Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

AUMENTO

Materiais para construção ficam 40% mais caros em 3 meses

Empresários apontam que o início da retomada no setor fez com que indústrias inflacionassem produtos
27/07/2020 10:30 - Súzan Benites


Pesquisa da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) aponta que em todos os estados brasileiros houve aumento nos materiais para construção consultados. 

Conforme o levantamento, de março a julho, produtos como cimento e aço aumentaram mais de 10% no Estado. 

Já os produtos que vêm de outras partes do Brasil, como elétrica e hidráulica, subiram até 40%.  

De acordo com o presidente do Sinduscon-MS, Amarildo Miranda Melo, o aumento de preço dos materiais de construção durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) surpreendeu o segmento, que não parou de produzir.

 “Não é o momento para haver aumento de preço, ainda mais com porcentuais acima da inflação. O setor da construção vem demostrado sinal de recuperação e é fundamental que toda a cadeia, incluindo o setor de materiais de construção, colabore para a manutenção dessa recuperação e do aumento do emprego e da renda”, considerou.

Segundo o presidente da Associação dos Construtores de Mato Grosso do Sul (Acomasul), Adão Castilho, os produtos fabricados em MS não subiram acima do normal, mas os que vêm de indústrias de outros estados, sim. 

“No Estado existem fábricas de tijolos e cimento; percebemos foi questão de R$ 30 a mais no milheiro de tijolos e o cimento subiu em torno de 10%. Já o que é produto nacional, a parte de hidráulica subiu de 20% a 30%; elétrica também, pisos, muitas coisas estão subindo”, destacou.  

O construtor ainda explica que é uma questão de oferta e procura, que durante o período houve queda de 14% do número de novos empreendimentos, mas as vendas de imóveis cresceram em torno de 20%. 

“O empresário começou a visualizar que não fomos atingidos como imaginávamos, e aqueles projetos que estavam engavetados saíram da gaveta e a construção está a todo vapor. Mas as indústrias não acreditaram no mercado, então acabou que teve desabastecimento do material. Tem muitos produtos em falta, inclusive. O mercado está em aquecimento e a indústria não deveria aproveitar para subir os preços”, contextualizou Castilho.  

Para o Empresário Marcos Luiz de Oliveira, da Empresa Tecol Engenharia, o aumento de preço dos insumos contraria todas as medidas tomadas pelo governo federal para mitigar os impactos da pandemia.

“Todos sabem que nossos indicadores caíram, e nesse sentido estamos enxergando que nossos fornecedores de insumos estão na contramão, cometendo aumento de preços abusivos. Nesses últimos meses, constatamos em nosso dia a dia no Estado um aumento de preço com variação de 5% a 40%, dependo do produto”, explicou.

 
 

Itens

Conforme a pesquisa da CBIC, de março a julho, 95% das empresas identificaram alteração de até 10% nos valores cobrados pelo cimento. 

O preço do aço subiu até 10%. Houve registro de inflação nos preços do bloco cerâmico, concreto, cabos elétricos e tubulações.

O presidente CBIC, José Carlos Martins, disse que o momento não poderia ser mais inoportuno para aumentar preços. 

“É uma miopia por parte da cadeia produtiva. Em um momento em que indicadores têm mostrado sinais de recuperação no setor, quando temos a expectativa de que a construção civil possa puxar a retomada do crescimento, alguém decide levar vantagem”, disse.

 

Felpuda


A lista do Tribunal  de Contas de MS,  com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros  de quando exerceram cargos públicos,  está deixando  muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto  pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!