Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TRAMITAÇÃO

Relatório de Lei de Diretrizes Orçamentárias é entregue na Câmara com 61 emendas

Projeto prevê orçamento de R$ 4,3 bilhões para Campo Grande em 2021
09/06/2020 12:18 - Bruna Aquino


O relatório da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que prevê orçamento de R$ 4,3 bilhões para 2021 foi entregue nesta terça-feira (9), com dois dias de antecedência, para ser analisado e pautado para votação na Câmara Municipal nos próximos dias. Relator do projeto, o vereador Eduardo Romero (Rede) entregou a peça com 61 emendas, das 242 que foram indicadas pelos pares. 

No ano passado, os vereadores apresentaram 268 emendas à LDO, e dessas 152 foram integradas ao relatório, já que as demais eram repetidas ou não eram adequadas ao relatório. 

Segundo Romero, muitas das emendas indicadas neste ano pelos vereadores foram somadas e aglutinadas por serem semelhantes às existentes e muitas foram descartadas por não “serem objeto específico de LDO”, disse o relator. 

Ainda de acordo com o vereador, dentro das 61 emendas incorporadas, 5 são para o desenvolvimento econômico, 8 voltadas à educação, 14 para infraestrutura (urbana, rural e meio ambiente), 12 para política e institucional, 10 destinadas à saúde e 12 para área sociocultural. 

O parecer final e a votação do projeto estão previstos até o dia 30 de junho. Depois, a proposta aprovada segue para sanção ou veto do prefeito Marcos Trad (PSD).  

A LDO é usada para estabelecer metas da administração pública e como base para elaborar o orçamento, que é definido por meio da Lei Orçamentária Anual (LOA). O montante consolidado do orçamento será encaminhado em outro projeto de lei do Executivo, baseado nessas diretrizes definidas, o qual deve chegar à Casa de Leis até 30 de setembro, mesmo prazo para envio de revisão do Plano Plurianual (PPA) caso haja necessidade.

 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!