Cidades

MEMÓRIA

O dia em que avião 'caiu de nariz' na região da Avenida Zahran

Táxi-aéreo com médicos de SP que iam para pescaria errou o pouso

RAFAEL RIBEIRO

20/09/2018 - 20h20
Continue lendo...

ACONTECEU EM 1980...

Hoje um dos bairros mais nobres de Campo Grande, o Jardim Vilas Boas, na região central, já viveu tempos de agito pelo fato de abrigar durante cerca de 50 anos o Aero Rural, um aeroporto de pequeno porte próprio para pousos e decolagens de monomotores que chegavam à entao sede administrativa do pulsante estado mais jovem do Brasil.

Não só pelo aspecto oficialesco, de receber autoridades nacionais, o Aero Rural atraía imenso número de táxis aéreos de turistas interessados em partir de Campo Grande para conhecer o Pantanal, ir ao Paraguai ou interessados e envolvidos no agronegócio.

Em uma ex-cidade interiorana que se preparava para virar metrópole, não tardaria a acontecer um acidente que fosse o ponto de partida da mudança de local da estrutura que já oferecia risco pela proximidade dos conjuntos residencias e casas que eram construídos em seus arredores. E ele veio em 16 de setembro de 1980.

"Cessna cai, parte-se ao meio e dois passageiros ferem-se", foi a manchete do dia seguinte, uma quarta-feira, do Correio do Estado. Na reportagem, é relatado que um táxi-aéreo prefixo PT-JSL que trazia dois médicos de São Paulo para uma pescaria no interior acabou colidindo junto ao chão nas cercanias da Avenida Três Barras, após o piloto errar o cálculo para o pouso, antecipar a aterrizagem e sair destruindo tudo o que encontrou pela frente."Caiu de nariz", relatou testemunhas à reportagem.

De acordo com a reportagem, o acidente, que aconteceu por volta das 10h, virou o asunto do dia na Capital."A queda da aeronave ocorreu próximo à Avenida Eduardo Elias Zahran, principal via de ligação da região sul da cidade com as regiões norte e leste, e não foram poucos os curiosos que resolveram parar a fim de ver de perto a aeronave destruída", diz o texto.

Como consequência, explora o texto, o táxi aéreo ficou com o teto 'colado' junto ao chão, dificultando o socorro do piloto e dos dois passageiros. Todos foram levados à Santa Casa bastante feridos, com fraturas expostas em pernas e braços.

APURAÇÃO

Na reportagem, o Correio destaca que o nome do piloto não teve a divulgação autorizada pela Aeronáutica. Consequência dos anos de Ditadura Militar vividos. As causas do acidente também foram mantidas em sigilo.  

A aeronave, completamente destruída, ficou em plena Avenida Três Barras por horas. É informado que os fortes ventos da região podem ter ajudado o piloto a perder o controle da aeronave.

Apesar do texto relatar que acidentes no local são raros, a existência de uma pista de pouso em plena região central incomodava. Tanto que o Aero Rural acabou desativado do local anos depois. Foi transferido para a região do Tiradentes, na BR-262, saída para Três Lagoas, região leste da Capital.

Hoje, o local no atual pacato Vilas Boas, onde existiu a maior central de táxi aéreo da cidade, abriga um condomínio residencial de alto padrão que homenageia o antigo dono do espaço utilizando o mesmo espaço.


*Rotineiramente nossa equipe convida você, leitor, a embarcar com a gente na máquina do tempo dos 64 anos de história do jornal mais tradicional e querido de Mato Grosso do Sul para reviver reportagens, causos e histórias que marcaram nossa trajetória ao longo desse rico período. Você encontrará aqui desde fatos relevantes à história do nosso Estado até acontecimentos curiosos,que deixaram nossas linhas para fomentar, até hoje, o imaginário da população sul-mato-grossense. Embarque com a gente e reviva junto conosco o que de melhor nosso arquivo tem a oferecer.

E você leitor, gostaria de relembrar um fato, uma reportagem, uma história de nossa história. Nos envie sua sugestão pelo nosso whatsapp: (67) 99971-4437.

Leia outras edições anteriores da seção Memória do Correio.

Cidades

Domingo amanhece nublado e mínima pode chegar a 7ºC em MS

Capital deve manter temperaturas próximas às registradas no último sábado, o dia mais frio do ano até aqui

14/07/2024 09h45

Alanis Netto/Correio do Estado

Continue Lendo...

Após um sábado frio, que registrou a menor temperatura do ano na Capital sul-mato-grossense, de 9ºC e sensação térmica de -4ºC durante a madrugada, o domingo amanheceu nublado, mas um sol tímido já aparece, e a previsão é de que as temperaturas continuem baixas, sendo a mínima esperada para Campo Grande de 10ºC. Nos horários mais quentes, a máxima pode chegar a 23ºC.

O tempo deve permanecer estável em todo o estado, com sol e variação de nebulosidade. Segundo o Centro de Monitoramento do Tempo e Clima (Cemtec), apesar de existir chance do sol aparecer pontualmente no sul, sudeste e sudoeste de Mato Grosso do Sul, o tempo fica mais fechado e com temperaturas mais baixas nestas regiões.

“Destaca-se também que as temperaturas máximas estarão em lenta e gradativa elevação. A previsão da direção dos ventos, devido a atuação da massa de ar frio, é de ventos sustentados do quadrante sul, ou seja, ventos que mantêm a direção constante por dias”, completa a coordenadora do Cemtec, Valesca Fernandes.

Previsão

Em Dourados, a mínima  é de 10°C e a máxima de 19°C. Na região Sul, Ponta Porã apresenta variação entre 7°C e 14°C, já Iguatemi tem mínima de 11°C e máxima de 15°C.

Na região do Bolsão, a mínima em Paranaíba é de 15°C e a máxima de 28°C, enquanto os valores em Três Lagoas variam entre 16°C e 27°C. Coxim, no Norte do Estado, amanhece com 13°C e registra 27°C à tarde.

Corumbá, no Pantanal, inicia o dia com 12°C e chega aos 20°C; Aquidauana, na mesma região, tem mínima de 11°C e máxima de 22°C. Na região Sudoeste, os termômetros em Porto Murtinho marcam 10°C pela manhã e sobem até 16°C ao longo do domingo.

Assine o Correio do Estado.

Cidades

Saiba quando levar crianças às emergências em casos de infecções respiratórias

Crianças de 1 a 9 anos lideram as internações por gripe em Mato Grosso do Sul

14/07/2024 08h15

Reprodução

Continue Lendo...

A chegada do inverno torna ainda mais propícios os casos de doenças respiratórias agudas graves, já que a queda significativa da temperatura e da umidade relativa do ar facilita a transmissão de infecções respiratórias e a manifestação de alergias. Os grupos mais vulneráveis, como as crianças, exigem atenção redobrada.

Alguns dos sintomas mais recorrentes das doenças respiratórias são falta de apetite, irritabilidade, nariz entupido, apatia, febre, desidratação, tosse e dificuldade respiratória. Mas quando buscar por auxílio profissional?

A Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE) aponta que há sinais de alerta em cada idade que devem chamar a atenção dos pais a ponto de procurar de forma urgente assistência médica. Confira:

  • Em crianças menores de dois anos - qualquer dificuldade respiratória ou respiração acelerada
  • Em crianças maiores de dois anos - falta de ar, febre alta persistente e mal-estar geral
  • Crianças com condições de risco, como portadores de doenças crônicas e prematuros, merecem atenção redobrada.

Prevenção

A Associação destaca a importância de evitar a contaminação dos pequenos. Para isso, deve-se levar em consideração as mesmas precauções adotadas por adultos:

  • higienização das mãos com água e sabão;
  • priorizar ambientes com circulação do ar;
  • evitar contato com pessoas que estejam com síndrome gripal;
  • alimentação saudável;
  • hidratação adequada;
  • além de deixar a criança em casa quando tiver com alguns dos sintomas, para que a doença não seja disseminada na escola.

Outra importante aliada é a vacina, como destaca a presidente da ABRAMEDE, dra. Camila Lunardi.

“É indispensável levar crianças para receber as vacinas. Todos nós sempre que possível devemos nos imunizar. Vacinas são seguras e uma forma eficaz de proteção contra doenças graves. Em caso de dúvidas sobre esquema vacinal, doses e público-alvo, basta consultar um médico”.

Alta em internações

Segundo levantamento divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), as crianças de 1 a 9 anos lideram as internações por gripe em Mato Grosso do Sul, representando 20,6% do total de internados, com 115 registros.

Outro número alarmante é o de crianças de idade inferior a 1 ano internadas: 45, número que representa 8,1% do índice.

Confira:

Desde o início do ano, um óbito infantil em decorrência de síndromes respiratórias foi notificado.

Assine o Correio do Estado.

 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).