Clique aqui e veja as últimas notícias!

LUTO

Jornalista Guilherme Filho morre vítima da Covid-19 na noite de quarta-feira

Ele estava internado desde o dia 8 de dezembro no hospital El Kadri
31/12/2020 09:32 - Beatriz Magalhães, Gabrielle Tavares


Internado desde o dia 8 deste mês, lutando contra a Covid-19, faleceu aos 64 anos de idade, na noite de ontem (30), o jornalista Guilherme Villalba Zurutuza Filho.

Guilherme estava internado no hospital El Kadri, onde completou mais um ano de vida no dia 23 de dezembro.

O jornalista foi intubado em 15 de dezembro e chegou a apresentar melhoras, mas nesta quarta-feira apresentou agravo do estado de saúde.

Últimas notícias

Além disso, ele havia apresentado quadro de anemia, o que mobilizou familiares e amigos em uma campanha de doação de sangue no Hemosul.

Filho de Guilherme Villalba Zurutuza e Adélia Nantes Zurutuza, deixou quatro filhos, Gabriela Carvalho Zurutuza, José Dias C. Zurutuza, Anahi Rocha Zurutuza e Andréia A.C. Leite.

A família informa que a despedida seguirá os protocolos de segurança impostos pela situação de pandemia e se solidariza com todas as outras que perderam seus amores para a doença.

“Nosso passarinho voou, foi assoviando em direção ao céu. Acometido pela Covid-19, ele lutou como um verdadeiro guerreiro, nas palavras dos médicos que comunicaram no findar da noite o falecimento. Um homem nobre, sem igual. Filho, pai, avô, marido, amigo, jornalista. Cumpriu todas as missões que lhe foram dadas neste plano. Agora, olha por nós lá do alto. Vai viver o novo ano e a eternidade cercado de anjos e ao lado de Deus”, publicou em suas redes sociais, a filha e também jornalista Anahi.

 
 

Jornalista

Guilherme Filho, como assinava, iniciou cedo sua carreira no jornalismo, aos 17 anos. Quatro anos depois, aos 21, já era editor em um dos principais jornais da época, o Diário da Serra, atualmente extinto.

O jornalista Adilson Trindade, que foi companheiro de redação de Guilherme ao longo dos anos, disse que ele “se foi, mas a sua história permanecerá viva!”

Eles se conheceram ainda em 1979, no Diário da Serra. De acordo com Trindade, ele era habilidoso na datilografia e conseguia fechar suas páginas em cerca de 2 horas.

“Guilherme fazia de tudo: era repórter, editor e diagramador. E em 1982, fui o seu primeiro repórter. Era ano da primeira eleição direta para governador de Mato Grosso do Sul depois da divisão do Estado de Mato Grosso. Ali começamos construir uma amizade forte. Guilherme, com a sua paciência, me ensinou sobre os bastidores da política”.

Em 1986, Guilherme assume o jornal O Panorama de Dourados e em fevereiro de 1992, começou a trabalhar no Correio do Estado, onde ficou até julho de 1996.

Já em 1995, os dois amigos se encontraram na redação do jornal, mas Guilherme logo saiu para comandar a equipe de comunicação da prefeitura, na gestão do André Puccinelli.

Ele também comandou o setor de comunicação do governo de Mato Grosso do Sul nas gestões dos ex-governadores Puccinelli e Wilson Martins.

“Mas voltamos a nos reencontrar na CBN este ano, 2020. Agora, novamente, como integrante da sua equipe. Guilherme sempre foi um grande incentivador dos jornalistas a aprimorar o seu trabalho. Era um apaixonado pelo jornalismo. Ele fará falta com a sua inteligência e capacidade de fazer leitura dos fatos. Perdi meu velho amigo, meu padrinho de casamento e meu incentivador”, lamentou Trindade.

O editor-chefe e apresentador do programa CBN Campo Grande, Ginez Cesar também prestou sua homenagem e disse que “Guilherme era um Mestre do Jornalismo”.

“Ensinou, com muita humildade, lições para os mais novos. Quanto ao ser humano Guilherme, poucos eram tão evoluídos quanto ele no trato e gentileza com as pessoas”, assegurou.

A equipe do Correio do Estado lamenta a morte do jornalista e solidariza com familiares a amigos.

Assine o Correio do Estado