Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FINANÇAS E ORÇAMENTO

Após duas votações, Lei de Diretrizes Orçamentárias é aprovada pelo Legislativo

Projeto segue para sanção do prefeito Marcos Trad
02/07/2020 11:24 - Bruna Aquino


Depois de passar por duas votações simbólicas, o projeto do Executivo Municipal que institui a Lei de Diretrizes Orçamentárias de Campo Grande para o exercício financeiro de 2021 foi aprovado na Câmara Municipal nesta quinta-feira (2).  

Agora, a matéria aprovada segue para a sanção ou veto do prefeito Marcos Trad (PSD) que vai publicar a decisão nos próximos dias em Diário Oficial.  

A Lei de Diretrizes Orçamentárias tem orçamento de R$ 4.333.259.490,79 para 2021 com pequeno crescimento de 0,70% quando comparado a receita total para 2020 de R$ 4,303 bilhões. No entanto, considerando os valores a preços constantes, há uma queda de 4,33% para o próximo ano, em relação às estimativas de 2020.  

A Lei de Diretrizes é usada para estabelecer metas da administração pública e como base para elaborar o orçamento, que é definido por meio da Lei Orçamentária Anual (LOA).  

O montante consolidado do orçamento será encaminhado em outro projeto de lei do Executivo, baseado nessas diretrizes definidas, o qual deve chegar à Casa de Leis até 30 de setembro, mesmo prazo para envio de revisão do Plano Plurianual (PPA) caso haja necessidade.

QUAIS AS EMENDAS?

Segundo o relator que neste ano foi o vereador Eduardo Romero (REDE), as emendas para o ano que vem são relacionadas à infraestrutura urbana e rural ou meio ambiente que lideraram com total de 14 sugestões apresentadas, equivalente a 22,95%.

Na sequência, constam os temas sociocultural e político institucional, com 12 emendas, a saúde recebeu 10 emendas, outras oito são destinadas à educação, informação e mais 5 direcionadas ao desenvolvimento econômico.

 
 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!