Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DITO E FEITO

Indicado por senadora, coordenador da Funai em Mato Grosso do Sul é exonerado

Governo de Jair Bolsonaro havia prometido retaliar senadores que votaram para derrubar veto sobre reajuste para funcionalismo público
24/08/2020 09:44 - Adriel Mattos


O coordenador regional da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Mato Grosso do Sul, José Magalhães Filho, foi exonerado. O decreto consta na edição desta segunda-feira (24) do Diário Oficial da União (DOU).

Magalhães foi indicado pela senadora Soraya Thronicke (PSL-MS). A exoneração ocorre logo após o Palácio do Planalto prometer retaliar parlamentares governistas no Senado que votaram para derrubar veto presidencial sobre congelamento da folha do funcionalismo público até 2021.

O militar reformado foi nomeado em fevereiro, mas foi afastado diversas vezes pela Justiça Federal por opiniões e falas controversas.  

Em entrevista à TV Morena naquele mês, ele defendeu a integração de indígenas a fim de “namorar com um pretinho, um branquinho”. Ele concorreu a deputado estadual em 2018 pelo PSL, mas não foi eleito.

 
 

TENSÃO

Além de Soraya, Daniela Ribeiro (PP-PB) e Jorginho Mello (PL-SC) devem perder indicações de cargos e de liberação de verbas em emendas por terem se posicionado contra o governo na votação realizada na última quarta-feira (19).

Outro que pode sofrer sanção é o vice-líder do governo no Senado, Izalci Lucas (PSDB-DF), que deve perder o cargo nos próximos dias, segundo o jornal O Globo.

As duas fizeram parte do total de 42 votos a favor da derrubada do veto - 30 apenas escolheram manter a decisão presidencial. No Senado, são necessários 41 votos para que um veto presidencial seja derrubado. Contudo, na quinta-feira (20), o veto do presidente Jair Bolsonaro foi mantido após a questão ser revertida na Câmara - placar de 316 a 165 votos.

 

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!