Clique aqui e veja as últimas notícias!

CORUMBÁ

Secretário, assessor e parente do prefeito são investigados em operação da Polícia Federal

A Operação Offset, deflagrada na manhã desta terça-feira (6), já apreendeu documentos e R$44 mil
06/10/2020 11:15 - Gabrielle Tavares


A Polícia Federal apreendeu R$25 mil reais na casa de dois investigados e mais R$ 19 mil em uma conveniência em Corumbá, através da Operação Offset, deflagrada nesta manhã (6).

De acordo com a assessoria da PF, já foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão em Campo Grande e sete em Corumbá.

Entre os investigados estaão Márcio Iunes, irmão do prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes (PSDB); e o assessor da prefeitura do município, Edson Panes de Oliveira Filhos, que também é ex-secretário municipal de Segurança Pública

O secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos de Corumbá, engenheiro Ricardo Ametlla, também é alvo da operação. Policiais cumpriram mandados de busca em sua sala, na secretaria que fica localizada na prefeitura, e na casa de Amettle.

O secretário disse ao jornal Diário Corumbaense que foi surpreendido pela ação ao chegar nesta manhã à Prefeitura.

Mesmo alegando não ter conhecimento das investigações, o Amettla confirmou que teve computador e aparelho de celular apreendidos pela PF, durante mandado de busca e apreensão em sua casa.  

“Não sei que investigação é, meu advogado vai tomar ciência do que se trata. Não sou réu, não sou condenado, sou somente investigado e eu não sei o por quê ainda”, disse.

Ainda não há informações sobre os outros investigados em Campo Grande e em Corumbá. Correio do Estado tentou contato com o prefeito de Corumbá, mas as ligações não foram atendidas. 

 
 

Operação Offset

Segundo a PF, a investigação teve início após o recebimento de denúncias apontando a ocorrência sistemática de desvios de recursos públicos no Poder Executivo Municipal, cujas irregularidades seriam decorrentes de contratos de prestação de serviços entre a Prefeitura de Corumbá e uma empresa de engenharia sediada em Campo Grande/MS. 

O dinheiro desviado seria direcionado aos servidores e empresários envolvidos. As investigações também indicaram que parte da verba destinada ao pagamento dos contratos é proveniente de repasse de recursos federais.

O nome da operação faz alusão à conhecida técnica de impressão, já que este é o principal ramo de atividade econômica, registrado nos órgãos competentes, de uma empresa investigada. 

Em tradução livre para a língua portuguesa, a palavra “offset” significa “fora de alinhamento” ou “fora do lugar”.