Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANTANAL EM CHAMAS

'Três meses nessa situação', diz secretário sobre queimadas

Maioria dos focos foram causados por ação humana, apontou titular da pasta de Meio Ambiente
26/07/2020 09:43 - Adriel Mattos


Em estado de emergência desde sexta-feira (24) devido aos incêndios no Pantanal, Mato Grosso do Sul deve continuar enfrentando essa situação por um longo período.

O secretário de estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, destacou que a maioria dos quase 4 mil focos foram causados por ação humana.

“Vamos passar os próximos três meses com essa situação. Estamos na pior situação em termos de seca, então os focos devem continuar e o grande problema que temos é que a maioria dos focos é de ação humana”, declarou Verruck à CNN Brasil no sábado (25).

O secretário disse ainda que o governo pediu apoio da União para ajudar no combate ao fogo.

“Estamos com o Ibama [Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis, um conjunto com cerca de 35 brigadistas, o Corpo dos Bombeiros com dois helicópteros com água e levando as tropas também para combater. A partir de segunda-feira [27], vamos receber o apoio dos aviões C-130, da Força Aérea, que tem capacidade de 2 mil litros de água”, finalizou.

 
 

MOBILIZAÇÃO

Deve chegar hoje, domingo (27), ao Estado um helicóptero H60 para ajudar a conter as queimadas. Ontem, um helicóptero Bambi Bucket da Marinha reforçou o combate aos focos.

A estratégia de ação foi definida a partir de conversas com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o Ministro da Defesa, general Fernando Azevedo.  

Foram mobilizados para a ação de combate aos focos de incêndio no Pantanal bombeiros de Corumbá, Jardim, Aquidauana, Maracaju, Ponta Porã e Campo Grande, além de 18 brigadistas do Prevfogo, do Ibama. Três viaturas para o combate a incêndio foram deslocadas da Capital para Corumbá.

Na sexta-feira, foi publicada portaria do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) que suspende os efeitos das autorizações ambientais de queima controlada pelo mesmo período.

O decreto de emergência vale por 180 dias e também foi publicado em função da região viver uma crescente no número de casos da Covid-19.  

Por conta das queimadas, muitas pessoas têm procurado Unidades Básicas de Saúde (UBS) apresentando problemas respiratórios.

 

 
 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.