Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TRAMITAÇÃO

Relatório de Lei de Diretrizes Orçamentárias é entregue na Câmara com 61 emendas

Projeto prevê orçamento de R$ 4,3 bilhões para Campo Grande em 2021
09/06/2020 12:18 - Bruna Aquino


O relatório da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que prevê orçamento de R$ 4,3 bilhões para 2021 foi entregue nesta terça-feira (9), com dois dias de antecedência, para ser analisado e pautado para votação na Câmara Municipal nos próximos dias. Relator do projeto, o vereador Eduardo Romero (Rede) entregou a peça com 61 emendas, das 242 que foram indicadas pelos pares. 

No ano passado, os vereadores apresentaram 268 emendas à LDO, e dessas 152 foram integradas ao relatório, já que as demais eram repetidas ou não eram adequadas ao relatório. 

Segundo Romero, muitas das emendas indicadas neste ano pelos vereadores foram somadas e aglutinadas por serem semelhantes às existentes e muitas foram descartadas por não “serem objeto específico de LDO”, disse o relator. 

Ainda de acordo com o vereador, dentro das 61 emendas incorporadas, 5 são para o desenvolvimento econômico, 8 voltadas à educação, 14 para infraestrutura (urbana, rural e meio ambiente), 12 para política e institucional, 10 destinadas à saúde e 12 para área sociocultural. 

O parecer final e a votação do projeto estão previstos até o dia 30 de junho. Depois, a proposta aprovada segue para sanção ou veto do prefeito Marcos Trad (PSD).  

A LDO é usada para estabelecer metas da administração pública e como base para elaborar o orçamento, que é definido por meio da Lei Orçamentária Anual (LOA). O montante consolidado do orçamento será encaminhado em outro projeto de lei do Executivo, baseado nessas diretrizes definidas, o qual deve chegar à Casa de Leis até 30 de setembro, mesmo prazo para envio de revisão do Plano Plurianual (PPA) caso haja necessidade.

 

Felpuda


Como era de se esperar, as pesquisas mexeram nos ânimos de candidatos, principalmente daqueles que apareceram com índices pífios.

E assim, muitos deles certamente darão novo rumo às suas campanhas eleitorais.

A maioria, é claro, tenta mostrar otimismo, e o que mais se ouve por aí é que “agora o momento será de virada”.

Como disse atento e irônico observador: “Tem gente por aí que poderá virar, sim. Mas virar gozação!”. Ui...