Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

VAGAS

Comércio estima contratar sete mil funcionários temporários neste ano

Levantamento aponta que 24% dos empresários pretendem aumentar o número de colaboradores
09/10/2020 09:00 - Súzan Benites


O comércio de Mato Grosso do Sul começa a vislumbrar um novo momento. Com a retomada do consumo e o crescimento da confiança do empresário, o setor projeta a contratação de sete mil colaboradores nos próximos meses. 

De acordo com o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio (IPF-MS), 24% dos empresários pretendem contratar até o fim do ano.  

A economista do IPF-MS, Daniela Dias, explica que as projeções para o mercado de trabalho são otimistas, mesmo diante dos reflexos da pandemia. 

“Se fizermos uma estimativa, considerando os fechamentos de empresas, e considerando que os empresários vão contratar pelo menos uma pessoa, teremos algo em torno de sete mil pessoas”, disse a economista, ressaltando que as contratações não serão todas temporárias.  

Daniela ainda destaca que o número pode ser maior ou menor, dependendo de muitas variáveis. 

“Pode ser que esse número se concretize ou não, porque é uma expectativa que leva em consideração o cenário econômico, político e a reação da saúde. Esses 24% [que pretendem ter novos colaboradores] foram os próprios empresários que disseram". 

"Nós precisamos evidenciar que se trata de um cenário bastante volátil; ao mesmo tempo que os empresários estão dizendo que podem contratar, essa expectativa sofre facilmente interferência de outras variáveis. Mas já é uma perspectiva bem positiva, visto que a pandemia surpreendeu a todos negativamente”, conclui Daniela.

Empresários confirmam tendência

Pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aponta que a expectativa com a economia é positiva para 73,8% dos empresários da Capital, e especificamente para o comércio, esse porcentual foi de 72,2% dos entrevistados.  

O empresário do setor de joias e acessórios Djalma Santos tem três lojas em Campo Grande e está otimista com as vendas nos próximos meses.

 “Estamos imensamente confiantes que teremos um final de ano com resultados satisfatórios diante de toda essa situação atual. Iremos contratar mais no final de novembro, mas serão pelo menos 12 funcionários, quatro por loja”, disse.

No vestuário, a empresária Sueli Padovani também afirma que aumentará o número de funcionários em suas lojas. 

“Minhas expectativas são ótimas com as vendas dos próximos meses. Pretendo contratar pelo menos duas pessoas”, ressalta.

Otimismo para consumidores e empresários

O otimismo do consumidor foi aferido pela pesquisa. Segundo a CNC, a intenção de consumo das famílias de Campo Grande aumentou pela primeira vez depois da pandemia. 

No mês de setembro, o índice ficou em 83,7 pontos, avançando em relação a agosto (82 pontos).  

O índice é calculado levando em conta questões como a percepção do emprego e renda atuais, o nível atual de consumo e perspectiva de acesso ao crédito.

Outro dado positivo no mês passado foi o aumento da confiança do empresário. Depois de quatro meses de queda, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) volta a ficar positivo, ao registrar 100,8 pontos na Capital. 

Apesar de estar longe do índice positivo de abril (114,8), já demonstra um alento para a economia varejista.

“Ele é um indicador antecedente das vendas do comércio, a partir do ponto de vista dos empresários. Quando está acima de 100 pontos, significa que estamos na zona positiva, ou seja, estágio em que seria mais fácil transformar uma intenção em consumo efetivo”, ressalta Daniela. 

 
 

Felpuda


Candidato a vereador caiu em desgraça, pelo menos em um dos bairros de Campo Grande, ao promover comício em ginásio de esporte, com direito a ônibus lotados e espoucar de muitos fogos de artifício.

Aí dito-cujo foi alvo de muitas críticas, tanto pela zoeira causada, como por ter mandado às favas quaisquer cuidados na prevenção da Covid-19, ao promover grande aglomeração. Irresponsabilidade é pouco, hein?!