Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FISCALIZAÇÃO

Concessionária Águas Guariroba recebe notificação e terá que explicar crise no abastecimento de Campo Grande

Diretor-presidente da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos chega a considerar anulação de contrato conforme desdobramento judicial do caso
15/09/2020 19:50 - Marcos Pierry


A concessionária Águas Guariroba, responsável pelos serviços de abastecimento e tratamento de recursos hídricos em Campo Grande, foi notificada nesta terça-feira (15) pela Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos (Agereg). 

Mesmo com a seca e com aumento do consumo, a agência pede, no documento, que a concessionária dê explicações para a falta de água que vem se tornando rotina em diversos bairros da cidade. Pelo menos 163 mil habitantes, quase 20% da população da capital, está com o abastecimento gravemente ameaçado, conforme o Correio do Estado revelou ontem, uma vez que o Córrego do Lageado é o manancial que atende a esse número de moradores e encontra-se quase seco.

Com a notificação, a Águas Guariroba torna-se alvo de mais um processo administrativo interno da Agereg. A pendenga pode render multa ou penalidade ainda mais grave para a concessionária.

“Vamos deixar que a justiça decida se houve ilegalidade ou não”, afirma Vinícius Leite Campos, diretor-presidente da agência municipal. “Vamos aguardar o desfecho da ação civil. Se a justiça entender por bem de que deve anular o contrato, anularemos e faremos uma nova licitação”, antecipa Leite Campos.

A concessionária confirma, em nota, que recebeu “pedidos de informações sobre o tema” e “esclarece que está analisando os pontos apresentados e que os responderá dentro do prazo estipulado. Reitera, ainda, que cumpre rigorosamente a legislação aplicável, presta de forma adequada, eficiente e regular os serviços, e atende os marcos contratuais estabelecidos pela gestão municipal”.

 

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!