MENU

Clique aqui e veja as últimas notícias!

POLÍCIA

Filho de um dos maiores narcotraficantes do mundo é morto em confronto com a polícia em Campo Grande

O "Camisa 10", filho de "Pingo", foi abordado pelo Batalhão de Choque na Capital e atirou contra os policiais
01/01/2021 12:45 - Gabrielle Tavares


O filho de um dos narcotraficantes brasileiros mais procurados do país foi morto em confronto com o Batalhão de Choque da Polícia Militar. 

Jardel Ângelo, o "Camisa 10", filho de Domingos Soligo, o “Pingo”, morreu no fim da tarde de ontem (31).

De acordo com a polícia, a equipe fazia rondas quando se deparou com um veículo da marca Renaut Fluence, conduzido por um homem de 37 anos que demonstrou nervosismo ao perceber a presença policial.

No momento da abordagem, o condutor demorou para descer do carro e não obedeceu à ordem de permanecer com as mãos acima da cabeça, levando-as para a cintura e sacando uma arma de fogo.

Últimas notícias

Os policiais revidaram as agressões e conseguiram desarmá-lo. 

Quando verificaram os sinais vitais de Jardel, viram que ainda estava vivo, ele chegou a ser socorrido e levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Vila Almeida, mas não resistiu.

Com Jardel estava uma pistola calibre 40, de uso restrito das forças policiais, com numeração raspada e carregador contento diversas munições.

De acordo com o Choque, ele integrava uma facção criminosa na Capital. 

Era conhecido com “Alemão” e “Camisa 10” e recebia ordens diretas presidiários para executar internos quando saiam de presídios e da gameleira.  

Jardel é responsável por mais de 4 execução nos últimos meses e ainda é investigado pela Polícia Civil por um homicídio em Indubrasil.

 
 

Pingo Soligo

O pai de Jardel, Erineu Domingos Soligo, conhecido por Pingo Soligo, foi um dos narcotraficantes brasileiros mais procurados pela polícia nacional e internacional.

Foi um dos pioneiros no tráfico de maconha para o Brasil, no município de Aral Moreira, na fronteira com o Paraguai. 

Mas enriqueceu mesmo com a venda de cocaína, que permitiu a parceria com um dos maiores traficantes do Brasil, o Fernandinho Beira-Mar, que fez dele um traficante internacional.

Em 2010, foi preso pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) do Paraguai, em uma fazenda na região de Pedro Juan Caballero.

A captura de Pingo foi tão notória que o próprio presidente do Paraguai na época, Fernando Lugo, visitou a sede da Senad para acompanhar a operação e parabenizar os agentes da polícia.

Quando foi preso, o então integrante da organização paulista Primeiro Comando da Capital (PCC) já tinha duas condenações no Brasil, uma de 15 e outra de 26 anos.

Em 2011 foi extraditado para o Brasil, onde foi posto em regime semiaberto. 

Após tramar, por celular, uma fuga com seu filho em uma de suas saídas temporárias, ele foi transferido para o sistema federal.

Natural de Três Passos (RS), possui condenações em Ponta Porã e em Passo Fundo, Rio Grande do Sul. 

Antes de ser preso, escapou por anos da Polícia Federal e da Interpol usando identidades falsas e pagando propina.

Atualmente cumpre a pena de 41 anos em uma penitenciária no Rio Grande do Sul.

Assine o Correio do Estado