Cidades

cuidados com a saúde

A+ A-

Subnotificação pode esconder nova onda de doenças respiratórias em MS

Infectologistas alertam que casos graves são mais comuns em população vulnerável e pessoas não vacinadas

Continue lendo...

Dados do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) da Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande (Sesau) apontam que, nas primeiras semanas deste ano, 259 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) foram registrados na Capital.

Já o boletim epidemiológico de influenza e doenças respiratórias da Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que foram 475 casos notificados de SRAG hospitalizados este ano em MS. O número é menor que o registrado no mesmo período do ano passado, no entanto, infectologistas apontam que é necessário manter o cuidado. 

“Temos uma diversidade de vírus circulantes, como no ano passado tivemos uma predominância em crianças a partir de março e de Covid-19 em outros períodos. Dessa forma, acho temeroso pensarmos em baixo número de casos e não tomarmos as medidas necessárias para prevenção”, explica a médica infectologista Mariana Croda. 

Nas primeiras semanas de 2023, segundo o Cievs de Campo Grande, foram 445 casos de SRAG, quase o dobro do número registrado nas primeiras semanas de 2024. O número de casos de síndromes gripais, que este são 8.014 até o momento, também é inferior ao notificado no mesmo período do ano passado, 16.751. 

O médico infectologista Julio Croda aponta que, apesar da redução importante neste ano em comparação a 2023, o número ainda é bastante elevado e muitas pessoas são hospitalizadas, principalmente as de grupos considerados vulneráveis e as que não têm o esquema vacinal atualizado. 

Um dos fatores que podem explicar os números baixos é a subnotificação. Os infectologistas informam que, atualmente, há baixa procura de testagem para síndromes gripais, escassez de testes rápidos nas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) e aumento do autoteste, que podem levar a casos não notificados. 

“Por isso que não podemos comparar os dados atuais com os dados do período pandêmico, quando a procura pelo diagnóstico era muito maior”, relata Mariana. 

Já Julio Croda acrescenta que a subnotificação está ligada principalmente a casos de síndromes gripais, pois a SRAG tem notificação compulsória, ou seja, todos os pacientes com casos graves têm de ser testados e notificados. 

A infectologista aponta ainda que, nos últimos anos, as infecções respiratórias perderam a sazonalidade clássica, de ter aumento de casos nos períodos frios do ano e redução nos meses quentes, podendo ocorrer em qualquer período, como poderá ser notado nas próximas semanas. 

O último boletim InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), coloca MS entre os estados com probabilidade de crescimento de mais de 75% de casos de SRAG. Um dos fatores para esse possível aumento é a época de festividades. 

“Geralmente, no pós-Natal e no pós-Carnaval temos um aumento de casos, associado à maior atividade de aglomeração e viagens. Nós observamos isso nos outros anos”, comenta Julio Croda. 

CASOS 

Os médicos infectologistas pontuam que os casos graves ocorrem principalmente em idosos, crianças pequenas e pessoas imunossuprimidas e com doenças crônicas, que devem ter uma atenção redobrada para o risco de infecção e complicação. 

“Para isso, existem várias medidas, mas a principal delas é a vacinação contra vírus e bactérias que causam pneumonias. Após instalada a síndrome gripal, há ainda medicamentos antivirais contra influenza e Covid-19, que podem minimizar a chance de complicação nessas populações”, informa Mariana. 

Foi o caso de Nelson Fonseca da Silva Feitosa, de 58 anos, que viu seu quadro de gripe evoluir para uma pneumonia. No fim de janeiro, o jornalista relata teve sintomas de Covid-19, mas o teste em farmácia deu negativo para a doença. 

Sendo assim, ele se medicou contra a gripe e os sintomas da doença desapareceram após alguns dias, mas o cansaço foi aumentando a ponto de o jornalista acordar com dificuldades para respirar. Foi quando Nelson procurou um hospital e teve o diagnóstico de início de pneumonia. 

Atualmente, ele está fazendo o tratamento em casa, com orientação médica. O jornalista diz que está com as vacinas em dia e que seu quadro está evoluindo bem.

“É muito angustiante porque, mesmo tomando diversos remédios e fazendo inalação, a recuperação é muito lenta. Sinto muita tontura e uma tristeza emocional muito grande”, aponta. Após ficar doente, a esposa, de 51 anos, e o neto, de 7 anos, também ficaram e apresentaram os mesmos sintomas. 

Já Nelson Júnior, de 43 anos, teve Covid-19 este ano, mas, por ter tomado as quatro doses da vacina, está se recuperando com o uso de medicação.

O supervisor de logística relata que, três dias após o início dos sintomas, foi ao posto de saúde, acreditando ser dengue, mas o teste para a doença deu negativo. 

Foi então que ele fez o teste de farmácia, que deu positivo para a Covid-19.

Assustou!

Formação de nuvem funil deixa campo-grandenses apreensivos

O fenômeno não é normal, mas acontece em formação de tempestades e caso toque no solo, pode se tornar um tornado.

12/04/2024 18h22

Reprodução/

Continue Lendo...

A formação de uma nuvem de funil no início da tarde de hoje (12), na região sul de Campo Grande, deixou os moradores apreensivos, após registrarem o momento da formação de um cone entre as nuvens

A nuvem funil é criada com a rotatividade do vento, criando nuvens em formato de funil, que se estende desde a base da nuvem, porém ela não atinge a superfície. 

Conforme informações de meteorologistas, a nuvem funil é o primeiro estágio de desenvolvimento de um tornado, e ela é associada a nuvens de tempestades. 

A formação dela ocorre quando há presença de vórtices no interior de uma nuvem. O mesociclone ou vórtice é responsável pela rotação da coluna de ar dentro da nuvem. 

Quando ocorre este movimento se origina o encontro de fortes correntes de ar em direções opostas, formando o funil. Dependendo da intensidade dos ventos, ela pode tonar no solo, o que acarreta um tornado.  


Nuvem funil assusta moradores durante formação de temporal em Sidrolândia 

No início deste ano, em Sidrolândia, a formação de uma nuvem funil, deixou trabalhadores de um frigorífico de Sidrolândia, a 71 quilômetros de Campo Grande, apreensivos. No momento da formação dessas nuvens, o tempo estava fechado com possibilidade de chuva na região.      

Segundo depoimento de trabalhadores que se depararam com a nuvem, relataram que não ventava no momento da formação desse funil. 

Buscando entender o porquê deste fenômeno em Mato Grosso do Sul, o meteorologista do Cemtec, Vinicius Sperling, disse que o funil não é algo raro, mas pode ocorrer em outras ocasiões.

“Esse funil  não é algo normal, mas também não é raro, até porque já tivemos casos parecidos no ano passado. O que ocorreu é que essa nuvem funil que geralmente é uma nuvem mais intensa foi criada por causa de um choque entre um ar mais quente com um ar mais instável e acabou criando uma vórtice da base, que sai de uma ponta da nuvem girando em direção ao solo. Resumindo, esse fenômeno é parecido com um tornado, por ocorrer mais próximo à superfície”, explicou.  

Apesar de ser um fenômeno parecido com um tornado, o meteorologista da Cemtec explica que não é preciso se apavorar, mas buscar proteção, em caso de formação de nuvens mais pesadas para chuvas.  

Escreva a legenda aqui

Assine o Correio do Estado. 

Política

Lula adere a rede rival de Musk após movimento da esquerda contra X

Bluesky recebeu autoridades brasileiras nos últimos dias em protesto a Elon Musk

12/04/2024 18h00

(Imagem: AliSpective/Shutterstock)

Continue Lendo...

O presidente Lula (PT) aderiu nesta sexta-feira (12) a Bluesky ("céu azul", em inglês), rede social rival do X de Elon Musk.
A plataforma, que inicialmente proibia a entrada de chefes de Estado, anunciou a mudança de posição também nesta sexta.

Lula fez a sua primeira publicação na rede pela manhã, sobre evento em Campo Grande (MS) de habilitação de frigoríficos para exportação de carne para China. O perfil tem a mesma descrição e foto que no X.

A criação do perfil oficial do presidente ocorre após movimento de integrantes da esquerda brasileira contra o X, antigo Twitter.

O empresário embarcou na onda de bolsonaristas e trava uma disputa com o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), a quem tem chamado de ditador. Moraes, por sua vez, determinou a investigação de Musk, que ameaçou liberar contas bloqueadas na Justiça por fake news.

Anunciada pela primeira vez em 2019, a Bluesky chegou no Brasil no ano passado. A rede, criada por Jack Dorsey, fundador do Twitter, surgiu como um projeto interno à plataforma de microblogs, mas ganhou vida própria quando Dorsey deixou a presidência da rede no final de 2021.

Mas foi nesta semana que a plataforma começou a receber adesão em peso de autoridades, num movimento de retaliação a Musk.

Políticos como o líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, já criaram seus perfis na rede.

"Prestação de serviço não pode transformar-se em imposição de vontade. Quem opera no Brasil tem de respeitar as regras, a democracia e a Constituição. Ameaças não tiram nossa liberdade, nem podem penalizar seguidores por suas posições", disse.

Ministros da Esplanada, Jorge Messias (AGU) e Paulo Pimenta (Secom), também aderiram à Bluesky.

O chefe da Secom fez críticas a Musk, sem citá-lo nominalmente. "Não vamos permitir que ninguém, independente do dinheiro e do poder que tenha afronte nossa pátria. Não vamos transigir diante de ameaças e não vamos tolerar impunemente nenhum ato que atente contra nossa democracia", disse.

Pimenta disse ainda que o Brasil não será "tutelado" pelas plataformas de redes sociais.
Já Messias publicou uma foto da constituição e reiterou apoio ao STF e aos seus ministros. "Todos os que amam a democracia precisam se unir para defendê-la das ameaças que buscam garrotear a liberdade, nas palavras de Ulysses Guimãres", afirmou.

As atitudes de Musk de atacar Moraes e desobedecer ordens judiciais levaram autoridades a sair em defesa do ministro e do STF nos últimos dias. O magistrado, por sua vez, afirmou que "liberdade de expressão não é liberdade de agressão".

O presidente Lula já fez críticas a Elon Musk nos últimos dias, mas sem citá-lo nominalmente. Ele disse que o empresário nunca produziu "um pé de capim no Brasil" e defendeu o STF.

"Temos uma coisa muito séria nesse país e no mundo que é se a gente quer viver em um regime democrático ou não. Se a gente vai permitir que o mundo viva a xenofobia do extremismo. Que é o que está acontecendo", disse, na última quarta-feira (10).


 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).