Cidades

CAMPO GRANDE

Prefeitura abre licitação de R$ 24 milhões para manutenção de semáforos

Será contratada empresa para manutenção da sinalização semafórica, horizontal e vertical na Capital

Continue lendo...

A Prefeitura de Campo Grande abriu licitação para contratação de empresa para a prestação dos serviços técnicos de manutenção de toda a sinalização semafórica, horizontal, vertical e dispositivos auxiliares. O valor previsto é de R$ 24.459.466,47.

O edital de abertura foi publicado no Diário Oficial do Município desta segunda-feira (29).

Conforme o edital, a empresa será responsável também pelo fornecimento de materiais, equipamentos, software de controle de tráfego com suporte técnico e fornecimento de equipamentos para a ampliação do Centro de Controle Integrado de Mobilidade Urbana (CCIMU).

O pregão eletrônico será na modalidade menor preço.

O contrato terá vigência de um ano, contado da sua assinatura, podendo ser prorrogado sucessivamente, por até 10 anos.    

Atualmente, o serviço é realizado por intermédio da Agência Municipal de Transporte e Trânsito, em contrato assinado em abril de 2018, no valor de R$ 31.781.691,72 em 24 meses. Este contrato já foi renovado e aditivado algumas vezes desde então.

Para demonstrar a necessidade de uma atualização na sinalização, estudo técnico anexado no edital cita estatísticas do IBGE, que aponta que, ao final do ano de 2021, a Capital sul-mato-grossense registrou frota de 644.631 veículos, sendo 321.902 automóveis, 152.826 motocicletas, entre outros. 

O documento também faz referência a reportagem publicada pelo Correio do Estado, com balanço que em 2020 cerca de 77 campo-grandenses morreram em acidentes, e já no ano de 2021, foram cerca de 75 pessoas vítimas de acidente no trânsito.

"O Município de Campo Grande conta com uma alta taxa de motorização, sendo cerca de 70,37 veículos por 100 habitantes, além de colossal quantidade de acidentes automobilísticos, resultando em lastimáveis mortes e ferimentos em incontáveis vítimas e famílias, situação que culminou, no âmbito interno desta Agência, na reflexão sobre alterativas viáveis para que fossem aperfeiçoadas as condições viárias, através de melhoria da sinalização nos pontos críticos do Município, monitoramento e controle de tráfego", diz o estudo.

Com relação a manutenção, é citado os recorrentes roubos e furtos de fios de cobre, que ocasionam prejuízos e o não funcionamento dos equipamentos, sendo necessários reparos constantes e, se realizados pela própria prefeitura, por falta de equipes e materiais, não são feitos de forma rápida e satisfatória.

Não apenas pós-furtos, é comum reclamações de motoristas e pedestres quanto ao não funcionamento de semafóros em vários pontos da cidade, especialmente durante período de chuvas.

"Dado o caráter urgente e a necessidade contínua de realização dos serviços, vez que a malha da sinalização viária necessita de contínua manutenção, opta-se pela execução indireta do serviço para propiciar um trânsito seguro e com fluidez, evitando-se a ocorrência de sinistros", diz anexo do projeto.

Além do fornecimento de materiais e manutenção das sinalizações existentes, a empresa contratada será responsável pela troca de controladores de tráfego presentes nos corredores de transporte das Ruas Guia Lopes, Brilhante, Bahia e Av. Bandeirantes.

Atualmente, os cruzamentos dos corredores de ônibus funcionam em tempo fixo e o projeto aponta que passarão a ser controlados em tempo real.

"Essa tecnologia sendo operada em conjunto com a Central de Controle Operacional dos Ônibus, possibilitará menos interferências de parada e espera dos ônibus, garantindo assim um menor tempo de espera, melhorando o tempo de deslocamento para todo o sistema, além de fisicamente os operadores das centrais poderem interferir na operação do sistema, sendo através de ajustes de tempo semafórico, como no envio de informações para os condutores do ônibus".

A abertura das propostas será no dia 15 de maio de 2024.

INTERIOR DO ESTADO

Usina de R$ 900 mil do 'prefeito mais novo do MS' está na mira do Ministério Público

Gestor de Rio Brilhante virou alvo após comprar e 'estacionar' modelo semelhante ao que a Capital precisou de consórcio, com outros quatro municípios, para operacionalizar e bancar os custos

24/06/2024 10h42

Maquinário abandonado estava dividido em dois terrenos diferentes no município

Maquinário abandonado estava dividido em dois terrenos diferentes no município Reprodução/MPMS

Continue Lendo...

Eleito aos 26 anos, Lucas Centenaro Foroni, "o prefeito mais novo do MS" que chefia o Executivo em Rio Brilhante, está na mira do Ministério Público após aquisição de uma usina de asfalto pelo preço de R$ 900 mil virar alvo de notícia crime, isso porque o município queria "bancar" sozinho a produção de concreto, em um modelo em que a Capital, por exemplo, precisou de consórcio com outras quatro cidades para tocar em frente.

Como bem destacou o prefeito ainda na época da compra, em junho de 2021, a "usina processadora de concreto asfáltico usinado a quente, e espargidor rebocável", deveria reduzir em 40% o custo da pavimentação em Rio Brilhante.

Entretanto, ainda no final de 2022 o maquinário já era alvo de notícias entre a mídia local, que apontavam que esse maquinário sequer chegou a ser usado e estaria "estacionado" por cerca de 12 meses consecutivos sem uso desde a compra.

"A máquina adquirida nunca foi usada pelo Poder Público e encontra-se em lamentável estado de deterioração, conforme faz prova os documentos em anexo, em evidente ato de improbidade administrativa devido a efetiva lesão ao erário, perda patrimonial e dilapidação do bem público", aponta trecho da notícia de fato. 

Já em 31 de agosto do ano passado, foi determinado que o técnico da promotoria de Justiça encontrasse e constatasse por foto as atuais condições do maquinário, o que foi feito e assinado pelo profissional Valter Ribeiro dos Santos Júnior, em 04 de setembro de 2023. 

Conforme o técnico, a "usina de asfalto quente" foi localizada, dividida e armazenada em dois espaços diferentes, sendo que enquanto dois toneis estavam no terreno da chamada "oficina da Prefeitura", a parte central estava no terreno ao lado em uma propriedade particular. 

'Mirou no que viu'

A promotoria de Justiça solicitou ao município que fosse informada a situação do bem adquirido, se vem sendo realizadas manutenções periódicas, bem como se vem sendo utilizado. 

Em outubro do ano passado, o então secretário Municipal de Infraestrutura, Hugo Koji Suekame, detalhou que a ideia do Executivo ainda na época da compra era que a Prefeitura, através da pasta, "iria operacionar o equipamento com seu quadro profissional e aquisição de insumos para seu processamento". 

O município então buscou estudo ambiental e, em paralelo, realizou uma licitação para comprar os insumos necessários, com a ideia de produzir por conta própria o chamado Concreto Betuminoso de Usina à Quente (CBUQ), a que não atraiu interesse de nenhuma empresa e deu deserta. 

Com isso, o município partiu em busca de novos estudos de viabilidade de mercado, comparando as seguintes soluções: 

  1. | Produção por conta própria, equipe e materiais
  2. | Contratação de mão de obra qualificada para a produção do CBUQ
  3. | Concessão do espaço e equipamento.

Com base em uma produção estimada de 14.265 toneladas de concreto anualmente, o valor estimado a ser gasto pela Prefeitura para a produção seria de 8.424.909,00, segundo levantamento feito pelo setor de engenharia do município de Rio Brilhante. 

Se comparada com a terceirização da mão de obra, o gasto anual previsto nesse segundo, conforme o município, seria de R$ 9.976.085,1. 

Já para o 3º caso, o Executivo frisa que "não é possível calcular o lucro da empresa" pelos diversos fatores, que vão desde quantidade; demanda; variação de preços e custos.

"Porém, a Administração considerando o investimento na aquisição da usina, de R$ 766.869,81, estimam-se 5% de porcentagem mínima para a concessão, calculados sobre o valor estimado de produção", expõe o documento do secretário de infraestrutura. 

Levando em conta a estimativa de concessão de 5%, o valor médio anual previsto pela prefeitura é de R$ 421.245,45, fato que faria o município recuperar o investimento na compra da usina em aproximadamente 2,2 anos. 

"A alternativa da concessão é a solução mais viável, na qual estamos procedendo o processo administrativo licitatório, conforme, intenção de compra já enviado via memorando pelo Sistema 1doc", cita o documento assinado por Hugo Koji Suekame em outubro do ano passado. 

Enquanto isso...

Como mostrado pelo Correio do Estado, para adquirir um modelo dessa usina móvel de pavimentação asfáltica, mais pá carregadeira, a cidade de Campo Grande precisou aderir ao chamado "Consórcio Central MS", ao lado de outros quatro municípios. 

Através da união da Capital; Jaraguari; Dois Irmãos do Buriti; Terenos e Sidrolândia no Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável da Região Central de Mato Grosso do Sul, os municípios desembolsaram R$ 5 milhões. 

Isso porque, por meio dessa usina, a promessa que vem junto, além de reduzir os custos, é "asfaltar uma rua inteira em dois dias". 

Nesse caso Campo Grande foi quem arcou com a maioria dos custos (80%), destinando R$ 4 milhões, enquanto os demais municípios desembolsaram: 

  • R$ 494,1 mil - Sidrolândia
  • R$ 224,1 mil - Terenos 
  • R$ 156,6 mil - Dois Irmãos do Buriti
  • R$ 125,2 mil - Jaraguari

Nessa empreitada é somado R$ 1,4 mi, destinados pela então Senadora, Tereza Cristina, para compra da máquina que espalha e nivela o asfalto enquanto acontece a pavimentação, conhecido como "vibro acabadora", fechando o ciclo de produção. 

Nessa estratégia do consórcio, a projeção de economia de 35% se dá ao fato de não ter incidência de impostos na transação - diferente do que seria com fornecedor privado - e como o consórcio não busca lucro há entrega do material ao preço menor. 

Assine o Correio do Estado

Cidades

Festa Junina divide atenção com incêndio no Pantanal em Corumbá

Vídeo que mostra o contraste entre a festa e a destruição do bioma viralizou na internet, confira

24/06/2024 10h20

Continue Lendo...

Corumbá, terra do Banho de São João, considerada a maior festa junina do Centro-Oeste, é também o município que mais queima em todo o Brasil neste ano. O triste extremo, entre a festa e os incêndios que devastam o Pantanal, foi registrado pela corumbaense Elisa Márcio, e compartilhado em uma rede social.

 

Na legenda, Elisa  escreveu: "foi a festa mais vergonhosa que já vi na história".

Escreva a legenda aqui

Segundo o Painel Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Corumbá foi o município brasileiro que registrou a maior quantidade de incêndios neste ano, com 2.141 focos, número que representa 31,8% do notificado a nível nacional.

Além disso, conforme noticiado anteriormente, a população do município sofre com a fumaça que vem das queimadas, que associada às altas temperaturas e à baixa umidade relativa do ar, tornam o cenário ainda mais crítico.

Viralizou

O vídeo teve grande repercussão nas redes sociais, sendo compartilhado por jornalistas ambientais, como Cláudia Gaigher e Leandro Barbosa.

Em seu Instagram, Gaigher lembrou que Corumbá é um dos poucos municípios que mantém a tradição do Banho de Santo, que é feito no Rio Paraguai e faz alusão ao batismo no Rio Jordão, mas, considerou que neste ano a cena foi "impactante e triste", um "Pão e Circo". A publicação rendeu mais de 800 compartilhamentos, além de 300 comentários de indignação.

Leandro Barbosa levou o vídeo para o X (antigo Twitter), e descreveu a imagem como "O cenário do absurdo". Na sequência, relembrou um vídeo de setembro de 2020, ano recorde de incêndios no Pantanal sul-mato-grossense, e questionou: "qual será o futuro de um dos biomas mais biodiverso do planeta?"

Emergência

Todos os municípios de Mato Grosso do Sul irão declarar, nesta semana, emergência ambiental devido aos incêndios florestais deste ano, que tiveram início antes mesmo da temporada do fogo, que geralmente começa no segundo semestre.

O número de focos de incêndios em Mato Grosso do Sul em junho deste ano é o maior dos útlimos 26 anos, de acordo com série história do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Só até a sexta-feira (21) o mês de junho contava com 2.049 focos de incêndios no Estado.

Assine o Correio do Estado

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).