Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RG ITINERANTE

Micro-ônibus vai permitir a emissão de documento de identificação em comunidades afastadas

Investimento de R$350 mil vai visitar comunidades ribeirinhas, aldeias indígenas e outras regiões afastadas
01/10/2020 08:38 - Gabrielle Tavares


Moradores de regiões afastadas agora poderão emitir o Registro Geral (RG). O Governo do Estado, por meio do Instituto de Identificação, recebeu na última semana um micro-ônibus que realizar os servições de emissão nessas localidades.

Os recursos usados na compra do veículo foram de aproximadamente R$ 350 mil, proveniente de emenda parlamentar do Waldemir Moka (MDB), que na época era senador, com contrapartida estadual.

A unidade móvel foi projetada para o atendimento de cerca de 70 pessoas por dia. Contudo, em razão da pandemia da Covid-19, não há previsão para o início dos atendimentos itinerantes.

O micrônibus visitará localidades afastadas, como assentamentos, áreas rurais, comunidades ribeirinhas, distritos e aldeias indígenas, que não contam com postos de identificação.

“Os atendimentos serão realizados por uma equipe de seis pessoas, sendo duas para triagem e quatro para o atendimento, distribuídos em quatro estações: três internas e uma externa, totalmente acessível para Pessoas com Deficiência (PCD), enfatiza o perito papiloscopista e co-gerente do projeto, Luiz Carlos Ferreira de Oliveira.

De acordo com o Instituto de Identificação, é necessário acesso à rede elétrica e à internet para que o processo de captação dos dados seja concluído no local.  

No caso de falta de conexão, as informações podem ser colhidas de maneira off-line e depois lançadas no sistema. Depois disso, a entrega do documento é feita com a ajuda da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast).

“Antigamente dependíamos do empréstimo de viaturas, mas agora temos uma unidade móvel com melhores condições de trabalho para os nossos servidores também”, declarou o diretor do Instituto de Identificação de Mato Grosso do Sul, Márcio Cristiano Paroba.

 
 

Felpuda


Entre sussurros, nos bastidores políticos mais fechados, os comentários são que história apregoada por aí teria sido construída para encobrir o que realmente foi engendrado em conversa que resultou em negociata. 

O script foi na base do “você finge que é assim, e nós fingimos que acreditamos”. 

Batido o martelo, a encenação prosseguiu e, conforme o combinado, deverão ser apresentados novos episódios.

Ah, o poder!