Veículos

LANÇAMENTO

BYD Shark é a primeira picape híbrida plug-in e promete autonomia de até 840 km

A picape desembarca primeiro no México e posteriormente irá para o Brasil

Continue lendo...

Antes de falar da picape, um pouco de história, você sabia que a BYD está no Brasil a quase 10 anos? Em 2015 a marca lançou uma fábrica de ônibus 100% elétrico em Campinas, e até 2023, já tinha sete modelos homologados. 

Mas o assunto aqui hoje é a primeira picape da marca, com um visual imponente, com contorno musculoso, molduras na cor preta, para parecer maior do que já é, lembrando a picape líder americana, mas em uma escala menor. A BYD Shark, tem autonomia de até 840 km, rebocar 2.500 kg, e pode carregar até 835 kg.

Confesso, ela ao vivo é maior do que na foto, só pra vocês terem uma ideia, ela tem um entre-eixo de 3,260 metros, comprimento total de 5,46 metros, 1,97 m de largura, e 1,92 m de altura, e vale lembrar, 28,2 cm de vão livre do solo.

BYD Shark tem capacidade de reboque de 2.500 kg

O consumo pela BYD é de 7,5 litros de combustível para 100 km. Equivale a 13,3 km/l. Falar em 100 km, lembrei que ela roda essa quantidade somente no modo elétrico. 
Traseira iluminada, e a maior capacidade em litros na caçamba, 1.450 litrosPor dentro não é diferente, bastante tecnologia embarcada, Wi-Fi integrado, comando de voz, multimídia de 12,8 polegadas, e o painel com mais de 10 polegadas. Será bem equipada, trazendo um painel de instrumentos digital de 10,25 polegadas, central multimídia de 12,8 polegadas capaz de girar (como no Dolphin ou Song Plus), câmera 360°, visão 180° sob o veículo, carregador wireless para smartphones, head-up display de 12 polegadas, seis airbags,  controle de cruzeiro adaptativo, frenagem automática de emergência, assistente de permanência em faixa e mais, como de praxe nos carros da BYD, ela também tem karaokê. 

Interior luxuoso e espaçoso Agora você deve estar curioso pra saber do motor, ela tem um motor turbo, de 1.5 litros, um motor longitudinal na traseira e um na dianteira, então ao todo são três motores, somando os 430 cavalos, e acelera de 0 a 100km/h em 5,7 segundos.  
A soma de todos os motores somam 430 cvAinda estamos na Cidade do México, e amanhã terá o teste de direção, aí sim disponibilizaremos o teste completo com impressões ao dirigir. 

TEST DRIVE

Versão Savana é a mais radical da picape média Mitsubishi L200 Triton

A L200 Triton Savana tem preço sugerido de R$ 299.990 e é produzida em Catalão (GO)

15/04/2024 14h41

Teste da picape Mitsubishi L200 Triton Savana

Teste da picape Mitsubishi L200 Triton Savana Luiza Kreitlon/AutoMotrix

Continue Lendo...

Desde sua primeira geração, apresentada no Japão há mais de 40 anos, a proposta da picape Mitsubishi L200 é reunir o conforto e a dirigibilidade de um utilitário esportivo de luxo com uma ampla capacidade para o off-road. Tal capacidade para enfrentar de forma destemida as trilhas, os lamaçais e os buracos é particularmente explícita na versão Savana. Criada em 2004 para o mercado brasileiro, é caracterizada por incorporar como itens de série modificações comuns entre os proprietários da L200 que faziam uso pesado, como pneus fora-de-estrada e snorkel. Apresentada há um ano, a atual L200 Triton Savana tem preço sugerido de R$ 299.990 e é produzida em Catalão (GO), na fábrica da HPE Automotores do Brasil, representante oficial da marca Mitsubishi Motors no país. A versão é oferecida em quatro opções de cores: Amarelo Rally (a do modelo testado), Verde Forest, Bege Jizan e Branco Fuji. A picape conta com cinco anos de garantia de fábrica.

A base da Savana é a L200 Triton Sport HPE, de R$ 269.990. Os generosos cromados do modelo original dão lugar a plástico preto sem pintura na grade, capa dos retrovisores e em outros detalhes. Sob o para-choque está uma placa de deslizamento, também em preto, que protege a mecânica e ajuda a transpor obstáculos. Os faróis são em leds e auxiliados pelas luzes de neblina. O snorkel vem de série e amplia a capacidade de transpor trechos alagados de até 70 centímetros. No teto da cabine está um bagageiro com capacidade para até 50 quilos e que abriga pranchas de desencalhe – que funcionam como uma versão “profissional” do macete clássico dos donos de Fusca, que colocavam os próprios tapetes do carro sob os pneus para escapar dos atoleiros. Na caçamba da Mitsubishi L200 Triton Savana 2024, que conta com acabamento anti-riscos, há uma caixa com chave na lateral. As rodas de liga leve de 18 polegadas com pneus 265/60 de uso urbano da L200 Triton Sport HPE são substituídas por rodas de aço estampado de 17 polegadas, mais resistentes a impactos. Os pneus são o Goodyear Duratrack 265/70R17, específicos para uso mais pesado no fora-de-estrada. Os para-lamas recebem alargadores em plástico para proteger a carroceria de riscos. Sob as portas, onde costumam ficar os estribos, estão os “rocksliders”, barras que protegem a parte inferior das laterais da carroceria.

Teste da picape Mitsubishi L200 Triton Savana - Foto: Luiza Kreitlon/AutoMotrix Teste da picape Mitsubishi L200 Triton Savana - Foto: Luiza Kreitlon/AutoMotrix 

O motor da L200 Triton Savana é o mesmo que equipa todas as versões da picape média. É um 2.4 turbodiesel de quatro cilindros com estrutura leve em alumínio que traz a tecnologia de válvulas variáveis MIVEC e turbina de geometria variável. Desenvolve 190 cavalos de potência e 43,9 kgfm de torque. A transmissão automática de 6 marchas tem opção para trocas sequenciais por meio de particularmente avantajados “paddles shifters” localizados atrás do volante. O sistema Super Select 4WD-II (SS4-II) oferece ao motorista quatro modos de operação: “2H” – usado para estradas e vias públicas, privilegia a economia de combustível com desempenho suave –, “4H” – para estradas e pisos irregulares, inclusive asfalto, serra e em condição de chuva, com o sistema distribuindo automaticamente a tração entre os dois eixos, por meio do diferencial central –, “4HLc” – para terreno acidentado com superfícies de baixa aderência como terra e cascalho – e “4LLc” – para subidas ou descidas íngremes, rochas, areia e lama. A L200 Triton Savana conta ainda com o “Off-Road Mode”, preparando a picape para ficar mais resistente para terrenos mais severos, e o controle de descida em rampas. Para situações em que uma ou mais rodas estão sem contato com o chão, a picape conta com o sistema ativo de controle de tração. O bloqueio do diferencial permite que as rodas de trás recebam tração de forma idêntica, sendo útil em atolamentos.

Teste da picape Mitsubishi L200 Triton SavanaTeste da picape Mitsubishi L200 Triton Savana - Foto: Luiza Kreitlon/AutoMotrix

Experiência a bordo

A Mitsubishi L200 Triton Savana não tem um visual interno dos mais contemporâneos –, questão que talvez nem incomode o consumidor típico da versão. Mas isso deve ser resolvido com a esperada atualização da nova geração, já confirmada para o Brasil. Os instrumentos têm aspecto conservador. Uma grande alavanca de freio de mão no console ocupa um espaço bem maior que os botões dos freios de estacionamento eletrônicos das picapes mais recentes. A central multimídia JBL traz tela sensível ao toque de 7 polegadas – pequena para os padrões das atuais concorrentes –, integrada aos smartphones por meio das tecnologias Apple CarPlay e Android Auto, com GPS embarcado. A chave é simples, do tipo com com a parte metálica exposta, algo inesperado em um modelo da faixa dos R$ 300 mil.

Embora conte com alças frontais, a picape é alta e faz falta um estribo para facilitar o acesso – os “rocksliders” não cumprem a mesma função. Para aumentar a percepção de requinte, há detalhes em preto brilhante no painel e um inclinômetro gráfico longitudinal e lateral, assim como indicador de esterçamento das rodas dianteiras – equipamento bastante útil no “off-road”. Os bancos são em um revestimento de aspecto elegante, que imita couro, sendo o do motorista com regulagens elétricas. Os espaços na traseira são amplos e confortáveis. A picape traz ar-condicionado de duas zonas, que se completa com eficientes saídas de ar colocadas no teto, permitindo a refrigeração de toda a cabine de forma mais rápida. Os passageiros do banco traseiro podem ajustar a intensidade da ventilação em até quatro níveis. E o carpete do interior dá lugar a um material emborrachado, que facilita a limpeza.

Teste da picape Mitsubishi L200 Triton SavanaTeste da picape Mitsubishi L200 Triton Savana - Foto: Luiza Kreitlon/AutoMotrix

Impressões ao dirigir

A Savana é um off-road à moda antiga – do tipo que agrada saudosistas de veículos lameiros radicais, como o extinto Toyota Bandeirante e os Land Rover Defender do século passado. Nas trilhas, o conjunto da picape da Mitsubishi esbanja consistência e robustez. Não há mudanças mecânicas em relação às outras configurações da L200 e a Savana mantém o 2.4 turbodiesel, com construção em alumínio e variador de tempo de válvulas na admissão e no escape. O motor entrega 190 cavalos em 3.500 rpm e robustos 43,9 kgfm em 2.500 rpm – força suficiente para performances convincentes, tanto na estrada quanto fora dela. Tem boa elasticidade e se entende bem com o câmbio automático de 6 marchas, com opções para trocas sequenciais nos “paddles shifters”. As trocas são suaves e a oferta de torque é farta. Na estrada, não falta disposição para levar as mais de duas toneladas da picape até velocidades elevadas ou para fazer ultrapassagens seguras. Segundo a etiquetagem do Inmetro, o consumo da L200 Triton Sport Savana é de 9,3 km/l no uso urbano e de 10,3 km/l no rodoviário.

Se não há diferença mecânica da Savana em relação às outras L200, há características acústicas distintas. O som reverberado pelo snorkel na coluna frontal direita se faz notar na cabine. Os pneus lameiros impõem um rodar mais rumoroso e o rack no teto também emite sua sonorização adicional. A direção tem assistência hidráulica e é um tanto pesada nas manobras, também por conta dos pneus. O feixe de molas na traseira e o curso da suspensão dianteira não favorecem tanto conforto no uso urbano e nem um comportamento dinâmico mais arisco nas curvas em velocidades mais elevadas. Contudo, entregam uma reconfortante confiabilidade a quem enfrenta obstáculos como valões, atoleiros, pirambeiras e dunas de areia. O ambiente no qual a L200 Triton Savana se sente mais à vontade é nas trilhas – é o veículo mais robusto que a Mitsubishi Motors já produziu no Brasil. A sensação tranquilizadora no “off-road” é reforçada pelo sistema de tração 4x4, que conta com modos 4x2, 4x4 automático, 4x4 50/50 e 4x4 com reduzida, além do seletor de fora-de-estrada e o bloqueio do diferencial traseiro. A reduzida ajuda a passar por obstáculos mais complicados e os pneus reforçam expressivamente a valentia da Savana. O Off-Road Mode deixa a picape mais preparada para encarar os mais variados tipos de terreno, com quatro modos: “Cascalho”, “Lama/Neve”, “Areia” e “Pedra”. Os atributos para as trilhas são respeitáveis: ângulo de entrada de 33 graus, ângulo de saída de 24 graus e altura livre em relação ao solo de 23,3 centímetros.

As assistências semi-autônomas ativas – controle de tração e de estabilidade, assistente de frenagem de emergência, sistemas de frenagem autônoma, de monitoramento de pontos cegos e de prevenção de aceleração involuntária e controle ativo de tração estabilidade – andam valorizadas nas picapes médias mais recentes. Na linha L200 Triton, estão disponíveis apenas na versão Sport HPE-S, que custa exatamente os mesmos R$ 299.990, porém não aparecem na Savana. Tais tecnologias talvez nem combinem tanto com a proposta “ lameira raiz” da L200 Triton Savana, pois sensores e radares são equipamentos delicados, que normalmente sentem o impacto do uso mais extremo.

Teste da picape Mitsubishi L200 Triton Savana Teste da picape Mitsubishi L200 Triton Savana - Foto: Luiza Kreitlon/AutoMotrix

LANÇAMENTO

Nova S10 chega mais potente e inicia sua pré-venda com preço a partir de R$281.900

Com três versões inicialmente, a picape tem motor mais potente que o anterior e novo câmbio automático de 8 velocidades

05/04/2024 17h50

Nova S10 High Country tem preço a partir de R$302.900

Nova S10 High Country tem preço a partir de R$302.900 Foto: Divulgação

Continue Lendo...

Já era esperada desde o início do ano, e depois de diversos flagras, a Chevrolet mostrou a picape sem disfarces. 
A montadora já divulgou que terá versão cabine simples e no chassis, porém, a pré-venda é somente para Z71, LTZ e High Country inicialmente, em breve as outras versões estarão disponíveis para venda, inclusive com desconto para frotista e produtor rural. 
 

A traseira da S10 ficou robusta, lembrando a Silverado

As mudanças começam pelo design e se estendem ao conjunto mecânico, bem como ao pacote tecnológico e de conectividade. O interior foi revisado, com a inclusão do novo sistema multimídia Chevrolet MyLink, combinado com o painel de instrumentos digital.

“O segmento de picapes é o que mais cresce no Brasil; um a cada cinco veículos vendidos no país tem caçamba. A Nova S10 estreia como o modelo mais inovador desta categoria e ainda tem a chancela da Chevrolet, líder global no desenvolvimento de caminhonetes”, destaca Paula Saiani, diretora de Marketing de produto da GM América do Sul.

Toda a linha 2025 vem equipada com o novo motor Duramax 2.8 turbodiesel de 207 cavalos e pacote off-road. Outra novidade é a oferta da transmissão automática de oito marchas. 

A estreia da Nova S10 completa a renovação do portfólio de picapes da Chevrolet, composto pela Nova Montana (médio-compacta) e a Nova Silverado (full-size premium).

Z71 a partir de R$281.900

A versão Z71, a grade, retrovisores e maçanetas são pretos, as lanternas escurecidas, estribo e santantônio tubulares e pneus de uso misto.
Versão Z71 tem um estilo mais fora de estrada

LTZ a partir de R$292.800

Na LTZ, o acabamento é mais sóbrio, com elementos na mesma cor da carroceria e rodas com acabamento exclusivo.

LTZ tem um estilo monocromático

High Country a partir de R$302.900

Já a High Country diferencia-se pelo santantônio esportivo e cromados bem ao estilo norte-americano.

A versão tipo, High Country já destaca os cromados

Para o motorista, as novidades começam pelo volante, da mesma família da Silverado. Além da tradicional regulagem de altura, agora a coluna de direção tem ajuste de profundidade.

A nova S10 herda também o conceito de cockpit virtual, presente em lançamentos globais da General Motors. Entretanto, o conjunto traz recursos exclusivos para a caminhonete.


 

A nova geração do motor Duramax 2.8 turbodiesel de quatro cilindros traz avanços de hardware e software, leva a picape aos 100 km/h em 9,4 s. 

 De acordo com o Inmetro, a Nova S10 automática a diesel percorre 11,4 km/l na estrada e 9,5 km/l na cidade, médias até 13% melhores.

O motor, que agora entrega 207 cavalos e 52 kgfm de torque, trabalha em conjunto com uma transmissão automática sequencial de oito marchas. O novo câmbio AT8 de última geração é o mesmo que equipa a Colorado norte-americana, porém, com calibração customizada para o uso que o brasileiro faz deste tipo de picape.

Pode se dizer que agora a S10 está páreo para a briga. 

 

 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).