Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

50 MIL LESADOS

Justiça tenta bloquear R$ 300 mi, mas encontra R$ 223 mil de ligados a Mineworld

Ação sobre prejuízo financeiro tramita na 2ª Vara de Direitos Difusos
15/05/2018 15:22 - RODOLFO CÉSAR


 

Em processo que tramita na Justiça Estadual de Mato Grosso do Sul para apurar prejuízo causado pela Mineworld a mais de 50 mil pessoas, a tentativa de bloquear R$ 300 milhões não foi bem sucedida. Depois de buscas, foram encontrados com 11 réus R$ 223.895,39. A ação corre na 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande.

No começo do mês, o juiz David de Oliveira Gomes Filho havia determinado o bloqueio de até R$ 300 milhões em bens dos investigados.

A empresa multinacional Mineworld está no foco do processo. Ela prometia rendimentos altos a partir da suposta mineração de bitcoins (criptomoedas) no Paraguai. A sede da Mineworld era em Campo Grande.

"A ordem de bloqueio de dinheiro, restou parcialmente cumprida. Foram bloqueados R$ 223.895,39 das contas dos requeridos indicados na emenda à inicial", informou o juiz em despacho dado no dia 10 de maio. Esse montante foi transferido para conta única do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

No mês passado, logo a após a Operação Lucro Fácil, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual, com cumprimento de mandados de busca e apreensão em Campo Grande e São Paulo, o magistrado já tinha tornado indisponíveis valores semelhantes das empresas Bit Pago e Bit Ofertas, além da própria Minerworld, bem como de mais sete pessoas, entre elas Cícero Saad, que seria um dos chefes da organização.

“[Os suspeitos teriam participado] fosse atuando como fiadores, fosse atuando como sócios de fato (laranjas) da Minerworld, fosse atuando como sócio formal da empresa Bit Pago, fosse atuando como mentores do negócio, ou fosse organizando redes significativas de participantes no alegado esquema de pirâmide que deram um impulso ao projeto lesivo ao consumidor, auferindo, com isto, grandes lucros por estarem no topo da pirâmide de investidores”, consta na decisão do início de maio.

PIRÂMIDE

As mineradoras Minerworld e Bitpago Soluções de Pagamento, ambas com sede em Campo Grande, e BitOfertas Informática, localizada na Capital e também na cidade de São Paulo, foram Alvos da Operação Lucro Fácil, deflagrada no dia 17 de abril pelo Gaeco pela prática de pirâmide financeira por meio da suposta mineração de bitcoins.

Ao todo são mais de 50 mil vítimas no Brasil. Somente da Bit Ofertas, foram bloqueados  R$ 1.369.330,71. Também houve bloqueio de mais R$ 70 mil em mais cinco contas. Cícero, um dos chefes do esquema milionário, declarou como único bem, de forma suspeita, uma moto Honda CG 125 Fan KS preta, 2011, avaliada em R$ 4,1 mil.

*Colaboraram Eduardo Miranda e Renan Nucci.

Felpuda


Outrora bons de votos – faziam adversários temerem o confronto nas urnas –, agora, por mais que tentem, alguns políticos não conseguem, nem de longe, alcançar patamar de outros tempos e voltar ao que eram. 

O pior é que, a cada disputa, a preferência popular só vem diminuindo. Neste ano, a eleição municipal demonstrou que muitos já estão com prazo de validade vencido e rótulo gasto.

E faz tempo, hein?!