Cidades

PANDEMIA

Mato Grosso do Sul recebe mais 10,2 mil doses de vacina contra Covid-19

Carga será guardada na Secretaria de Saúde à espera de um quantitativo maior para distribuição

Continue lendo...

Mato Grosso do Sul recebeu na noite desta segunda-feira (25) mais um lote com 10,2 mil doses da vacina Coronavac, contra a Covid-19. A carga estava prevista para chegar apenas no meio da semana, mas foi antecipada.

Como o quantitativo é pequeno para o Estado, o secretário Estadual de Saúde informou que essas doses serão armazenadas na Secretaria de Estado de Saúde (SES) no aguardo de novas remessas serem feitas.

“É um quantitativo muito pequeno, então não compensa nós mobilizarmos um aparato tão grande para vacinar 5 mil pessoas. Vamos deixar guardado enquanto os municípios vacinam com as doses que já foram entregues”, disse Resende.

O secretário afirmou que ainda não há previsão para outras remessas serem entregues do imunizante, mas que espera novidades nos próximos dias por parte do governo federal, que é o responsável pela distribuição das vacinas.

Este é o terceiro lote de vacinas a chegar em Mato Grosso do Sul. O primeiro chegou no dia 18 de janeiro, também de doses da Coronavac, e o segundo pousou no aeroporto de Campo Grande no último domingo.

Apesar de as aplicações já terem começado há uma semana, o secretário lembra que apenas cerca de 20% dos imunizantes foi utilizado.

Quando o Estado receber a quarta remessa, Resende avalia que aí sim será possível iniciar a vacinação no grupo de idosos, mas ainda não há definição sobre acima de qual idade será priorizado, se acima de 85 anos ou 90 anos.

Atualmente a vacinação é feita apenas em profissionais da saúde que atuam na linha de frente para o combate da pandemia, em idosos institucionalizados (em asilos ou internados) e na população indígena moradora de aldeias.

BOLETIM

Dados do boletim epidemiológico desta segunda-feira no Estado trouxe 7 mortes e 252 casos novos da doença. 

O secretário alertou que esse número baixo pode ser reflexo do fim de semana, quando as equipes de saúde que trabalham na alimentação desses dados estão reduzidas.

Este mês já soma 441 mortes em decorrência do novo coronavírus, segundo dados atualizados da SES. 

Desde o início da pandemia no Estado, em março do ano passado, 2.819 sul-mato-grossenses morreram vítimas da Covid-19, e, até o momento, 156.711 foram infectadas. 

ISOLAMENTO

Atualmente, o Mato Grosso do Sul tem 10.192 pessoas em isolamento domiciliar. Ainda se tratando de casos ativos - aqueles com o vírus ativo no organismo - as internações somam 514 pacientes.

Desse quantitativo, 263 ocupam leitos clínicos (172 públicos e 91 privados) e 251 leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) (183 públicos e 68 privados). Ao todo, 143.186 pacientes já se recuperaram da doença. 

Cidades

INSS revela exposição de dados de milhões de beneficiários por falha de segurança

Acesso não controlado a sistemas permite vazamento de informações cadastrais cruciais, impactando a segurança previdenciária.

24/06/2024 21h00

INSS revela exposição de dados de milhões de beneficiários por falha de segurança

INSS revela exposição de dados de milhões de beneficiários por falha de segurança Divulgação: Agência Brasil

Continue Lendo...

Cerca de 40 milhões de aposentados e pensionistas tiveram seus dados cadastrais expostos devido a acessos sem controle, conforme comunicado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O problema perdurou por décadas devido aos logins de servidores públicos de órgãos externos ao INSS que se aposentaram, foram exonerados ou deixaram seus cargos voluntariamente.

O INSS esclareceu que esse incidente não acarretou danos financeiros aos cofres públicos, pois o Sistema Único de Informações de Benefícios (Suibe) não é utilizado para a liberação de benefícios, apenas para armazenar dados como nome, CPF, tipo de benefício (aposentadoria, pensão, etc.), data de concessão e valor recebido pelos beneficiários.

De acordo com o INSS, em administrações anteriores, senhas foram concedidas a outros órgãos federais para acessar o sistema, incluindo a Controladoria-Geral da União e a Advocacia-Geral da União. Contudo, não havia um monitoramento adequado dessas senhas, que eram utilizadas apenas com login e senha, sem medidas adicionais de segurança como autenticação de duplo fator ou criptografia.

Após a saída dos servidores dos órgãos externos de suas funções, os logins e senhas permaneciam ativos, podendo ser potencialmente explorados por hackers ou criminosos. Uma das preocupações era a possível venda dos dados a instituições financeiras para concessão de crédito consignado aos beneficiários, além do risco de uso fraudulento das informações para obter créditos em nome dos segurados do INSS.

Em resposta ao incidente, o INSS suspendeu imediatamente as senhas externas e implementou novos protocolos que exigem certificado digital e criptografia para acessos de outros órgãos federais. Essas medidas visam evitar futuras vulnerabilidades, garantindo que apenas os usuários autorizados tenham acesso aos dados sensíveis dos beneficiários.

O INSS está atualmente avaliando o impacto da exposição dos dados e investigando a extensão de possíveis vazamentos. Após a conclusão das análises, o caso será encaminhado às autoridades competentes, possivelmente à Polícia Federal.

Além disso, o INSS destacou que o Suibe, sistema central para a concessão de benefícios, teve seu fluxo de acesso modificado conforme as novas diretrizes de segurança tecnológica, que estão sendo atualizadas ao longo de 2024. A implementação de camadas adicionais de segurança já está em vigor nos sistemas responsáveis pela concessão de benefícios.

Como parte das medidas de segurança, o INSS temporariamente desligou o Suibe no início de maio, o que afetou a produção de estatísticas como o Boletim Estatístico da Previdência Social (Beps), que é elaborado com base nos dados do Suibe. A última edição do relatório foi publicada em fevereiro deste ano.

Obras em 13 cidades

Governo federal suspende licitação das novas Casas da Mulher Brasileira; lista inclui Dourados

Controladoria-Geral da União entendeu que edital dava brecha para oportunistas e empresas com informações privilegiadas; Ministério da Justiça vai rever edital

24/06/2024 18h53

Primeira Casa da Mulher Brasileira do País fica em Campo Grande

Primeira Casa da Mulher Brasileira do País fica em Campo Grande Gerson Oliveira

Continue Lendo...

O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) suspendeu o edital para a contratação de empreiteira para construir 13 novas unidades da Casa da Mulher Brasileira pelo país, incluindo uma em Dourados (MS), para atender às recomendações da Controladoria-Geral da União (CGU) e evitar possíveis irregularidades.

A União pretende licitar 13 unidades da Casa da Mulher Brasileira nas cidades de Dourados (MS), Maceió (AL), Belém (PA), Maringá (PR), Porto Velho (RO), Serra (ES), Natal (RN), Cuiabá (MT), Rio de Janeiro (RJ), Florianópolis (SC), João Pessoa (PB), Recife (PE) e Porto Alegre (RS).

A previsão no edital suspenso para alterações era de que, juntas, todas as novas Casas da Mulher Brasileira custassem R$ 249,7 milhões. A unidade de Dourados ficou com um preço intermediário: R$ 19,1 milhões.

Porta para oportunistas

O principal apontamento feito pela CGU foi no critério de julgamento adotado: maior desconto linear para subitens. Segundo a controladoria, tal critério permite o jogo de planilha, “visto que esse desconto poderá ser diferente para os itens de cada um dos 13 grupos em licitação, com a atribuição de preços significativamente menores a itens que, futuramente, possam vir a não ser executados”.

Conforme a CGU, o mais adequado seria que o desconto fosse único e linear em todos os itens da obra. Tal deficiência, pondera a controladoria, não é um impeditivo ao prosseguimento do certame, pois há outros mecanismos legais para coibir eventuais comportamentos oportunistas dos licitantes e dos contratados.

Em vez de descontos nos subitens, a CGU recomendou que o desconto fosse oferecido de forma linear.

O próprio Ministério da Justiça, em resposta, reconheceu que, da forma como estava, poderia beneficiar um licitante detentor de informação privilegiada.

O conhecimento sobre o tipo de fundação a ser aplicado na construção (o projeto da Casa da Mulher é padrão, igual para todas as unidades) poderia ser um diferencial em favor do licitante, por exemplo.

Custo de manutenção

A CGU ainda considerou o custo com a manutenção local do canteiro de obras muito elevado para algumas praças: Maringá, Serra, Rio de Janeiro, Florianópolis e Porto Alegre. Também questionou a indefinição dos terrenos das obras em Belém, Maringá, Porto Velho, Serra, Natal e Florianópolis.

A Casa da Mulher Brasileira

Segundo o governo federal, a Casa da Mulher Brasileira é uma inovação no atendimento humanizado às mulheres.  Integra no mesmo espaço serviços especializados para os mais diversos tipos de violência contra as mulheres: acolhimento e triagem; apoio psicossocial; delegacia; Juizado; Ministério Público, Defensoria Pública; promoção de autonomia econômica; cuidado das crianças – brinquedoteca; alojamento de passagem e central de transportes.

A Casa, um dos eixos do programa Mulher, Viver sem Violência, coordenado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República,  facilita o acesso aos serviços especializados para garantir condições de enfrentamento da violência, o empoderamento da mulher e sua autonomia econômica. É um passo definitivo do Estado para o reconhecimento do direito de as mulheres viverem sem violência.

Campo Grande (MS) foi a primeira capital brasileira a receber este empreendimento. Depois foram construídas unidades nas cidades Curitiba (PR), Fortaleza (CE), São Paulo (SP), Boa Vista (RR), São Luís (MA) e Salvador (BA). 

 

Assine o Correio do Estado
 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).