Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

EXECUÇÃO

Playboy da mansão foi morto com 5 tiros nas costas, aponta perícia

Marcel Costa Hernandes Colombo foi morto no início nesta madrugada
18/10/2018 11:20 - BRUNA AQUINO E RENAN NUCCI


 

A perícia criminal constatou que o empresário Marcel Costa Hernandes Colombo, de 31 anos, também conhecido como o polêmico Playboy da Mansão, foi morto com cinco tiros nas costas, por uma pistola calibre .9 milímetros. Playboy foi morto no início da madrugada desta quinta-feira, na Cachaçaria Brasil localizada na Avenida Fernando Corrêa da Costa, na região da Vila Rosa Pires, em Campo Grande.

De acordo com o laudo, quatro dos cinco disparos atravessaram as costas de Marcel e um atingiu o rosto dele de raspão. O amigo da vítima Tiago do Nascimento Bento, de 18 anos, também foi ferido.

A Polícia Civil vai investigar mais detalhes sobre o crime e o paradeiro do suspeito. Conforme publicado pelo Correio do Estado, O atirador se aproximou correndo de capacete e atingiu a vítima, que estava à mesa com outras duas pessoas, pelas costas. Imagens das câmeras de segurança registraram a ação e foram encaminhadas à polícia.

Segundo registro do delegado Enilton Pires Zalla, plantonista da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do Centro, o suspeito chegou ao local por volta das 0h18, estacionou a moto atrás do carro de Marcel e executou o crime. A vítima morreu na cadeira, antes mesmo que pudesse ser socorrida. Em seguida,  o suspeito fugiu sentido Rua José Maria.

PASSAGENS PELA POLÍCIA

Marcel sempre foi conhecido pelo estilo ostentação. Na Justiça, tem pelo menos dois processos, um de execução de dívida e outro por quebra de contrato. O empresário também coleciona várias passagens pela polícia, a maioria por ameaça e violência. Além disso, em 2016, protagonizou um caso de desacato policial e ficou famoso depois de ter vídeo íntimo vazado na internet. No site do Tribunal de Justiça do Estado consta que, em 2014, Marcel foi processado por quebra de contrato firmado em 2012.

 

 

Felpuda


Candidato a prefeito em cidade do interior tremeu que só nas bases diante da decisão que tirou a corda do pescoço de adversário, liberando o dito-cujo para disputar a eleição.

Como acreditava que o pleito seria “um passeio”, estava até pensando no modelito que usaria no dia da posse.

Agora, teme nadar, nadar e morrer na beira da praia, deixando o terno pendurado no cabide.