Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

REAÇÃO

Índice de famílias endividadas na Capital recua em julho

Cartão de crédito continua sendo o principal meio de endividamento
21/07/2020 07:30 - Súzan Benites


Em julho, o índice de pessoas com dívidas, como cheques pré-datados, cartões de crédito, carnês de lojas, empréstimo pessoal, prestações de carro e seguros, em Campo Grande, apresentou ligeira queda, de 61% a 60,7%, de acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), desenvolvida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

No mês passado, Campo Grande tinha 190.621 endividados, e em julho esse número passou a 189.986. Segundo a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio (IPF-MS), Daniela Dias, apesar de menos pessoas estarem endividadas, o número de famílias com contas em atraso aumentou.  

“A principal variação que notamos é no índice de famílias com contas em atraso, que passou de 33,2% para 34,7%. Entre os que estão com dívidas em atraso, a maioria dos que responderam, 34,4%, já estão há mais de 90 dias inadimplentes”, explicou.

O cartão de crédito continua sendo o principal meio de endividamento, citado por 61,7% dos entrevistados, seguido dos carnês e financiamentos de carro e casa. 

A pesquisa também aponta que o maior índice de endividados está entre os que recebem até 10 salários mínimos. Nesta faixa de renda, 63,3% informaram ter compromissos parcelados, enquanto entre os que estão em faixas de renda superior o índice é de 47,5%.

 
 

COMPROMETIMENTO

De acordo com o levantamento, considerando o total da renda mensal da família, a maioria (51,9%) dos que possuem contas em atraso tem entre 11% e 50% da renda comprometida com dívidas mensais. 

Outros 5% comprometeram até 10% da renda mensal e os que empenharam mais de 50% da renda são 4,5% dos entrevistados.  

Entre os que estão com as contas em atraso, 12,4% apontam atraso de até 30 dias. 

A maioria (34,4%) tem débitos vencidos há mais de 90 dias. Os que sinalizaram atraso médio de pagamentos entre 30 e 90 dias são 14,5%. 

E outros 38% não souberam ou não responderam.

A coleta dos dados foi realizada nos últimos 10 dias do mês de junho.

 

Felpuda


Na troca de alfinetadas entre partidos que não se entenderam até agora sobre eventual aliança, uma outra peça está surgindo: trata-se do levantamento completo sobre investimentos feitos, recursos liberados, parcerias em todas as áreas, além do prazo de quando tudo isso começou. Caso os palanques venham a ficar distanciados, a divulgação será feita à exaustão durante a campanha eleitoral, para mostrar quem é quem na história. Os bombeiros continuam atuando.