Clique aqui e veja as últimas notícias!

UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTO

Sanesul tem cinco empresas interessadas no projeto de parceria público-privada

Leilão que vai ocorrer em outubro pode ter gigantes do saneamento básico brasileiro na disputa e até mesmo uma empresa da China
28/09/2020 11:00 - Súzan Benites


Com leilão agendado para o dia 23 de outubro, cinco empresas estão interessadas no projeto de parceria público-privada (PPP) da Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul). 

Conforme a gestão estadual, a intenção é a de que Mato Grosso do Sul, com a parceria, seja um dos primeiros estados a atingir a universalização do esgotamento sanitário. São previstos investimentos da ordem de R$ 3,8 bilhões.  

O Correio do Estado apurou que são cinco grandes empresas interessadas em administrar a Sanesul. 

Entre elas, está a Aegea, consórcio que atua no ramo de saneamento básico e engenharia ambiental e controla a Águas Guariroba, dona da concessão e responsável pelo tratamento e distribuição de água, além da coleta e tratamento de esgoto em Campo Grande.  

A empresa atua em 57 cidades do País e registrou lucro líquido de R$ 294,4 milhões em 2019, um crescimento de 67,1% na comparação com o ano anterior.

Outra que disputa o comando da empresa de saneamento é o Grupo Andrade Gutierrez. 

Com faturamento estimado em R$ 4,5 bilhões, é um conglomerado de empresas que atua nas áreas de engenharia, concessão de serviços públicos, geração de energia, telecomunicações e saneamento básico. 

Além do Brasil, atua em outros países da América Latina, nos EUA, na Europa e na África.  

A terceira concorrente, conforme apurado pelo Correio do Estado, é a BRK Ambiental, braço do grupo canadense Brookfield. 

Maior empresa privada de saneamento do Brasil, atua em mais de 100 municípios do País. Registrou receita líquida de R$ 2,3 bilhões em 2019, crescimento de 17% em relação ao ano anterior.

Na disputa ainda concorrem outras duas empresas, o grupo Iguá, que tem a concessão de Cuiabá (MT), e um grupo que atua na China.  

Questionado sobre os interessados, o secretário de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Eduardo Riedel, disse que há realmente vários interessados, sem confirmar nomes. 

“Tem um volume importante de interessados, mas nós só saberemos quantos e de maneira concreta depois deles apresentarem toda a documentação solicitada pela Bolsa de Valores”, explicou.