Polícia

Procurados

Dois criminosos de Mato Grosso do Sul aparecem na lista dos mais procurados do Brasil

A lista dos 10 criminosos mais procurados do Brasil foi atualizada pelo governo após prisão de assaltante de bancos

Continue lendo...

Mato Grosso do Sul tem dois criminosos na lista com os nomes dos 10 criminosos mais procurados do Brasil pelo Ministério da Justiça e Segurança Públicados. Leomar de Oliveira Barbosa, conhecido como Leozinho da Vila Ipiranga ou "Playboy" e Juanil Miranda Lima estão foragidos.

Leozinho que é de Ponta Porã e é braço direito de Fernandinho Beira-Mar e chegou a ser preso em 2011 e cumpriu pena no Presídio Estadual de Formosa, no estado de Goiás, porém foi solto de forma indevida em 2018 após decisão da Suprema Corte Brasileira. Contra ele, existem outras duas condenações na 1ª Vara de Execução Penal do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás.

Segundo o relatório do Ministério da Justiça, "Playboy" foi acusado de atuar na fronteira com a maior facção do Rio de Janeiro, o Comando Vermelho (CV), além de possuir conexão com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e ser um dos operadores da Conexão Atibaia, sendo um dos responsáveis pela logística de operações que envolviam o envio de cocaína do Paraguai para um aeroclube de São Paulo.  

Nos anos 2000 caso foi investigado em São Paulo por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) estadual do Narcotráfico.

Procurado desde 2020, Juanil Miranda Lima é sul-mato-grossense que aparece na lista. De Campo Grande, Juanil é ex-guarda civil municipal e integrante de uma milícia que é ligada ao jogo do bicho. Ele foi condenado por crimes contra a vida (pistolagem), pela execução do delegado Paulo Magalhães Araújo. 

Também é suspeito de ter tido envolvimento na morte do ex-chefe de segurança Orlando da Silva Fernandes, conhecido como "Bomba" em outubro de 2018, e do também ex-chefe de seguranã Jorge Rafaat Tuomani.

Ele é um dos foragitos da Operação Omertá, que investigou uma organização criminosa voltada à prática dos crimes de milícia armada, porte ilegal de arma de fogo de uso proibido, homicídio, corrupção ativa e passiva. Juanil também é procurado por países do Mercosul.

O criminoso recebeu auxílio emergencial pago pelo Governo Federal durante o auge da pandemia de Covid-19.

Atualização

A atualização da lista ocorreu após a prisão de Danilo dos Santos Albino, que era um dos homens mais procurados do Brasil. Ele era integrante da maior facção criminosa paulista, o Primeiro Comando da Capital (PCC) e assaltante de bancos na modalidade "novo cangaço”.

Haviam quatro mandados de prisão em aberto contra ele, pelo crime de assaltos a bancos em quadrilha de novo cangaço. O suspeito também era foragido do sistema penal de São Paulo.

A lista

Além dos sul-mato-grossenses, quase todos os criminosos que aparecem na lista têm atuação no Brasil e em países do Mercosul. A maioria foi condenada ou é suspeita de tráfico de drogas, organização criminosa e lavagem de dinheiro. São eles:

Baixinho

Willian Alves Moscardini, conhecido como "Baixinho" é procurado no Brasil e também em países do Mercosul. Ele responde a oito processos por assalto, roubo, sequestro e agressões em São Paulo. Além de ter participado do assalto à transportadora de valores Prosseguir, em Ciudad Del Este, no Paraguai, em 2017, de onde foram roubados US$ 11 milhões.

Moscardini também é conhecido na região de Indaiatuda (SP) como "Calabresa", local onde participou do assalto a um grande centro de distribuição de bebidas e ataque a agências da Motorola e Samsung.

 

Caipira

Álvaro Daniel Roberto, foi preso acusado de comandar um núcleo que enviava cocaína para a Europa com rotas que partiam do Paraguai, Bolívia e Peru. Também conhecido como Caipira, foi denunciado junto com mais 20 pessoas acusadas de tráfico internacional e associação para o financiamento ao tráfico. Álvaro controlava o tráfico a partir de São Paulo. Foi preso em 2013 em Fortaleza (CE) porém foi transferência para Juiz de Fora (MG) onde conseguiu prisão domiciliar.

 

Maria do Pó

Na lista, Sonia Aparecida Rossi, a Maria do Pó, está foragida desde 2006. Com 61 anos, ela também é a mais velha da lista de procurados. Sonia foi condenada a mais de 33 anos e 11 meses, Maria do Pó escapou da Penitenciária Feminina de Sant'Anna, no Carandiru, zona norte de São Paulo, em março de 2006.

João Cabeludo

João Aparecido Ferraz Neto, conhecido como "João Cabeludo", de 64 anos tem envolvimento em roubos a carros fortes e tráfico de drogas, além de crimes contra o patrimônio e lavagem de dinheiro.

Segundo o relatório que lista os criminosos mais procurados divulgado pelo governo federal, ele foi expandindo a área em que age e atualmente atua na região sudeste do Brasil e também em países do Mercosul.

 

Tião

Lourival Máximo da Fonseca, o Tião, é procurado pela Justiça Federal pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e tráfico de armas. Ele usa identidades falsas de Sebastião Miranda Cardoso e Andress Gonçalves de Oliveira. Segundo o MJSP, ele é considerado um dos principais traficantes da Rota Caipira(Goiás, Minas Gerais e interior de São Paulo). Além disso, Tião opera no narcotráfico desde a década de 90, abastecendo essas regiões com cocaína e traficando armas.

Xixi

Sérgio Luiz de Freitas Filho, conhecido como "Xixi", Atua no Sudeste e no Mercosul, com tráfico de drogas e, por consequência, organização criminosa e lavagem de dinheiro. É responsável pela logística do transporte de cocaína da Bolívia para o Brasil.

Tandera

O miliciano Danilo Dias Lima, conhecido como Danilo do Jesuítas ou Tandera, se tornou o miliciano mais procurado do Rio após a morte de Wellington da Silva Braga, o Ecko.

Tandera, que ganhou o apelido por ter uma tatuagem com o olho de Tandera, do desenho Thundercats, chefia a milícia no bairro do Jesuítas, em Santa Cruz, Manguariba e Palmares.

André do Rap

Foragido desde o dia 10 de outubro de 2020, quando saiu da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau (SP) pela porta da frente, André de Oliveira Macedo, mais conhecido como André do Rap, é o criminoso mais procurado da capital paulista e do Brasil. Ele foi condenado a 15 anos e seis meses por tráfico internacional de drogas.

André do Rap foi solto depois de um habeas corpus concedido pelo então ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello. A liberdade dele foi cassada pela própria Suprema Corte, horas depois, mas Rap já estava solto.

Assine o Correio do Estado

ARMAMENTO

PMMS doa 500 pistolas .40 para a Guarda Civil Metropolitana

Antigo armamento utilizado pela PMMS passou para a lista de bens ociosos ou obsoletos, permitindo assim que fosse doado para a GCM

09/07/2024 12h20

Pistola .40

Pistola .40 DIVULGAÇÃO/Sejusp-MS

Continue Lendo...

Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), doou 500 pistolas Taurus calibre .40, para a Guarda Civil Metropolitana (GCM) de Campo Grande.

As armas foram utilizadas por militares da corporação nos últimos anos. Em outubro de 2024, o governo de Mato Grosso do Sul trocou todo o armamento da PMMS, substituindo a pistola .40 pela pistola Beretta APX Full Size, 9mm, de última geração.

Com isso, a PMMS irá doá-las para a GCM. O antigo armamento utilizado pela polícia ostensiva de Mato Grosso do Sul passou para a lista de bens ociosos ou obsoletos, permitindo assim que fosse doado para Guarda Civil de Campo Grande, na preservação da ordem e da segurança pública em âmbito municipal.

O termo de doação foi assinado pelo secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, Antonio Carlos Videira, pela prefeita de Campo Grande, Adriane Barbosa Lopes, pelo comandante-geral da PM, coronel Renato dos Anjos Garnes e pelo secretário Municipal Especial de Segurança e Defesa do município, Anderson Gonzaga Assis.

Conforme noticiado pelo Correio do Estado, o curso de formação da GCM possui módulo dedicado para a capacitação de armamento e tiro previsto na Portaria nº 9-CGCSP/DIREX/PF/DF de 14 de abril de 2022 da Polícia Federal.

 No fim do curso, os GCMs foram habilitados para o uso de armamento letal e não letal. Atualmente, os armamentos utilizados pela corporação são revólver calibre 38 e escopeta calibre 12

O Correio do Estado entrou em contato com a Prefeitura Municipal de Campo Grande (PMCG) para saber se a corporação irá receber instrução para manejo do novo armamento, mas, até o fechamento desta reportagem, não foi respondido. O espaço segue aberto para resposta. 

O governo de MS investiu mais de R$ 14 milhões na aquisição de 6 mil armas, que foram adquiridas com recursos federais do Sistema Único de Segurança Pública (SUSP) com parceria do Governo do Estado.

DECAT

Protetoras de ONG animal são presas após enxurrada de denúncias de vizinhos

Instituto Guarda Animal é alvo de denúncias por risco à saúde humana, poluição sonora (latido de cães), mau odor e perturbação do trabalho alheio

05/07/2024 09h10

Alguns animais estão magros e com sarna

Alguns animais estão magros e com sarna Divulgação/Polícia Civil - MS

Continue Lendo...

Protetoras animais, donas e responsáveis pela Organização Não Governamental (ONG) Instituto Guarda Animal foram presas pela Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Ambientais (DECAT), na tarde desta quinta-feira (4), em uma propriedade que abriga mais de 236 animais de rua, localizada no bairro Chácara dos Poderes, em Campo Grande.

De acordo com a Polícia Civil, P.S.B e N.S.B., ambas de 29 anos, são acusadas de maus-tratos e poluição ambiental.

Conforme apurado pela reportagem, a ONG Guarda Animal é alvo de diversas denúncias, desde 2021, por poluição sonora (latido de cães), mau odor e perturbação do trabalho alheio.

Após queixas de vizinhos, uma equipe de investigadores da DECAT foi enviada a sede do abrigo, nesta quinta-feira (4), para averiguar os fatos. A delegada, acompanhada de investigadores, peritos criminais e Vigilância Sanitária, realizou uma inspeção na propriedade, onde foram constatadas diversas irregularidades, como:

  • Acúmulo de dejetos, causando mau cheiro e atraindo insetos
  • Presença de moscas, mosquitos e larvas em piscina sem tratamento e em latas espalhadas no quintal
  • Animais com parasitas, representando risco à saúde humana
  • Vestígios de queima de lixo no quintal
  • Descarte irregular de resíduos sólidos e medicamentos
  • Omissão de cautela na guarda de animais ferozes
  • Grande quantidade de animais com sarna, em ambiente inadequado
  • Animais sem carteiras de vacinação ou com carteiras incompletas
  • Gatos presos em um cômodo imundo, com larva de mosquito
  • Fossa extravasando

De acordo com a advogada da ONG, Vitória Junqueira, as denúncias dos vizinhos são falsas e infundadas.

Alguns animais estão magros e com sarnaAlguns dos animais da ONG. Divulgação: Instituto Guarda Animal

“Não é normal o que está acontecendo, é um absurdo desde 2021, as meninas estão sendo literalmente perseguidas simplesmente por fazerem o bem aos animais. Começou em 2021 e agora está se repetindo denúncias de vizinhos, denúncias infundadas de vizinhos que têm levado ao poder público falsas informações de que os protetores maltratam os seus animais dentro da ONG. Justamente elas têm propósito contrário, exatamente resgatam os animais, propiciam a vida, propiciam o carinho. E esse trabalho maravilhoso precisa continuar, independentemente dessas tentativas de derrubá-las”, afirmou a advogada em suas redes sociais.

Segundo integrante da ONG, que não teve o nome divulgado, mesmo sem recursos suficientes, os bichinhos de rua são cuidados da melhor maneira possível.

“A gente já chegou no limite, de verdade, a gente chegou no limite de tudo e a gente precisa de paz. Animais que já recebemos várias vezes da DECAT aqui, que a gente tenta cuidar da melhor forma possível. A gente está fazendo um milagre com as doações que a gente recebe de vocês. Graças a vocês nossos animais comem, graças a vocês eles tem um lugar para dormir e morar. E a gente mudou para cá também porque a gente queria uma chácara para a gente ter paz para cuidar desses bichinhos e as pessoas estão infernizando a gente toda hora, uma perseguição”, desabafou a tutora.

Instituto Guarda Animal é uma Organização Não Governamental (ONG) sem Fins Lucrativos, direcionada à causa animal, que visa acolher, abrigar e proteger cães e gatos abandonados, sem dono e em situação de rua. A ONG recebe animais desde 2016, sobrevive de doações e não recebe ajuda do poder público. 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).