Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INFIEIS

Ninho tucano se reúne para decidir punição de deputados

Mesmo com voto contrário, Reinaldo não se sentiu traído por deputados
29/07/2019 12:10 - EDUARDO PENEDO


 

O ninho tucano vai se reunir no início da noite desta segunda-feira (29) para discutir o planejamento do partido no segundo semestre, eleições 2020 e uma possível punição contra os deputados estaduais Rinaldo Modesto, Marçal Filho e Onevan de Matos que votaram contra o projeto de regras para contratar professores temporário. A reunião acontece, às 18 horas, na sede tucana, localizada na Avenida ministro João Arinos, 156, na Chácara Cachoeira, em Campo Grande. 

Segundo o presidente da sigla Sérgio de Paula, a possível punição dos três deputados da base está sendo avaliado pelo Conselho de Ética do PSDB, mas ele já adiantou que não haverá expulsão da sigla. ."Até porque muitos deputados são candidatos a prefeito, entendemos que cada um tenha sua opinião", afirmou o presidente estadual da sigla. 

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) já disse que não se sentiu traído com os votos contrários dos deputados de sua base.” Não traído não. Eu respeito sou muito democrático. Eu só entendo que estávamos fazendo algo que acaba sendo polêmico. Você criar uma diferenciação entre uma categoria que é o efetivo e o temporário que é o convocado, mas isso é feito pelas necessidades.", explica. 

As justificativas dos parlamentares para votar contra o projeto do governado do Estado foi segundo Onevan de Matos que sempre militou em prol dos professores e não poderia neste momento votar contrário a categoria. Já o deputado professor Rinaldo Modesto justificou seu voto por ser professore e não tinha como não defender sua categoria. Já Maçal Filho na primeira votação votou a favor do projeto do governo, mas na segunda votação após receber várias ligações de professores acabou mudando o voto a favor dos professores. 

Felpuda


Nos bastidores, conversas, ou melhor, quase sussurros, dão conta de que compromisso assumido teria prazo de validade se acontecer a vitória de aliado.

A partir de então, o papo passaria a ser bem, mas bem diferente mesmo, pois, com acordo cumprido, novos objetivos passariam a ser fonte dos desejos, e sem nenhuma moeda de troca.

No caso, não haveria mais sequer um fio de bigode. Tipo, cada um na sua.