Cidades

brasil

A+ A-

País passa a marca de meio milhão de casos prováveis de dengue, com 75 mortes

Mato Grosso do Sul está entre os Estados que receberam unidades das 712 mil doses de vacina contra a doença

Continue lendo...

Brasil já registrou 75 mortes causadas pelo vírus da dengue neste ano, e há mais 340 óbitos em investigação, segundo o Painel de Monitoramento de Arboviroses do Ministério da Saúde. Entre janeiro e fevereiro, o País já registrou 512 mil infectados pela doença em todo o território nacional.

De acordo com os dados divulgados pela pasta da Saúde, a maior incidência de casos ocorreu, até o momento, em mulheres, que representam 54,9% dos casos, ante 45,1% em homens. A última atualização do levantamento é da segunda-feira,12.

Em números totais de casos, o Estado de Minas Gerais tem atualmente o maior coeficiente de infectados prováveis do País, com 171 mil infecções prováveis, seguido de São Paulo, com 83 mil, e Paraná, com 55 mil.

Ainda segundo o painel do ministério, ao avaliar os casos a cada 100 mil habitantes, o Distrito Federal tem o maior coeficiente de incidência, com 2,2 mil casos por 100 mil, seguido de Minas, com 836 por cem mil, e o Acre, com 582 casos por cem mil.

No mesmo período, o País também teve 29 mil casos prováveis de chikungunya, dos quais quatro óbitos foram confirmados e 31 estão em fase de investigação.

Houve ainda 341 casos positivos de zika, sem nenhuma morte associada, segundo o painel de monitoramento.

Como se proteger?

A melhor forma de evitar a transmissão da dengue é combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Para isso, o importante é eliminar possíveis locais de armazenamento de água:

  • - Mantenha a caixa d'água fechada;
  • - Mantenha tonéis e barris d'água tampados;
  • - Lave semanalmente os tanques utilizados para armazenar água com escova e sabão;
  • - Encha até a borda os pratos das plantas com areia;
  • - Coloque no lixo todo objeto não utilizado que possa acumular água;
  • - Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira bem fechada;
  • - Mantenha as calhas limpas;
  • - Não deixe água acumulada sobre a laje.

Quais os sintomas?

  • - Febre alta;
  • - Dor no corpo e nas articulações;
  • - Dor atrás dos olhos;
  • - Mal-estar;
  • - Dor de cabeça;
  • - Manchas vermelhas no corpo.

 

Assine o Correio do Estado

projeto aprovado

Saidinha: MS pode ser prejudicado por fugas de outros estados

Problemas de outros locais forçam mudança de lei federal; em MS, a evasão é baixa, e na Capital, todos os detentos voltaram

22/02/2024 09h30

Complexo penitenciário da Gameleira, na Capital, onde todos os detentos que tiveram a saidinha voltaram no fim do ano passado Foto: Gerson Oliveira

Continue Lendo...

Projeto de lei (PL) que quer acabar com a saidinha de presos em feriados e datas comemorativas, o qual foi aprovado pelo Senado na noite desta terça-feira e que será analisado novamente pela Câmara dos Deputados, pode alterar o funcionamento dessa medida no sistema prisional de Mato Grosso do Sul, em detrimento de evasões de detentos de outros estados.

A avaliação dos especialistas é que, por aqui, o sistema funciona bem, ao contrário de outras unidades da Federação.

Em MS, conforme informações da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), 
27 dos 777 detentos do regime semiaberto que tiveram o direito da saidinha não voltaram no dia determinado para os presídios sul-mato-grossenses após o fim do ano.

Em Campo Grande, porém, o cumprimento foi exemplar: de acordo com o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), na saída temporária prevista na Lei nº 7.210/84, não houve nenhum caso de evasão.

O número de evasões – não é possível falar em fuga, pois trata-se de detentos em regimes de semiaberto – no Estado, que corresponde a um porcentual de 3,47% do total, está abaixo da média nacional, que foi de 5%. Segundo levantamento realizado pela Folha de S.Paulo, os estados com mais evasões são Rio de Janeiro, Pará e Ceará.

Essas unidades da Federação têm porcentuais de ausências de 14% a 9% dos presos que foram liberados para a saidinha.

Ao Correio do Estado, o advogado criminalista Gustavo Scuarcialupi informou que a saída temporária de presos têm sua importância para o detento se ressocializar com a família, por esse curto período, até que ele cumpra a sua pena no presídio.

“Claro que muito se fala sobre a porcentagem de alguns presos que não retornam, mas isto acontece mais em outros estados. Essa medida da saída temporária é importante para a readaptação do indivíduo ao corpo social. Ele fica sete dias sem restrição de liberdade, não podendo frequentar bares, boates, locais onde tem consumo de bebidas. Porém, ele pode passar esse tempo com a família dele”, declarou.

O advogado criminalista também alertou que há critérios que o detento precisa cumprir por determinação da Justiça para ter o direito da saidinha de fim de ano.

“A motivação da saída temporária se dá porque o nosso sistema de execução penal é progressivo. O indivíduo sai do sistema mais grave, que é o fechado, e vai para o semiaberto, para o aberto, até atingir a liberdade condicional”, ponderou.

“Para o indivíduo fazer jus à saída temporária, ele deve cumprir requisitos. O primeiro deles é ter bom comportamento durante a pena, e o segundo é, se ele for réu primário, ter cumprido 1/6 da pena, e se for reincidente, 1/4 da pena. Tendo isso, ele apresenta um comprovante de endereço do local onde vai ficar no período dos sete dias”, esclareceu Scuarcialupi.

O TJMS também frisa que ao não cumprir as condições impostas para a autorização, automaticamente o reeducando perde o direito. Também se revoga o direito caso a pessoa pratique um crime doloso, se for punida por falta grave no cumprimento da pena ou se revelar baixo grau de aproveitamento no curso que frequenta durante a saída temporária.

De acordo com dados fornecidos pela Agepen, apenas 179 detentos em Campo Grande receberam o direito de passar as comemorações do réveillon em casa, e 100% retornaram ao complexo penitenciário da Gameleira posteriormente.

“Retrocesso”

O advogado Laércio Arruda Guilhem, especialista em Direito Criminal, também declarou ao Correio do Estado que a saída dos detentos para a visita a família tem função superimportante no processo de ressocialização.

“É essencial para aquele detento que já cumpriu boa parte da pena em regime fechado ter o estímulo a mudar seu comportamento na sociedade”, opinou.

Questionado sobre as possíveis consequências com o projeto de lei que veta a saidinha, Guilhem vê como um retrocesso essa mudança. “É evidente que, se esse projeto de lei for aprovado, será um retrocesso na política criminal e na ressocialização do apegado. Olvidaram-se os nobres parlamentares que não podemos generalizar e punir todos por um ato isolado de um preso”, declarou.

Por sua vez, Scuarcialupi reiterou que a saída temporária é uma forma do detento valorizar a liberdade. “A partir do momento que ele retorna desta saída de sete dias, ele têm um baque de se sentir novamente preso, o que motiva o detendo a cumprir a pena para não dever mais nada para o Estado”, frisou.

Ele ainda reforçou que, caso essa nova proposta de lei entre em vigor, o sistema prisional pode ter consequências na superlotação dos detentos. “Sabemos que o sistema prisional é superlotado, e a gente observa que não tendo essa possibilidade da saída temporária, que pode ser concedida a cada 45 dias, quatro vezes no ano, o sistema prisional vai virar uma bomba-relógio”, disse.

PROJETO DE LEI

O Senado aprovou nesta terça-feira o projeto de lei que acaba com as saídas temporárias de presos em feriados e datas comemorativas, mas manteve a autorização para que detentos em regime semiaberto possam estudar fora da prisão. Com as mudanças propostas pelos senadores, o projeto será analisado novamente pela Câmara dos Deputados, que já havia aprovado o mesmo PL em 2022.

A proposta foi aprovada por 62 votos favoráveis e dois contrários – dos senadores Cid Gomes (PSB-CE) e Rogério Carvalho (PT-SE). Segundo o relator da proposta no Senado, Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o PL aprovado busca extinguir a saída temporária em vista dos recorrentes casos de presos detidos que cometem infrações penais durante o período desse benefício. A proposta aprovada também prevê a realização de exame criminológico para permitir a progressão de regime de condenados.

De acordo com o texto, um apenado só terá direito ao benefício se “ostentar boa conduta carcerária, comprovada pelo diretor do estabelecimento e pelos resultados do exame criminológico”.

Por emenda apresentada pelo senador Sergio Moro (União Brasil-PR) na Comissão de Segurança Pública, fica permitida a saída de presos para frequência a curso profissionalizante, de Ensino Médio ou Ensino Superior.

Não se enquadram nessa permissão, porém, os presos que praticaram crime hediondo ou com violência ou grave ameaça contra a pessoa.

cuidados com a saúde

Subnotificação pode esconder nova onda de doenças respiratórias em MS

Infectologistas alertam que casos graves são mais comuns em população vulnerável e pessoas não vacinadas

22/02/2024 09h00

Testagens diminuem e podem causar subnotificação de doenças Arquivo

Continue Lendo...

Dados do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) da Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande (Sesau) apontam que, nas primeiras semanas deste ano, 259 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) foram registrados na Capital.

Já o boletim epidemiológico de influenza e doenças respiratórias da Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que foram 475 casos notificados de SRAG hospitalizados este ano em MS. O número é menor que o registrado no mesmo período do ano passado, no entanto, infectologistas apontam que é necessário manter o cuidado. 

“Temos uma diversidade de vírus circulantes, como no ano passado tivemos uma predominância em crianças a partir de março e de Covid-19 em outros períodos. Dessa forma, acho temeroso pensarmos em baixo número de casos e não tomarmos as medidas necessárias para prevenção”, explica a médica infectologista Mariana Croda. 

Nas primeiras semanas de 2023, segundo o Cievs de Campo Grande, foram 445 casos de SRAG, quase o dobro do número registrado nas primeiras semanas de 2024. O número de casos de síndromes gripais, que este são 8.014 até o momento, também é inferior ao notificado no mesmo período do ano passado, 16.751. 

O médico infectologista Julio Croda aponta que, apesar da redução importante neste ano em comparação a 2023, o número ainda é bastante elevado e muitas pessoas são hospitalizadas, principalmente as de grupos considerados vulneráveis e as que não têm o esquema vacinal atualizado. 

Um dos fatores que podem explicar os números baixos é a subnotificação. Os infectologistas informam que, atualmente, há baixa procura de testagem para síndromes gripais, escassez de testes rápidos nas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) e aumento do autoteste, que podem levar a casos não notificados. 

“Por isso que não podemos comparar os dados atuais com os dados do período pandêmico, quando a procura pelo diagnóstico era muito maior”, relata Mariana. 

Já Julio Croda acrescenta que a subnotificação está ligada principalmente a casos de síndromes gripais, pois a SRAG tem notificação compulsória, ou seja, todos os pacientes com casos graves têm de ser testados e notificados. 

A infectologista aponta ainda que, nos últimos anos, as infecções respiratórias perderam a sazonalidade clássica, de ter aumento de casos nos períodos frios do ano e redução nos meses quentes, podendo ocorrer em qualquer período, como poderá ser notado nas próximas semanas. 

O último boletim InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), coloca MS entre os estados com probabilidade de crescimento de mais de 75% de casos de SRAG. Um dos fatores para esse possível aumento é a época de festividades. 

“Geralmente, no pós-Natal e no pós-Carnaval temos um aumento de casos, associado à maior atividade de aglomeração e viagens. Nós observamos isso nos outros anos”, comenta Julio Croda. 

CASOS 

Os médicos infectologistas pontuam que os casos graves ocorrem principalmente em idosos, crianças pequenas e pessoas imunossuprimidas e com doenças crônicas, que devem ter uma atenção redobrada para o risco de infecção e complicação. 

“Para isso, existem várias medidas, mas a principal delas é a vacinação contra vírus e bactérias que causam pneumonias. Após instalada a síndrome gripal, há ainda medicamentos antivirais contra influenza e Covid-19, que podem minimizar a chance de complicação nessas populações”, informa Mariana. 

Foi o caso de Nelson Fonseca da Silva Feitosa, de 58 anos, que viu seu quadro de gripe evoluir para uma pneumonia. No fim de janeiro, o jornalista relata teve sintomas de Covid-19, mas o teste em farmácia deu negativo para a doença. 

Sendo assim, ele se medicou contra a gripe e os sintomas da doença desapareceram após alguns dias, mas o cansaço foi aumentando a ponto de o jornalista acordar com dificuldades para respirar. Foi quando Nelson procurou um hospital e teve o diagnóstico de início de pneumonia. 

Atualmente, ele está fazendo o tratamento em casa, com orientação médica. O jornalista diz que está com as vacinas em dia e que seu quadro está evoluindo bem.

“É muito angustiante porque, mesmo tomando diversos remédios e fazendo inalação, a recuperação é muito lenta. Sinto muita tontura e uma tristeza emocional muito grande”, aponta. Após ficar doente, a esposa, de 51 anos, e o neto, de 7 anos, também ficaram e apresentaram os mesmos sintomas. 

Já Nelson Júnior, de 43 anos, teve Covid-19 este ano, mas, por ter tomado as quatro doses da vacina, está se recuperando com o uso de medicação.

O supervisor de logística relata que, três dias após o início dos sintomas, foi ao posto de saúde, acreditando ser dengue, mas o teste para a doença deu negativo. 

Foi então que ele fez o teste de farmácia, que deu positivo para a Covid-19.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).