operação é irregular, pois a empresa é legal e sediada no Rio Grande do Sul. A reportagem tentou contato com o parlamentar para mais esclarecimentos, mas ele se negou a nos atender.  

Familiar

Jamilson é filho de Jamil Name, que a Justiça considera ser líder do grupo de extermínio e chefe do Jogo do Bicho em Mato Grosso do Sul. Jamil está preso na penitenciária de segurança máxima de Mossoró, no Rio Grande do Norte, e teve a prisão estendida por mais 12 meses nesta semana.  

Além dele, outra integrante da família foi alvo de busca, a sobrinha de Jamilson, Cynthia Name Belli. De acordo com o advogado dela, Ricardo Souza Pereira “ela não é alvo da operação”, frisa. Ricardo afirmou que esteve no local de trabalho de Cyntia, mas foi embora porque não estava envolvida. Cynthia já foi presa ainda este ano, na segunda e terceira fases da Omertà. Em uma delas foi encontrado mais de R$ 49 mil em espécie na casa de Cynthia.  

Investigação

Jamil Name e Jamil Filho estão presos desde setembro de 2019. Em novembro do mesmo ano foram transferidos para o Rio Grande do Norte por ainda exercerem influência no crime organizado do estado. De acordo com a Justiça Federal, eles são pessoas de alto poder, com acesso a armamento pesado e vantagens econômicas que podem causar risco às investigações.  

Isso já foi percebido quando presos da operação tramavam um atentado contra o delegado Fábio Peró e contra a vida de um promotor. Outro episódio que demonstra o perigo que os detentos exerciam foi a descoberta de um arsenal com armas de alto calibre em uma casa no Jardim Monte Líbano.  

Na ocasião, foram encontradas armas de dezenas calibres diferentes, entre eles fuzis 7.62 e AK-47. A posse foi atribuída à família. À época, o Correio do Estado divulgou que a casa pertencia a Jamil Name Filho, irmão de Jamilson e acusado de dividir o comando do jogo do bicho em Mato Grosso do Sul com o pai.  

Omertà

Ainda em 2020, foram indiciados capangas da família na quinta fase da Omertà, a operação Snowball (Bola de Neve em inglês). No total eram cinco pessoas acusadas de praticar crimes de agiotagem. Eles emprestavam dinheiro às vítimas e cobravam a dívida com juros extorsivos por quatro anos. Assim, ao final do prazo o valor era quase impagável, pois o débito crescia igual a uma bola de neve.

Desde a prisão dos chefes do esquema em setembro do último ano, a Omertà avançou a passos largos. De lá para cá foram presos um delegado da polícia civil, Márcio Obara, acusado de receber propina para ocultar provas contra a família e o conselheiro do Tribunal de Contas, Jerson Domingos, que foi preso por envolvimento com a família. Além de buscas no apartamento do desembargador aposentado, Joenildo de Souza Chaves, que já presidiu o Tribunal de Justiça e o Tribunal Regional Eleitoral, também teve nome envolvido em recebimento de valores ilegais em uma planilha encontrada na casa de Jamil Name.