Esportes

Negociação

A+ A-

Caixa recusa proposta 'inviável' do Corinthians para quitar o financiamento da arena

Agremiação do Parque São Jorge propôs pagar R$ 531,51 milhões para a Caixa para quitar seu estádio

Continue lendo...

A Caixa Econômica Federal considerou "inviável" a recente proposta feita pelo Corinthians para a quitação do débito referente ao financiamento para a construção da Neo Química Arena, em Itaquera.

Em resposta enviada ao clube no último dia 9 de janeiro, assinada por gerentes do setor de "Recuperação de Crédito Corporativo", o banco estatal recusou os termos apresentados pelo departamento financeiro do ex-presidente corintiano Duilio Monteiro Alves. A oferta foi colocada cinco dias antes da última eleição no clube, em novembro.

A informação foi divulgada inicialmente pela ESPN e confirmada pela Folha. A reportagem teve acesso ao documento em que a agremiação do Parque São Jorge propôs pagar R$ 531,51 milhões para a Caixa para quitar seu estádio.

Procurado, banco informou que "não se manifesta sobre operações de crédito e estruturação de dívidas específicas, em razão do sigilo bancário previsto na LC 105/2001". Em novembro, contudo, a instituição havia confirmado o recebimento de uma proposta do clube.

O banco acrescentou também que, "como instituição financeira, busca continuamente a eficiência, a sustentabilidade e a rentabilidade em suas operações comerciais, seguindo os ritos de governança e prezando por soluções que atendam aos interesses da CAIXA e de seus clientes".

A proposta apresentada era baseada em duas fontes de receitas. Primeiro, o clube pretendia repassar para o banco o dinheiro recebido da Hypera Pharma no contrato de naming rights da arena. Além disso, a oferta previa, ainda, créditos que seriam adquiridos em contratos de FCVS (Fundo de Compensação de Variações Salariais), que são como títulos de dívidas do Governo que a própria Caixa, gestora do Tesouro Nacional.

A ideia do clube era comprar esses títulos junto a empresas e repassar para o banco, na teoria, anulando o valor que era devido.

Na resposta enviada ao Corinthians, o banco explicou que não poderia aceitar o dinheiro do contrato com a Hypera porque o crédito não pertence formalmente ao clube, mas sim ao Arena Fundo de Investimentos, que atualmente é de propriedade do clube, e responsável pelo pagamento do financiamento.

De acordo com a Caixa, o dinheiro deste contrato não poderia ser usado para esse fim com base em um entendimento prévio da CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

A ideia do clube era abater cerca de R$ 356 milhões da dívida da arena. Sobre os créditos FCVS, o banco informou ao clube que também "não são aptos aos fins pretendidos na Proposta de Quitação". Com esses títulos, o Corinthians esperava abater mais R$ 175 milhões.

Na semana passada, o atual presidente alvinegro, Augusto Melo, criticou o fato de a proposta para quitar o estádio ter sido apresentada por Duilio Monteiro Alves às vésperas da eleição. Então membro da situação, o ex-mandatário apoiava o candidato André Luiz de Oliveira, o André Negão, derrotado por Melo.

Pessoas próximas de Augusto Melo classificaram o anúncio como uma manobra eleitoreira. Duilio, porém, chegou a afirmar que o acordo poderia ser confirmado ainda durante seu mandato. A análise da Caixa, no entanto, foi concluída somente na virada do ano, quando Melo tomou posse.

Agora, a nova diretoria deve procurar o banco nos próximos dias para iniciar uma nova negociação para a quitação do débito do financiamento.

AUTOMOBILISMO

F1 volta com repetição de domínio da Red Bull e vitória de Verstappen

Temporada 2024 será a mais longa da história, com 24 corridas, número que poderia ter sido registrado em 2023, quando os GPs da China e Emília-Romagna acabaram cancelados

02/03/2024 13h30

F1 retornou neste ano com seu primeiro GP em um sábado devido ao Ramadã, um período sagrado para os muçulmanos Reprodução/X/Fórmula 1

Continue Lendo...

Neste sábado (2), a abertura da temporada 2024 da F1 no GP do Bahrein indicou que a Red Bull ainda vai ser a equipe dominante do grid, assim como o tricampeão Max Verstappen continuará reinando soberano na primeira posição.

O holandês venceu a prova, praticamente, de ponta a ponta, e Sérgio Perez garantiu a primeira dobradinha do ano, em segundo.

Já a segunda força da categoria promete uma disputa mais aberta. A Ferrari demonstra estar um passo à frente das demais, pois completou o pódio com Carlos Sainz, enquanto Charles Leclerc foi o quarto, mas a Mercedes e a McLaren também tiveram um bom desempenho no ritmo de corrida.

Em seu último ano como piloto da Mercedes, Lewis Hamilton, no entanto, destoou de seu companheiro de equipe, George Russell, o quinto, e estreou de forma modesta neste ano, com a sétima colocação da prova no Bahrein. Em 2025, o heptacampeão mundial vai correr pela Ferrari.

Já os carros da McLaren chegaram na sexta, com Lando Norris, e na oitava posição, com Oscar Piastri.

Com suas provas tradicionalmente realizadas aos domingos, a F1 retornou neste ano com seu primeiro GP em um sábado devido ao Ramadã, um período sagrado para os muçulmanos.

Pelo mesmo motivo, a próxima etapa do ano também será em um sábado, no dia 9, na Arábia Saudita.

No calendário islâmico deste ano, a data religiosa começa no dia 10, um domingo, por isso a corrida saudita teve de ser antecipada para o sábado, assim como a prova no Bahrein, adiantada para ter um intervalo mínimo de sete dias entre uma prova e outra.

A temporada 2024 será a mais longa da história, com 24 corridas, número que poderia ter sido registrado em 2023, quando os GPs da China e Emília-Romagna acabaram cancelados.

O GP São Paulo deste ano está marcado para o dia 3 de novembro, quando será disputada a 21ª Etapa do ano. Depois da corrida no Brasil, a F1 passará por Las Vegas, nos EUA, Qatar e Abu Dhabi.

 

Assine o Correio do Estado

Virou caso de polícia

Jogador da Portuguesa procura a polícia e denúncia PM por ameaça e injúria racial

O boletim de ocorrência foi registrado no 4º DP das Moreninhas em Campo Grande; o caso foi encaminhado a Corregedoria da Polícia Militar para investigação.

01/03/2024 18h22

Cenas lamentáveis de injuria racial aconteceu aos 18 minutos do primeiro tempo. Foto: Luciano Siqueira/ Portuguesa

Continue Lendo...

O zagueiro Vinicius Machado com a equipe jurídica da Associação Atlética Portuguesa, estiveram na Corregedoria da Polícia Militar no início da tarde de hoje (1), abrindo um inquérito investigativo de injúria racial feita por um policial militar que realizava a segurança das equipes de arbitragem. 

Reprodução/ 

As cenas lamentáveis aconteceram aos 18 minutos do primeiro tempo, na partida entre Portuguesa 4 a 3 contra o Náutico, na noite de ontem (29), no Estádio Jacques da Luz, em Campo Grande, pelo Campeonato Sul-Mato-Grossense.  

Conforme relatos do boletim de ocorrência registrado na 4º Delegacia de Polícia dos Moreninhas, em que o Correio do Estado teve acesso, detalha os minutos da confusão. 

Os jogadores da Lusa ficaram resvoltados após o juiz da partida, João Bosco Echeveria, não marcar uma penalidade a favor da Portuguesa. Os atletas titulares foram para cima do árbitro para questioná-lo, quando os policiais entraram em campo sem autorização.  

Ainda conforme descrito no boletim de ocorrência, neste momento o policial pegou no braço do zagueiro para tirá-lo da confusão.  O atleta olhou para o policial e o questionou sobre força truculenta que realizava o ato, retirando o atleta de campo. 

Inconformado, o zagueiro voltou ao gramado e foi novamente em direção ao árbitro, quando ouviu ameaças do mesmo policial, proferindo as seguintes palavras: “Eu acho você, onde você estiver aqui, vou lá no vestiário e pego você”. 

O atleta estranhou as ameaças e ouviu novamente do policial “Eu te dou voz de prisão, você está me desacatando, eu te prendo nego" 
 
 Não entendo muito bem o que estava acontecendo, o zagueiro questionou o policial que estava com as algemas em mãos e relatando as seguintes as palavras “"eu te prendo, nego". 
 
Revoltado, o atleta foi em direção ao árbitro e relatou as ofensas.  

Nas redes sociais, a Associação Atlética Portuguesa publicou nota repudiando o fato.

A.A Portuguesa/ Divulgação

Em nota, a assessoria da Polícia Militar relatou que "na observação do comandante que cuidava da equipe que estava no estádio, foi necessária a intervenção da polícia, a fim de resguardar a equipe de arbitragem e atletas. Após cerca de 20 minutos, os ânimos se acalmaram e a partida pode ser reiniciada sem maiores problemas", relatou.

Com relação ao suposto ato racista proferido pelo policial militar, a instituição destacou que “não compactua com qualquer tipo de desvio de conduta de seus integrantes, e que está investigando o caso" 

Questionamos novamente a Polícia Militar sobre o afastamento ou punição do policial, mas a assessoria relatou que o policial não será afastado tampouco punido até que se prove que o fato aconteceu.  

Até o momento, a Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS), não disponibilizou a súmula da partida, por isso não será possível saber se a arbitragem registrou ou não o fato. 

Assine o Correio do Estado.   

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).