Cidades

Cidades

Cerca de 500 pessoas tiram sustento do lixo

Cerca de 500 pessoas tiram sustento do lixo

Redação

22/02/2010 - 03h53
Continue lendo...

O que faz com que o lixão de Campo Grande esteja apinhado de pessoas em busca de materiais recicláveis e toda sorte de produtos que podem ser encontrados? Considerado por muitos um local de miséria, na verdade, o lixão gera renda bem acima da média para famílias que ali não têm rotina, não têm patrão e se organizam conforme os interesses de cada um dos catadores. São pessoas com histórias e sonhos diferentes, que encontraram no lixo o sustento familiar. Os dados da Prefeitura de Campo Grande apontam que são cerca de 300, mas os números reais, apesar de imprecisos, mostram quase o dobro. “Não temos como contar o real número, aqui não temos essa organização, e cada um vem o dia e a hora que quiser. Sabemos que são mais de 500 pessoas que vivem diretamente do lixo”, explica Rodinei Maciel, que trabalha no lixão há 15 anos. Para eles, falta união dos catadores. “A desorganização dos catadores é o nosso problema”. Todos querem algo mais organizado, mas ninguém quer tomar a frente. Nos depoimentos, é possível perceber a indignação de algumas pessoas com a situação de ter de depender do lixo para viver. “Aqui é o depósito dos excluídos. Tem muita gente que está aqui porque dá dinheiro, mas outros porque não tiveram escolha mesmo”, relata uma catadora. “Todo mundo aqui tem nome, mas nem todos querem ou podem falar, nunca sabemos qual a real intenção de vocês”, completa uma das pessoas, que não quiseram conceder entrevista. Aparecer na imprensa é ao mesmo tempo medo e vontade. “Temos vontade de contar que não somos o que pensam, não ganhamos uma miséria nem somos também lixo. Mas temos medo por saber que represálias podem acontecer e muitos aqui, se ficarem sem isso, não têm mais nada na vida”, conta uma das trabalhadoras. (LBC)

Capital

Após bebedeira com amigos, jovem é atingido por tiro enquanto dormia em veículo

Em depoimento, o jovem relatou que os amigos estavam alcoolizados e ele decidiu dormir no veículo, momento em que foi atingido por tiros.

14/07/2024 18h30

Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário/ Depac Cepol

Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário/ Depac Cepol Divulgação/

Continue Lendo...

Um jovem de 20 anos foi socorrido para o hospital na manhã deste domingo (14), após ser atingido por um tiro enquanto dormia dentro de um veículo na região do Bairro Centro-Oeste, na zona sul de Campo Grande.

Conforme o registro da ocorrência, a vítima relatou aos militares que estava bebendo com amigos, decidiu entrar no veículo para ir embora e acabou dormindo.

Ainda durante o interrogatório, o jovem disse que os amigos com quem estavam, estariam alcoolizados. 

Neste momento, dois homens teriam passado na rua e efetuado disparos de arma de fogo e depois fugiram do local. Os tiros acertaram a região lombar da vítima.   

As equipes da Polícia Civil e investigadores da Delegacia de Homicídios estiveram no local. O carro onde a vítima estava passou pela perícia e também foi encaminhado a delegacia. 

De acordo com o depoimento do jovem, ele disse aos policiais que não teria interesse nas investigações. 

Mesmo com a vítima não querendo que o caso seja investigado, o caso foi registrado na  Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitária) do Cepol (Centro Especializado de Polícia Integrada) como homicídio na forma tentada.

Casos de homicídios em Campo Grande 

Conforme informações da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), foram 61 casos de homicídios em Campo Grande. Em Mato Grosso do Sul, foram 180 registros nesses primeiros sete meses. 
 

 

Assine o Correio do Estado

CLIMA

Sul do estado ainda terá baixas temperaturas durante a semana

Ponta Porã pode registrar mínima de 7º graus nesta segunda-feira (15)

14/07/2024 18h30

Temperatura só deve subir na próxima quarta-feira (17)

Temperatura só deve subir na próxima quarta-feira (17) Arquivo Correio do Estado

Continue Lendo...

O cenário de frio e baixas temperaturas deve permanecer em algumas cidades de Mato Grosso do Sul nesta semana, conforme informações divulgadas pelo Inmet (Instituto Nacional de Meterologia). Na fronteira com o Paraguai, a cidade de Ponta Porã pode registrar mínima de 7ºC.

Em Dourados, também no sul do Estado, está prevista temperatura mínima de 8ºC nesta segunda-feira (15). Os termômetros em Mato Grosso do Sul apresentaram queda nos últimos dias, devido a uma massa de ar polar que foi trazida pela passagem de uma frente fria.

O frio também não poupou outros municípios do estado neste fim de semana. Em Amambai, os moradores enfrentaram 8°C, enquanto em Laguna Carapã, a mínima foi de 9,8°C. Outras cidades como Sete Quedas também seguiu essa tendência, registrando 6,3°C.

Em Naviraí, Nova Andradina e Ivinhema a semana deve continuar registrando baixas temperaturas. Ambas as cidades terão mínima de 10ºC e a máxima não passa dos 22ºC. 

Na Capital 

De acordo com o portal Clima Tempo, a previsão do tempo para Campo Grande indica baixas temperaturas nos próximos dias. A mínima nesta segunda-feira (15), será de 10ºC pela manhã e ao longo do dia, 22ºC. 

A previsão aponta Sol com algumas nuvens e com pouca probabilidade de chuva. O Sol deve aparecer durante o dia, sem nuvens no céu e com aumento de nebulosidade à noite.

Neste domingo (14), a Capital de Mato Grosso do Sul registrou mínima de 9ºC, com sensação térmica de 5ºC. Conforme o Inmet, o tempo só deve manifestar temperaturas mais altas a partir de quarta-feira (17).  


Assine o Correio do Estado 

 

 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).