Colunistas

Giba Um

"Torço para que o Sérgio Moro não ser cassado e vejo que estou mais aflita do que ele"

Já sofri muito quando ele deixou o Ministério da Justiça (governo Bolsonaro)",  de DAMARES ALVES // senadora (Republicanos)

Continue lendo...

A Associação entre Galápagos Capital, do ex-BTG Carlos Fonseca e a R9, gestora de recursos de Ronaldo Fenômeno, movimenta o mercado da bola. A próxima jogada do ex-centroavante será a venda de uma participação no Cruzeiro para o Galácticos Capital.  

Mais:  a empresa criada a partir da tabelinha entre as duas casas de investimento. Ronaldo é dono de 90% da SAF do clube mineiro. Essa linha de passe daria fôlego ao Cruzeiro para abater parte de sua dívida, da ordem de R$ 1 bilhão e sair da recuperação judicial. 


Quebrando estereótipos

A atriz Paolla Oliveira, prestes a completar 42 anos, está pronta para encarar mais um desafio, ao viver uma empresária bissexual que terá um caso com sua contratada vivida por Nanda Costa, que é presa em seu lugar após um assassinato. Paolla diz que está preparada para as críticas.  Mais: ela que é considerada uma das mulheres mais desejadas, teve que ouvir comentários, as vezes pouco agradáveis sobre sua forma física, deixando de fazer algumas coisas porque não queria ficar exposta. “Cheguei a não sair, ficava incomodada com a exposição. Na praia achava que não estava boa o suficiente para botar um biquíni . Depois, que não estava pronta o suficiente para ouvir o que as pessoas iam falar. Deixei de fazer algumas coisas, mas valeu porque cada tijolinho me trouxe até aqui”. E completou: “Não é o amor sobre mim que eu descobri, porque eu me gostava. Era sobre as respostas que eu não tinha que dar, sobre as expectativas que eu não tinha que atender. Comigo estava tudo bem, na relação em si eu não mudei muito. Mas se eu tiver que falar uma coisa que eu mudei foi saber que eu sou uma mulher de opinião mesmo. Eu preciso ter coragem para me posicionar, até porque vivemos em uma sociedade – falando sobre mulheres – em que se eu não me posicionar, eu não vou existir. E eu quero existir. Eu existo, então eu vou me posicionar, vou apanhar. Mas estou muito mais disposta e disponível para isso”.

Informações “educativas”


O banqueiro André Esteves, presidente do Conselho de Administração do BTG, quer criar uma plataforma voltada à disseminação de informações educativas do mercado. Nada parecido com o MBA que o ex-ministro Paulo Guedes inventou nas redes. O modelo também nada teria a ver com o gabinete do ódio do clã Bolsonaro. André Esteves passaria longe de fake News. Poderia sensibilizar a atenção de servidores, chamar a atenção dos ativos, valorizar IPOs e também uma consultoria digital. A nova plataforma seria uma espécie mídia eletrônica, área que ele gosta muito, tanto que é dono da revista Exame, se bem que atualmente muito distante do que já foi. Do ponto de vista da CVM e do BC, o ideal seria que a plataforma, quando criada, estivesse adequada às regulamentações, para alguma situação que isso se mostrasse necessário.


Head Hunter

O polêmico e um tanto indigesto ministro da Casa Civil, Rui Costa, tem criado embaraços dentro do governo por invadir territórios alheios. Ele vem tentando influenciar na indicações de cargos para estatais e autarquias federais na Bahia, onde já foi governador. As investidas de Costa são transversais. Estão na sua mira postos no Banco do Brasil e na Caixa, vinculados ao Ministério da Fazenda, na Codevasf, ligada ao Ministério do Desenvolvimento Regional, e na Codeba (Companhia das Docas do Estado da Bahia), que pertence ao Ministério de Portos e Aeroportos.   


Rihanna diferente


A cantora, compositora, atriz, empresária, modelo, estilista, Rihanna está na capa da revista Interview que está causando muito reboliço, onde aparece vestida de freira nada convencional. Em entrevista ela contou ao editor Mel Ottenberg que tem planos para um novo trabalho ainda para este ano. E disse que agora tem  ideias ao contrário e explicou: “Tenho muitas ideias visuais. É estranho. Meu cérebro está funcionando ao contrário agora. Normalmente tenho a música primeiro, e a música me leva a todas essas oportunidades visuais, e agora estou tendo todos esses recursos visuais, e ainda não tenho as músicas para eles, mas talvez essa seja a chave, desta vez. Talvez as ideias visuais estejam me levando às músicas que preciso fazer. Ideias aleatórias, ideias peculiares, coisas que não têm nada a ver comigo”.


In –  Jogos para Android: RPG (Role-Playing Games)
Out – Jogos para Android: Simulação


Defesa da cannabis

O deputado estadual Eduardo Suplicy (PT-SP), defendeu a ampliação do uso da maconha medicinal no Brasil, numa entrevista a um site dedicado ao cannabis. Com 82 anos, falou da importância da aprovação do projeto de lei que tramita na Câmara para regulamentar o cultivo da cannabis para fins terapêuticos. Diagnosticado com Parkinson, Suplicy disse que, no ano passado, usava um óleo com derivados da maconha para tratamento da doença. Aplacava também insônia, ansiedade e depressão – e também tremores na mão. Sobre a droga em forma de cigarro, confessou que já fez uso na adolescência e na fase adulta. 

 


Outra reforma

O presidente Lula está planejando mais uma reforma ministerial e desta vez, nada de novos brindes ao pessoal do Centrão. O petista quer futuros ministros que saibam promover – e continuamente – realizações do governo à população que a Secom não tem conseguido fazer. E por isso, muito provavelmente, Paulo Pimenta seria deslocado para a Secretaria Geral (lá, Márcio Macedo não é admirado nem pelas (muitas) secretárias). Rui Falcão poderia assumir a Secom e Tereza Campello iria para o Desenvolvimento Social (já ocupou esse cargo), no lugar de Wellington Dias, que retornaria ao Senado. Arthur Lira não conseguiria nenhuma boquinha para seus protegidos. 


Pérola

“Torço para que o Sérgio Moro não ser cassado e vejo que estou mais aflita do que ele. Já sofri muito quando ele deixou o Ministério da Justiça (governo Bolsonaro)”, 
de DAMARES ALVES // senadora (Republicanos)

JÁ TEM FILA

Caso Aloizio Mercadante, presidente do BNDES, assuma mesmo a presidência da Petrobras, já tem fila de pretendentes a seu cargo no banco. Um é Nelson Barbosa, ex-ministro da Fazenda de Dilma Rousseff (não deixou saudades), hoje diretor de Planejamento do BNDES. Tereza Campello, ex-ministra do Desenvolvimento Social, também quer o cargo, tanto quanto Alexandre Abreu, ex-Banco do Brasil. E Luiz Navarro Brito, chefe da Controladoria-Geral da União em 2016 e também ex-governo Dilma, também sonha com a boquinha. 

De volta - 1

Os nomes certos, no lugar certo e na hora certa. É assim que a volta dos irmãos Joesley e Wesley Batista ao Conselho de Administração da JBS está sendo tratada pela companhia, colaboradores e pela própria diretoria. O retorno acontece depois de um ligeiro e raríssimo prejuízo na balança de 2023: R$ 1 bilhão. O que importa, contudo, é que está por vir. A presença da dupla dará impulso adicional a projetos estratégicos a começar pela listagem de ações na Bolsa de Nova York. A operação é vista como peça-chave para a capacidade da empresa de se financiar  em moeda estrangeira e novas aquisições.

DE VOLTA  - 2 

Ainda a JBS: é uma sequência de movimentos para fazer o valuation atingir novo patamar em relação à concorrência. O target seria repetir até 2030 o mesmo crescimento do valor de mercado dos últimos seis anos – desde abril de 2018. Traduzindo: o market cap da JBS saltaria dos atuais R$ 46 bilhões para mais de R$ 100 bilhões. Nesse intervalo de seis anos, a companhia ganhou denúncias, detenção dos sócios-controladores, gravação de conversa privada com um presidente da República e risco de suspensão de financiamentos públicos – e dobrou seu valor de mercado.


LGBT+ protesta

Meses depois de defender bênção a uniões homoafetivas, o Papa Francisco publica novo documento afirmando que a Igreja Católica acredita que operações de mudança de sexo, fluidez de gênero (pessoas não-binárias) e barriga de aluguel constituem afrontas à dignidade humana. Argumenta que o sexo com o qual a pessoa nasce “é um presente irrevogável de Deus” e as pessoas arriscam-se a ceder “à tentação milenar de se fazerem Deus”. O novo documento já causa grande descontentamento entre os defensores dos direitos LGBT+, “discriminação injusta” e “leva danos físicos reais a pessoas”. O Grupo Gay da Bahia, a mais antiga associação de defesa dos gays (fundada em 1980) em atividade, comanda uma reação nacional. 

VICIADO

Alexandre Corrêa, que ainda batalha pela separação oficial de Ana Hickmann, afirma, em nova entrevista, que já foi viciado em cocaína e álcool. Contra a dependência passou por duas internações. Em 2018, a situação piorou: “Tomava vodca pura. Copos e copos e decidi procurar ajuda”. Naquele ano, também enfrentou um câncer. Na segunda internação, fez um tratamento “difícil, mas incrível”. Em maio, ele completa seis anos de sobriedade. Detalhe: Alexandre diz que Ana Hickmann também tem “problemas com álcool”.


MISTURA FINA

PAULO Guedes faz escola: os ministros Fernando Haddad (Fazenda) e Simone Tebet (Planejamento) discutem a possibilidade de usar mais uma leva de recursos do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) para cobrir parte do déficit da Previdência Social. O expediente começou a ser utilizado por Guedes, no governo Bolsonaro, logo após a pandemia. E foi repetido por Lula em seu terceiro ano de mandato. Entre 2021 e 2023, os empréstimos do FAT somaram R$ 30 bilhões. 

NA esteira da possível transferência de Aloizio Mercadante para a Petrobras, Guido Mantega está cotado para assumir a presidência do Conselho de Administração do BNDES. É um pouco até que apareça coisa melhor. A ida para o banco de fomento seria também forma de tirar Mantega do rolo da Braskem (há intenções de Lula de colocá-lo no board da encalacrada  petroquímica). 

OS 81 senadores já empurraram ao pagador de impostos quase R$ 7 milhões em gastos em seus gabinetes nos primeiros três meses de 2024. O sergipano Laércio Oliveira (PP) teve a estrutura mais cara  de R$ 190 mil, fora salários. No total, R$ 87,6 mil somente em “locomoção, hospedagem, alimentação e combustíveis”. Não gastaram nada Eduardo Girão (Novo-CE) e Jorge Kajuru (PSB-GO). 

ESTIMATIVA do relator da Câmara do processo de prisão do deputado Chiquinho Brazão (RJ), Darci de Matos (PSD-SC), é de cerca 300 votos pela manutenção do cárcere do parlamentar suspeito de  ter sido um dos mandantes do assassinato de Marielle Franco. Para manter a prisão, são necessários, no mínimo, 257 votos no plenário. O relator diz que há temor entre colegas do precedente que a situação pode abrir: prisão em flagrante “que não é bem flagrante”.

O GOVERNADOR do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) criou um banco de dados que pretende concentrar todas as informações de pessoas que cometeram crimes contra as mulheres. A norma já está em vigor e inclui apenas casos considerados transitados em julgado. O banco de dados não incluirá nomes de outras unidades da Federação, como Luiz Claudio Lula da Silva, filho do presidente, acusado de espancar e ofender a ex-mulher, que o denunciou à polícia.

Assine o Correio do Estado

CLÁUDIO HUMBERTO

"Ainda bem que a Boeing teve um desastre"

Lula festejando a tragédia que matou 346 pessoas e fez a Boeing desistir da Embraer

22/05/2024 07h00

Continue Lendo...

Pesquisas sinalizaram a vaia dos prefeitos a Lula

O presidente Lula (PT) tem condicionado aparições públicas a eventos “controlados”, segundo o jargão de segurança de autoridades, onde não enfrente o risco de apupos. Mas a “25ª Marcha dos Prefeitos” ato em recinto fechado ao qual compareceu nesta terça em Brasília, mostrou que Lula já não está protegido de vaias e xingamentos nem mesmo nos  chamados “eventos controlados”. A situação pôde ser “lida” nas seguidas pesquisas nacionais, dos últimos meses, registrando crescente repulsa.

Até eles

As vaias causaram espanto porque prefeitos em geral vivem em Brasília de pires na mão, bajulando autoridades em busca de recursos.

Só gerou impostos

As pesquisas ainda não especificam as razões da reprovação de Lula, mas a taxação excessiva e a falta de entregas são fatores considerados. 

Plateias vazias

Eventos “flopados”, culminando com o 1º de Maio vazio de gente no Itaquerão, já indicavam que os brasileiros estão irritados com Lula.

Ladeira abaixo

Em geral portadora de boas notícias, o Quaest apontou um alerta definitivo: 55% dos brasileiros acham que Lula “não merece ser reeleito”.

Deputados inventam setores e mais cargos na CLDF

Deputados aproveitaram uma sexta-feira, dia de menor movimento na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), e publicaram no Diário Oficial da Casa a nova estrutura da Mesa Diretora, com novos departamentos e mais cargos de livre nomeação, claro. Além da já instituída vice-presidência, a edição do Diário Oficial de 10 de maio institui a inventiva “segunda vice-presidência” e a “quarta secretaria”.

Vice do vice

A segunda-vice-presidência substitui a vice-presidência em ausência. A primeira secretaria substitui a vice da vice e por aí vai...

Gente à beça

Para atender aos 24 deputados distritais, as excelências têm à disposição cerca de 2,4 mil funcionários. Comissionados beiram 1,6 mil.

Boquinhas

O exército de assessores não constrangeu a CLDF, que abriu vagas para os novos gabinetes. A maior parte destinada a cargos de livre nomeação.

Inacreditável

A palavra “inacreditável” bombou em Brasília, até entre jornalistas ativistas, após o ministro Dias Toffoli anular todos os atos da Lava Jato contra a Odebrechtt, empresa-símbolo da corrupção e cujos dirigentes confessaram haver subornado autoridades nos governos do PT.

Pasmo, espanto

Deputado federal cassado, condenado por corrupção no mensalão e no petrolão, ex-presidiário e agora descondenado, José Dirceu ganhou do STF o mesmo presente conferido a Lula: o retorno à cena política.

Made in RS

Em Brasília têm sido frequentes, nos supermercados, pessoas procurando identificar e priorizar produtos do Rio Grande do Sul, como arroz, para apoiar a recuperação da destroçada economia do Estado.

Socialista arrogante

Javier Milei não se dobrou ao premiê espanhol que chamou de volta sua embaixadora e exigiu desculpas após o argentino lembrar que a mulher de Pedro Sánchez foi acusada de corrupção e tráfico de influência no Tribunal de Madri. “Típico de um socialista arrogante", disparou Milei.

Inimigo imaginário

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, ora vejam, culpou a imprensa, sempre tão amiga, pelas manchetes sobre piora na expectativa do mercado financeiro. Os jornalões repercutiram dados do Boletim Focus.

Explica, ministro

O deputado Gustavo Gayer (PL-GO) quer explicação de Rui Costa (Casa Civil) sobre a decisão do governo Lula de importar arroz. Essa coisa meio suspeita fez o preço do arroz disparar mais de 30% no Mercosul.

Pode esquecer

A “cervejinha” prometida por Lula em campanha pode ficar mais pesada no bolso do brasileiro com a regulamentação da reforma tributária. Simulador do Banco Mundial prevê imposto de 46% para a bebida.

Separou em castas

Repercutiu entre deputados a decisão do Exército de restringir armas para policiais militares e bombeiros. Coronel Telhada (PP-SP) avalia que o governo Lula despreza os policiais e valoriza a bandidagem.

Pensando bem...

...os incêndios aumentaram 81%, com Ibama paralisado por cortes no orçamento, mas importante mesmo é perseguir “importunadores de baleia”.

PODER SEM PUDOR

Diga-me com quem não anda

Eleito senador, Tristão da Cunha (avô do ex-governador de Minas Gerais Aécio Neves) foi procurado pelo baiano Luiz Viana Filho para apoiar um candidato dele a um cargo na Mesa Diretora. Tristão concordou imediatamente, prometendo votar no indicado. Luiz Viana Filho se animou: “Vou apresentar um ao outro, para que você o conheça melhor.” Tristão descartou: “Não precisa, eu já conheço os inimigos dele...”

GIBA UM

"O judiciário acaba mais exposto se tiver que regular essas relações de inteligência artificial...

...pela falta de uma legislação. Sem leis, o Judiciário constrói regras do país por causa dessa omissão", de RODRIGO PACHECO // presidente do Senado.

22/05/2024 05h01

Giba Um

Giba Um Foto: Reprodução

Continue Lendo...

A recente determinação do STF, obrigando a Bayer a depositar em juízo valores cobrados ilegalmente pelo uso de duas patentes da soja intacta, está longe de encerrar um dos maiores contenciosos do agronegócio. Ao contrário: a decisão abriu uma nova frente de batalha entre a companhia e produtores rurais, representados pela AProsoja-MT.

Mais: no setor, há relatos de que a Bayer estaria usando de ziguezagues jurídicos para driblar a sentença do Supremo e protelar a restituição dos pagamentos indevidos. Uma das estratégias criada pela companhia é a divisão das causas em ação simultâneas para dificultar a execução das cobranças. Outra é questionar os valores exigidos.

Contato com a natureza

A übermodelo Gisele Bündchen que conseguiu arrecadar pouco mais de R$ 4,5 milhões para as vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul, seu Estado Natal ainda esconde alguns segredos que aos poucos vai revelando. Garota-propaganda mais uma vez da Colcci e agora o novo rosto da grife londrina Vaara, que tem  seu foco em roupas esportivas e confortáveis. Voltada para o bem-estar Gisele firmou uma parceria com a Gaia Herbs para ser sua primeira Embaixadora. “Aprendi sobre ervas com minha avó, que tomava chá para tudo. Ela não era fitoterapeuta, mas conhecia o poder das plantas e, quanto mais eu aprendia, era como se um mundo totalmente novo se abrisse para mim.” E completa: “Vivendo uma vida agitada, você deve priorizar o cuidado de si mesmo. Para construir uma base sólida é fundamental priorizar a saúde. O tempo é precioso e as práticas de bem-estar devem ser colocadas na sua agenda para que você possa estar presente para você, sua família, seu trabalho e tudo o que uma vida agitada traz. Gosto do ditado do avião que diz que primeiro você deve colocar oxigênio em si mesmo e depois ajudar os outros”. Para quem não sabe Gisele costuma praticar meditação as 5h00 e em todos os lugares busca um espaço de grama ou areia onde possa ficar de pé e se sentir conectada à terra. “Passe um minuto respirando fundo algumas vezes, isso mudaria o seu dia e mudaria a sua vida. Se continuarmos gastando nossa energia, não teremos mais”.

Tragédia do clima fora da inflação

O dinheiro da recuperação do Rio Grande do Sul nem chegou e já deixou de ser um problema fiscal, pelo menos de ordem contábil. Assim como os gastos extraordinários com a tragédia climática serão aparteados do cálculo da meta fiscal, outras flexibilizações similares povoam discussões no governo. Uma medida compreensível seria expurgar da inflação os efeitos da catástrofe. Trata-se de uma situação extraordinária e como tal deveria ser tratada, por conter um efeito cascata negativo sobre reajustes indexados à inflação. O IPCA deságua no salário-mínimo, na Previdência e nos contratos de aluguel, por exemplo. Há ainda a hipótese do Ministério da Fazenda aumentar os subsídios para além dos já definidos em relação à cesta básica. A queda da inflação no mês passado foi anterior à tragédia do Rio Grande do Sul. Haverá importação de alimentos não planejadas e redução de  itens produzidos pela indústria gaúcha. 


Não reconhecida

Ainda a conversa clima-inflação: há o fator percepção da população, que impacta na visão sobre alta dos preços. É como se os preços até caíssem em função das medidas emergenciais e os consumidores, influenciados pelo cenário, não reconhecessem a queda. Na recente amostragem da Quaest, 43% disseram que a taxa do desemprego subiu, o que não é verdade – subiu razoavelmente. Contudo, as pessoas acham que estão certas. Vai e vem volta-se à comunicação do governo. Se não for bem feita, a oposição incendiará as redes sociais. 

Nada é descartado

Após provarem que eram somente boatos para ganhar as páginas de revistas, as apresentadoras Angélica, Eliana e Xuxa  chamadas de rivais e  provarem que são amigas fora da tela, e agora com a confirmação da contratação de Eliana pela Globo começam a ser ventilado que as três estariam no comando do Saia Justa. Sobre a possibilidade de ter um programa juntas Angélica  se empolga: “Estamos muito abertas a isso, tanto que eu fiz a série com a Xuxa. Mas nunca teve um projeto, nunca teve nada. Pode ser que aconteça, pode ser que seja legal as três juntas, mas pode ser que separadas também seja muito bom, porque separar essa energia em lugares diferentes, passando uma mensagem parecida, mas em lugares diferentes. Eu não descarto jamais que a gente possa fazer um programa especial juntas ou um projeto”. No mês passado o grupo Globo confirmou que a jornalista Rita Batista, uma das apresentadoras do É de casa se juntaria a Bela Gil e Gabriela Prioli no programa da GNT,  só que  possibilidade de ter as loiras ainda não foi descartada. 

In – Programa TV por assinatura: Quilos mortais
Out – Programa TV por assinatura: Os muquiranas

Papagaio

Assessores do próprio governo petista têm conversado que o ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, vem ganhando espaço com Lula, mesmo com a antipatia de outros colegas de ministério. O presidente agora sempre o leva em algum evento, foi com ele a São Leopoldo e Costa deverá coordenar as remessas de dinheiro para o Rio Grande do Sul. E mais: o ministro vem repetindo frases quase sempre usadas pelo chefe. É o máximo da sua demonstração de sua fidelidade – e já pensa nas de eleições de 2030.

Bons de foto

Além do próprio Lula, os presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, respectivamente, também devem capturar algum ganho político das medidas adotadas para a reconstrução do Rio Grande do Sul. O Congresso já autorizou exclusão de recursos enviado ao estado da meta fiscal e já aprovou redirecionamento de emendas parlamentares. Traduzindo: Lira e Pacheco, além do dever cívico e compreensão humanista, vão tirar uma casquinha desse momento nacional. Chama a atenção, inclusive, o número de vezes que já apareceram ao lado de Lula no anúncio de medidas emergenciais, embora não tenham participação na busca de soluções para a destruição do estado do sul do país. 

PÉROLA

“O judiciário acaba mais exposto se tiver que regular essas relações de inteligência artificial pela falta de uma legislação. Sem leis, o Judiciário constrói regras do país por causa dessa omissão”, 

de RODRIGO PACHECO // presidente do Senado.


DEPOIS DOS 20 – 1

A experiência de reconstrução de uma cidade espremida entre rios e lagos e devastada por uma tragédia climática mostra que o processo de reerguer Porto Alegre será longo e complicado. Há quase 20 anos, Nova Orleans, na Louisiana (EUA) foi inundada pelas chuvas do furacão Katrina e apesar de investimentos pesados, problemas urbanos decorrentes da tragédia persistem. A ONG The Date Center estima que US$ 120 bilhões (R$ 612,9 na cotação atual) foram aplicados para remendar danos estimados em US$ 135 bilhões (R$ 689,5 bi). Foi uma mistura de verba estatal, seguradoras, fundos de doação, linhas de empréstimos, economia pessoais e até repasses de governos estrangeiros. 

Depois dos 20 – 2

Ainda Nova Orleans: só o novo sistema de diques e muros de contenção para proteção custou US$ 14 bilhões (R$ 71,5 bi) de recursos federais (o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite acha que com R$ 19 bilhões resolve tudo). Mais: o plano de recuperação agravou problemas de desigualdade e impediram a recuperação da cidade. A maioria dos que não conseguiram voltar é formada pelos mais pobres, especialmente negros. Os urbanistas dizem que Nova Orleans “agora é uma cidade mais branca e mais rica e não porque as pessoas ficaram mais ricas, mas por causa da renda per capita dos que puderam voltar e dos novos moradores”. 

QUERIA AFASTAR

Apesar da visibilidade que ganhou, ao ser designado para chefiar como Autoridade de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Lula queria mesmo afastar Paulo Pimenta da Secom, quase um replay da derrubada de Márcio França de Porto e Aeroportos para Pequena Empresa, sem orçamento nem relevância. Funciona quase como ouvidoria: só ouve e encaminha as demandas.  E só autorizou criação de uma estrutura de dez cargos. Quem vai mandar mesmo nos recursos (ainda não chegaram) é Rui Costa (Casa Civil). 

Tabaco ameaçado

A direção da BAT (British American Tabacco) do Brasil está preocupada com informações desencontradas sobre o impacto das enchentes nas plantações de tabaco no Rio Grande do Sul. O próximo ciclo de compra de insumos virou um voo às escuras. Primeiros levantamentos apontam que até um terço das lavouras do Vale do Rio Pardo, uma das principais fronteira do cultivo do fumo no estado, foram atingidas pelas inundações. O período de plantio é realizado nos meses de junho e julho. O Rio Grande do Sul responde por 40% da produção nacional do tabaco. 

“IMPOSTO DO PECADO”

Ainda o tabaco: qualquer redução na próxima colheita pode ter um considerável efeito sobre o custo da matéria-prima e do preço final do cigarro para o consumidor. Hoje, a discussão do BAT é outra: sobre o possível lobby pelo adiamento da entrada em vigor do “imposto do pecado”. O novo tributo com o aumento dos preços do fumo seria “punição demais” e a BAT quer um refresco. Pior é se uma parte expressiva da safra gaúcha já tiver virado cinzas. 

MISTURA FINA

NÃO chega a ser surpresa para ninguém: a Invepar empresa de investimentos em concessões, controladas pelos maiores fundos de pensão do país (Previ, Petros e Funcef) já acomoda muitos companheiros aninhados ao poder desde 2023. Luciana Okamoto, filha de Paulo Okamoto, presidente da Fundação Perseu Abramo, acaba de virar advogada da empresa. Ana Maria Énrica, ligada ao ex-tesoureiro do PT (condenado pela Lava Jato) João Vaccari Neto, foi alojada como gerente no compliance. Vaccari, à propósito, voltou a ter relações próximas com Lula. 

A BB Asset deverá aumentar sua aposta no setor de real estate. A gestora do Banco do Brasil estuda emissão de um segundo fundo “de tijolo”. Com base no primeiro, há duas semanas, há quem fale numa captação próxima de R$ 1,5 bilhão. O fundo BB Premium Mall (BBG11) levantou R$ 990 milhões, acima da oferta inicial de R$ 800 milhões. A  demanda pelos papéis bateu perto de R$ 1,2 bilhão. A Iguatemi, que prestou consultoria imobiliária para o BBG11, já está pronta para carregar os próximos tijolos com a BB Asset. 

NOS últimos tempos, nas mais conhecidas favelas que concentram os traficantes (e escondem bandidos) não são apenas sentinelas bem colocados nos morros que localizam ainda à distância a possibilidade de estar chegando quaisquer problemas. Agora, verdadeiro esquadrões de drones se espalham pelas comunidades procurando detectar previamente invasores, que podem ir da polícia até a blocos rivais bem armados. Pessoal ultra especializado é que comanda os aparelhos. 

A CLEARSALE, uma das maiores desenvolvedoras de software contra fraudes digitais e de score de crédito do Brasil virou um grande objeto de cobiça do setor. Além do Serasa Experidian, há outros dois interessados na aquisição do controle. O nome mais soprado é o do Boa Vista, que detém 15% do segmento de análise de crédito no país. Mesmo assim, o Serasa Experidian está na frente dessa corrida. Já concluiu um processo de due diligence na ClearSale. Controlada pelo sócio fundador Pedro Chiamulera, a empresa tem como acionista a Innova Capital, que reúne investidores como Jorge Paulo Lemann e Verônica Serra, filha do político José Serra. 

A DASA, da família Bueno, já teria saído em campo em busca de um comprador para sua operação de home care. Seria o primeiro movimento na estratégia de desmobilização de ativos menos rentáveis, que acabam por sobrecarregar o caixa da empresa. A Dasa encerrou 2023 com um prejuízo de R$ 1 bilhão. O aporte de R$ 1,5 bilhão feito no ano passado pelos Bueno e pela BTG não foi o suficiente para reduzir a alavancagem. Por isso, o clã deverá abastecer a companhia com nova injeção de capital – enquanto não consegue vender. 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).