Clique aqui e veja as últimas notícias!

QUEIMADAS

Queimadas: equipes enfrentam calor e áreas de difícil acesso no Pantanal

Bombeiros e brigadistas lutam contra o fogo e encontram cenário desolador no Estado
12/10/2020 10:25 - Naiane Mesquita


“É meio desolador, queimou boa parte do nosso Pantanal”, afirma Jonatas Lira Costa e Silva de Lucena, 2º tenente do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul. Atuando há dois anos em Corumbá, cidade localizada a 428km de Campo Grande, ele enfrentou diversos incêndios desde o início do ano no Pantanal sul-mato-grossense e viu a situação piorar nos últimos meses com a seca prolongada. “As ocorrências de incêndio começaram em janeiro, depois tiveram três meses de chuva e o restante do ano foi uma ocorrência atrás da outra. Eu estava até sexta-feira passada na região do Amolar. Fiquei dez dias por lá”, explica.

A região que compreende a Serra do Amolar é uma das mais importantes em termos de conservação do Pantanal, um verdadeiro corredor da biodiversidade, essencial para a manutenção de diversas espécies. O local tem montanhas, áreas alagáveis e, por isso, muitas vezes pode ser de difícil acesso para as equipes que tentam conter o fogo. “A dificuldade maior desse período em campo é o clima e o relevo da vegetação da região. Como está muito quente por aqui, quando a gente estava lá [em campo] fazia 42ºC e 43ºC quase diariamente. Ainda tinham os longos deslocamentos, cerca de 10 km, aproximadamente, para acessar os pontos do incêndio. Era muito desgastante o trabalho durante os dias e, pelas longas distâncias, tínhamos bastante dificuldade também com acesso a água, hidratação e outras pendências logísticas”, pontua.

Segundo o bombeiro, a água era muitas vezes consumida durante o trajeto. “Quando as operações eram durante o dia, só o deslocamento que a gente fazia já consumia toda a água que a gente levava. De tempos em tempos, uma equipe acabava levando refeições e água para a gente. Nessa missão, o principal foi isso; a desidratação e a ausência de oferta de água constante foi o fator mais desgastante”, acredita.

Nesse caminho, apesar dos esforços dos bombeiros, nem sempre foi possível controlar o fogo. “Nós fizemos um trabalho certinho para impedir que o fogo avançasse a serra e surgiu o fogo em outra região, que acabou pegando onde a gente tinha impedido”, frisa. De todas as perdas, para o tenente Lucena a principal foi a flora. “É o mais impactante para a gente, ver as grandes áreas queimadas. Como eu estou aqui o ano inteiro trabalhando nessa missão, a gente vê o tanto que queimou”, conta.