Cidades

"guatambu II"

MS tem alvos nacionais em operação que desmantelou oficina de fundos falsos

Campo Grande aparece com alvos listados desde a primeira fase da ação, desencadeada em agosto de 2023

Continue lendo...

Policiais sul-mato-grossenses integraram, na manhã desta quinta-feira (16), uma operação nacional - batizada de Guatambu II - de combate aos crimes de tráfico; associação e organização criminosa, de uma quadrilha que tinha até mesmo uma oficina especializada em fabricar fundos falsos usados para o transporte de substâncias entorpecentes. 

Conforme a Polícia Civil, agentes do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (DRACCO), coordenados pela Divisão Especializada de Investigações Criminais (DEIC) de Araçatuba–SP, atuaram em apoio ao Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (DEINTER 10), no cumprimento de 15 mandados de busca e apreensão. 

Operação nacional, a Guatambu II teve esses mandados expedidos pela 1ª Vara Criminal de Birigui que tem investigação policial em cima de uma quadrilha que, entre os crimes já citados, é suspeita também por lavagem de dinheiro, com ordens a serem cumpridas em três Estados da Federação, nos seguintes municípios: 

  • Campo Grande–MS, 
  • Aquidauana–MS,
  • Anastácio–MS, 
  • Birigui–SP e 
  • Fortaleza–CE.

Ainda, a investigação sinaliza que esse grupo atuava no fornecimento de substâncias entorpecentes, trazidas dos países que fazem fronteira com Mato Grosso do Sul, e estão comumente descritos nas rotas do tráfico: Paraguai e Bolívia, que tem entradas para o território nacional por Ponta Porã e Corumbá, respectivamente.

Durante a apuração, a polícia indica que as apreensões resultaram em cerca de uma tonelada de cocaína, além de diversos automóveis e documentos.

Com cerca de 55 agentes em campo, aproximadamente 16 viaturas foram usadas nacionalmente, com 30 policiais utilizados para ir às ruas em Mato Grosso do Sul em apoio operacional. 

“Em Campo Grande/MS, dois alvos restaram presos em flagrante por estarem na posse de arma de fogo de uso permitido e restrito. Também fora descoberta uma oficina mecânica onde o grupo criminoso fabricava fundo falso para o transporte dissimulado de drogas entre os estados”, expõe a Polícia Civil em nota. 

Também foram apreendidos: 

  1. 1 (uma) arma de fogo tipo pistola, calibre 9 x 19 mm, 
  2. 2 (dois) carregadores
  3. 1 (uma) arma de fogo do tipo revólver, marca Smith & Wesson, .32, com 
  4. 9 (nove) munições.

Sobre os presos em flagrante, os envolvidos foram levados para a sede do Dracco, sendo que as investigações seguem em curso. 

Cabe apontar também o trabalho do suporte policial do Departamento de Polícia Especializada (DPE), que se deu pela Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco e Resgate a Assaltos e Sequestro (GARRAS), da Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico (DENAR) e da Delegacia Especializada de Repressão aos crimes de Furtos e Roubos de Veículos (DEFURV).

Guatambu

As primeiras ações da Operação Guatambu mirou alvos de São Paulo, em 24 de agosto de 2023, quando a Divisão Especializada de Investigações Criminais encontrou 240 kg de cocaína em um canavial, prendendo dois indivíduos em flagrante na época, conforme noticiário local. 

Além da prisão do suposto líder do grupo e uma mulher, quando foram apreendidos cerca de R$ 39 mil em cheques, Campo Grande também apareceu listando um acusado de intermediar a droga entre o Brasil e os países vizinhos, atuando como corretor em contato direto com fornecedores bolivianos e paraguaios. 

Assine o Correio do Estado

Previsão do tempo

Confira a previsão do tempo para hoje (18) em Campo Grande e demais regiões de Mato Grosso do Sul

18/05/2024 04h30

Continue Lendo...

Neste sábado (18), em grande parte do estado, a previsão indica sol e variação de nebulosidade.

Pontualmente, pode ocorrer aumento de nebulosidade com pancadas de chuvas e tempestades isoladas, principalmente nas regiões sul, sudoeste, sudeste e leste do estado. Esta situação ocorre devido ao avanço da frente fria. 

Os ventos atuam do quadrante sul com valores entre 30km/h e 50 km/h. Pontualmente, podem ocorrer rajadas de vento acima de 50 km/h.

Confira abaixo a previsão do tempo para cada região do estado:

Para Campo Grande, estão previstas temperatura mínima de 20°C e máxima de 29°C.

A região do Pantanal deve registrar temperaturas entre 17°C e 29°C.

Em Porto Murtinho é esperada a mínima de 14°C e a máxima de 17°C, com possibilidade de chuva.

O Norte do estado deve registrar temperatura mínima de 20°C e máxima de 32°C.

As cidades da região do Bolsão, no leste do estado, terão temperaturas entre 19°C e 34°C.

Anaurilândia terá mínima de 20°C e máxima de 32°C, com previsão de tempestade.

A região da Grande Dourados deve registrar mínima de 16°C e máxima de 27°C.

Estão previstas para Ponta Porã temperaturas entre 13°C e 19°C.

Já a região de Iguatemi terá temperatura mínima de 15°C e máxima de 21°C, com previsão de tempestade.

Assine o Correio do Estado

MATO GROSSO DO SUL

Megafábrica de celulose: outra terceirizada da Suzano aplica calote em Ribas

Empresa que contratou pintores alpinistas para a obra, cobra R$ 7 milhões na Justiça de terceirizadas e da própria Suzano

17/05/2024 19h00

Projeto Cerrado, maior fábrica de celulose do mundo, será inaugurada em junho

Projeto Cerrado, maior fábrica de celulose do mundo, será inaugurada em junho Divulgação/Suzano

Continue Lendo...

Mais dois fornecedores da Suzano são acusados de aplicar calote em seus clientes durante a construção da megafábrica de celulose de Ribas do Rio Pardo, Mato Grosso do Sul, cidade distante 97 quilômetros de Campo Grande.

A GD - Fabricação e Montagem de Equipamentos Industriais Ltda., cobra R$ 7 milhões na Justiça da Enesa S.A., da Andritz Brasil Ltda., e da Suzano S.A., por prestar serviços de pintura na planta do Projeto Cerrado, que será a maior fábrica de celulose do mundo depois de inaugurada, no mês que vem.

Este novo calote se soma ao aplicado pela VBX Transportes, que pode ter deixado um rastro de pelo menos R$ 3 milhões em dívidas com fornecedores de máquinas, donos de postos de combustíveis, supermercadistas e empresários de Ribas do Rio Pardo e de outros estados, como Minas Gerais e São Paulo.

Pintores alpinistas

A GD foi contratada em 24 de novembro de 2022 para executar o serviço de jato e pintura, inclusive com a mão de obra de pintores alpinistas.

Eles eram necessários por causa das dimensões colossais da fábrica, que exigiu da Suzano mais de R$ 22,5 bilhões em investimentos e foi o maior canteiro de obras do Brasil de 2021 para cá.

A empresa que atuou na construção da fábrica da Suzano e recebeu o calote de uma das terceirizadas, a Enesa, assumiu o compromisso de executar os serviços de tubulação e suporte de tubulação, compreendendo a fabricação, jateamento e pintura de suportes primários e secundários, suporte de tubulação de aço inox, fabricação de trechos de tubulação “SPOOL”, e prestação de serviços de jateamento e pintura de tubulação.

Para executar o serviço em Ribas do Rio Pardo, a Enesa exigiu que a GD contratasse, imediatamente, pelo menos 18 profissionais altamente especializados, o que foi prontamente atendido.

Os advogados da GD alegam na Justiça que as exigências obrigaram a GD a assumir grandes compromissos financeiros. 

Entre os compromissos estão aluguel de área em Ribas do Rio Pardo, preparação de terreno, aluguel de contêineres, aluguel de equipamento, compra de materiais, aluguel de barracões, contratação de seguranças e, claro, a folha de pagamento dos profissionais especializados.

Apesar de o contrato ser entre a GD e a Enesa, os advogados alegam que a Suzano, dona da obra, homologou o contrato para que a GD atuasse no canteiro em Ribas do Rio Pardo.

Histórico de atrasos

Já no início do contrato, a Enesa fez o primeiro pagamento com atraso. Deveria ter pago, segundo a GD, R$ 557,9 mil até 5 de dezembro de 2022, mas não cumpriu a obrigação. Só fez o pagamento de R$ 236,8 mil em 6 de março de 2023.

O valor, segundo a empresa que fez o trabalho de pintura e jato, era menor que o estabelecido e insuficiente para pagar as despesas exigidas e assumidas para a operação. Também não foram pagas duas medições de R$ 97 mil, alega a GD. A empresa que postula reparação de danos na Justiça ainda alega que investiu R$ 1,59 milhão para atender a parceira da Suzano no período de dezembro de 2022 a junho de 2023, sendo que o retorno, conforme previsto no contrato, era de R$ 5,57 milhões.

Danos

Na Justiça, a GD cobra a reparação de R$ 1,357 milhão em danos materiais da Enesa, da Andritz Brasil e da Suzano. Ainda postula R$ 400 mil em danos morais.

A subcontratada para a construção da megafábrica de celulose da Suzano em Ribas do Rio Pardo ainda cobra R$ 5,34 milhões em lucros cessantes. O valor total da ação é de R$ 7,09 milhões.

Apesar de o contrato ter sido celebrado entre a GD e a Enesa, os advogados da GD alegam que a Andritz e a Suzano possuem responsabilidade solidária na demanda, por isso as duas também estão no polo passivo da ação. 

Outro lado

O Correio do Estado procurou as empresas Enesa e Andritz Brasil, mas não conseguiu retorno ou não obteve resposta aos telefonemas.

A Suzano, enviou a seguinte nota: 

A Suzano esclarece que honra todos os seus compromissos com prestadores de serviços e que não possui visibilidade, tampouco obrigação legal, quanto a supostos débitos de empresas terceirizadas e quarteirizadas.

Além disso, não tem como acompanhar e controlar as negociações comerciais ou concessão de crédito para tais empresas prestadoras de serviço, bem como fiscalizar, participar de negociações comerciais ou se responsabilizar por tais pagamentos. 

Destaca ainda que tem realizado campanhas voltadas às empresas locais visando conscientizar comerciantes e prestadores de serviços sobre os devidos cuidados em suas transações comerciais, e que não autoriza que outras empresas utilizem seu nome para obterem ou concederem crédito.

A empresa também mantém um canal de Ouvidoria aberto para denúncias, reclamações e sugestões da comunidade local pelo número 0800 771 4060.

 

Calotes dos terceirizados do Projeto Cerrado

Dívidas cobradas da Enesa, Andritz e Suzano: 

Credor:

  • GD Fabricação e montagem de equipamentos: R$ 7,09 milhões

Dívidas cobradas da VBX: 

Credores:

  • Locatruck: R$ 132,2 mil
  • LOB Terraplenagem: R$ 120 mil
  • Fornecedor de Minas Gerais: R$ 1,5 milhão

 
Dívidas cobradas da VBX e da Suzano:

Credor:

  • Sérgio Claudemir Papa: R$ 452,4 mil
     

Maior fábrica do mundo

Com investimentos que passam dos R$ 22 bilhões, o Projeto Cerrado será a maior planta de celulose do mundo quando inaugurada. E a inauguração não está longe, estando prevista para ocorrer no mês de junho.

Com a entrada em operação desta terceira unidade da Suzano em Mato Grosso do Sul, que terá capacidade para processar quase 3 milhões de toneladas de celulose por ano, o Estado deve se consolidar como uma das maiores regiões produtoras de celulose do mundo.

Assine o Correio do Estado

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).